Via Aérea Difícil Pediátrica: Disostose Mandibulofacial Tipo Guion-Almeida

  • Francisco Gouveia Interno de Formação Específica do Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia-Espinho, Vila Nova de Gaia, Portugal
  • Susana Quevedo Assistente Hospitalar de Anestesiologia, Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia-Espinho, Vila Nova de Gaia, Portugal
  • Ana Ferreira Assistente Hospitalar de Anestesiologia, Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia-Espinho, Vila Nova de Gaia, Portugal
  • Cláudia Dourado Assistente Hospitalar de Anestesiologia, Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia-Espinho, Vila Nova de Gaia, Portugal
Palavras-chave: Disostose Mandibulofacial, Fibras Ópticas, Intubação Intratraqueal, Máscaras Laríngeas, Obstrução das Vias Respiratórias

Resumo

A disostose mandibulo-facial tipo Guion-Almeida é uma síndrome polimalformativa rara que condiciona alterações craniofaciais de agravamento progressivo, associadas a dificuldades na ventilação com máscara facial e intubação oro-traqueal. 

A via aérea difícil pediátrica é uma causa de importante morbimortalidade anestésica. Estão disponíveis vários equipamentos alternativos ao laringoscópio convencional que facilitam o manuseio da via aérea difícil e garantem menos lesões da mucosa traqueal associada à intubação oro-traqueal. 

Apresenta-se um caso de uma criança pequena com esta síndrome em dois momentos cirúrgicos diferentes, descrevendo a abordagem da via aérea em cada uma delas e comparando os equipamentos utilizados. 

A intubação oro-traqueal por fibroscopia através da máscara laríngea é uma alternativa eficaz e segura no manuseio da via aérea difícil pediátrica.

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.
Publicado
2018-03-30
Como Citar
Gouveia, F., Quevedo, S., Ferreira, A., & Dourado, C. (2018). Via Aérea Difícil Pediátrica: Disostose Mandibulofacial Tipo Guion-Almeida. Revista Da Sociedade Portuguesa De Anestesiologia, 27(1), 78-80. https://doi.org/10.25751/rspa.12384
Secção
Caso Clínico