Mia Couto e as Possibilidades Literário-Pedagógicas para a Lei n.º 10.639/03

  • Eni Alves Rodrigues Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Rua Manoel Salomé de Oliveira, 14 Guarujá, Betim, MG, CEP 32603-230 Brasil
Palavras-chave: Lei n.º 10.639/2003, literatura afro-brasileira, Mia Couto-obras, propostas pedagógicas, brincriações, realismo

Resumo

O artigo pretende avaliar de que forma Mia Couto, autor de literaturas africanas de língua portuguesa, pode ser abordado na Lei n.º 10.639/2003, ou seja, no estudo da história da África e dos africanos, da luta dos negros no Brasil, da cultura negra brasileira e na constatação da importância do negro na formação da sociedade nacional, resgatando a contribuição do povo negro nas áreas social, econômica e políticas pertinentes à história do Brasil. Neste artigo procedeu-se à análise literária da escrita miacoutiana em consonância com as recomendações da Lei n.º 10.639/2003, mostrando a sua importante contribuição literária e pedagógica para a aplicabilidade da referida lei.

Referências

Araújo, M. C. (2011). A Poética de Aristóteles sob a abordagem de Lígia Militz da Costa. Kalíope. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária, 7(14), 70-82.

Benjamin, W. (1994). O narrador: Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In Magia e técnica, arte e política: Ensaios sobre literatura e história da cultura (Obras escolhidas, vol. 1, pp. 197-221) (7ª ed.) (S. P. Rouanet, Trad.). São Paulo: Brasiliense. (Obra original publicada em 1936)

Cândido, A. (2004). Iniciação à literatura brasileira (4ª ed.). Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul.

Conselho Nacional de Educação. (2004). Parecer CNE/CP3/2004. Diretrizes curriculares para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana. Brasília: Ministério da Educação. Disponível em: www.mec.gov.br/cne (acedido em novembro de 2013).

Cosson, R. (2006). Letramento literário: Teoria e prática. São Paulo: Contexto.

Couto, M. (2005). O último voo do flamingo. São Paulo: Companhia das Letras.

Couto, M. (2006a). O beijo da palavrinha. Rio de Janeiro: Língua Geral.

Couto, M. (2006b). O outro pé da sereia. São Paulo: Companhia das Letras.

Couto, M. (2008). O gato e o escuro. São Paulo: Companhia das Letrinhas.

Couto, M. (2009). O fio das missangas. São Paulo: Companhia da Letras.

Fanon, F. (1968). Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Fonseca, M. N. S. (2007). Panorama das literaturas africanas de língua portuguesa. Cadernos CESPUC de Pesquisa, 16, pp. 13-69.

Fonseca, M. N. S., & Cury, M. Z. (2008). Mia Couto: Espaços ficcionais. Belo Horizonte: Autêntica.

Lei nº 9.394. (1996). Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Diário Oficial da União, 23 de dezembro de 1996. Disponível em: http://www2.senado.leg.br/​bdsf/​bitstream/​handle/​id/​70320/​65.pdf (acedido em março de 2014).

Lei n.º 10.639. (2003). In Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 jan. 2003, p. 1. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/​ccivil_03/​Leis/​2003/​L10.639.htm (acedido em novembro de 2013).

Lei nº 11.645. (2008). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/​ccivil_03/​_ato2007-2010/​ 2008/lei/l11645.htm (acedido em novembro de 2013).

Lei nº 12.519. (2011). Institui o Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra. Brasília, 10 de novembro de 2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/​ccivil_03/​_Ato2011-2014/​2011/​Lei/​L12519.htm (acedido em março de 2014).

Mata, I. (2006). A crítica literária africana e a teoria pós-colonial: Um modismo ou uma exigência? Ipotesi, 10(1-2), 33-44.

Moreira, T. T. (2005). O vão da voz: A metamorfose do narrador na ficção moçambicana. Belo Horizonte: PUC Minas.

Retratos da leitura no Brasil. (2011). Disponível em: http://www.imprensaoficial.com.br/​retratosdaleitura/​RetratosDaLeituraNoBrasil3-2012.pdf#page=220&zoom=auto, -157,232 (acedido em outubro de 2014).

Rodrigues, E. A. (2015). A inclusão de obras de Mia Couto nos kits de literatura de escolas mineiras e os pressupostos da Lei n.º 10.639/2003: Pontos de vista e propostas de leitura. Dissertação de mestrado não publicada. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação em Letras, Belo Horizonte, Brasil.

Secco, C. L. T., Salgado, M. T., & Jorge, S. R. (Org.) (2010). África, escritas literárias: Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe. Rio de Janeiro & Luanda: Universidade Federal do Rio de Janeiro & União de Escritores Angolanos.

Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais. (2014). Projeto Afrominas. Disponível em: http://crv.educacao.mg.gov.br/​sistema_crv/​index.aspx?id_projeto=27&ID_OBJETO =117459&tipo=ob&cp=000000&cb=&ie=AF_Projeto (acedido em março de 2014).

SEPPIR (Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da Repú-blica). (2004). Marco conceitual do projeto A Cor da Cultura. Disponível em: http://www.portaldaigualdade.gov.br/​ (acedido em março de 2014).

Silva, A. C. (2010). O rio e a casa: Imagens do tempo na ficção de Mia Couto. São Paulo: UNESP.

SMED/BH (Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte). (2013). Legislações. Núcleo étnico-racial. Disponível em: http://etnicogenero.blogspot.com.br (acedido em outubro de 2013).

Tarouco, E. S. (2010). O realismo animista e a literatura africana. Disponível em: http://www.uniritter.edu.br/​eventos/​sepesq/​vi_sepesq/​arquivosPDF/​27154/​1938/​com_identificacao/​Artigo%20Sepesq%20Animismo.pdf (acedido em 22 de setembro de 2014).

Terceiro Indicador Nacional de Alfabetismo Funcional. (2003). São Paulo: Instituto Paulo Montenegro. Disponível em: http://www.ipm.org.br/​download/​inaf03.pdf (acedido em março de 2014).

Publicado
2018-06-08