Vulnerabilidade ao stress na pessoa com esclerose multipla

Autores

  • Ana Geraldo Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra
  • Carlos Albuquerque Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu, CI&DETS. Universidade do Minho, CIEC, Portugal https://orcid.org/0000-0002-2297-0636
  • Rosa Martins Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu, CI&DETS https://orcid.org/0000-0001-9850-9822
  • Isabel Bica Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu, CI&DETS https://orcid.org/0000-0002-7019-0132
  • Olivério Ribeiro Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu, CI&DETS
  • António Dias CI&DETS, Escola Superior de Saúde, Instituto Politécnico de Viseu https://orcid.org/0000-0003-3985-2174

DOI:

https://doi.org/10.48492/servir023.24008

Palavras-chave:

Esclerose Múltipla, Complicações, Qualidade de Vida, Vulnerabilidade ao Stress, Prevenção, Mensuração

Resumo

INTRODUÇÃO

A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença neurológica que ao estar associada a dificuldades de ajustamento, devido à falta de cura e à deterioração dos sintomas, leva com frequência a reconhecidas consequências biopsicossociais.

OBJECTIVO

Avaliar a vulnerabilidade ao stress na pessoa com esclerose múltipla.

MÉTODOS

Conceptualizámos um estudo transversal, descritivo-correlacional, de natureza quantitativa, tendo recorrido a uma amostra constituída por 54 portadores de EM, maioritariamente do género feminino (61.1%), já com sequelas da doença (68.5%), e com uma média de idades de 42.11 anos (Dp=11.728). O instrumento de recolha de dados, além de uma Ficha de caracterização sócio-demográfica e clínica, incorporou escalas aferidas e validadas para a população portuguesa: Escala de Vulnerabilidade ao Stress (23QVS) e Escala Multiple Sclerosis Quality of Life (MSQoL-54).

RESULTADOS

Tendo por referência o ponto de coorte da 23QVS, os resultados evidenciam que 48.1% dos utentes inquiridos manifestam estados de vulnerabilidade ao stress, expressando-se esta vulnerabilidade sobretudo em duas dimensões, com valores médios mais elevados: “carência de apoio social” (x̅=2.06) e “condições de vida adversas” (x̅=3.67). A vulnerabilidade ao stress, é significativamente maior nos sujeitos do sexo feminino, casados ou em união de facto, empregados e já com sequelas da doença. Já o efeito da idade não se revelou estatisticamente significativo.

CONCLUSÕES

As inferências resultantes deste estudo convidam-nos a entrar neste mundo subjectivo onde se torna imprescindível um rigoroso conhecimento não apenas das características clínicas da doença, como também das suas implicações, no sentido da implementação precoce de um programa de prevenção de complicações, que potencie a melhor qualidade de vida do utente portador de EM.

Referências

Furtado, O.C. & Tavares, M.F. (2005). Esclerose múltipla e exercício físico. Acta Fisiátrica, 12 (3), 100-106.

Machado, A., Valente, F., Reis, M., Saraiva, P., Silva, R., Martins, R., ... Rodrigues, T. (2010). Esclerose múltipla. Implicações sócio- económicas. Acta Médica Portuguesa, 23, 631-640.

Sá, J.C. & Cordeiro, C. (2008). Esclerose Múltipla (Colecção Compreender a Doença, Nº7). Porto:Ambar.

Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla. (2010). Estudo: Empregabilidade e Esclerose Múltipla. Acedido em 22, março, 2013, em http://www.spem.pt

Rodrigues, I.F., Nielson, M.B. & Marinho, A.R. (2008). Avaliação da fisioterapia sobre o equilíbrio e a qualidade de vida em pacientes com esclerose múltipla. Revista Neurociências, 16 (4),

Oliveira, M.R., Santos, D.F., Fenelon, S.B. & Penha-Silva, N. (2007). Uso da rosuvastatina em esclerose múltipla. Revista Neurociências, 15 (3), 246-250.

Pedro, L. & Pais-Ribeiro, J.L. (2010). Implicações da situação profissional na qualidade de vida em indivíduos com esclerose múltipla. Actas do VII Simpósio Nacional de Investigação em Psicologia, Universidade do Minho, 4 a 6 de Fevereiro, 1286- 1294.

Rodrigues, A. (2008). Aprender a viver melhor com... Esclerose Múltipla. Tomar.

Soares, M.S. (2006). Qualidade de Vida e Esclerose Múltipla. Coimbra: Formasau.

Hawkins, S.A. & McDonnell, G.V. (1999). Benign Multiple Sclerosis? Clinical course, long term follow up, and assessment of prognostic factors. Journal of Neurology, Neurosurgery & Psychiatry, 67 (2), 148-152.

Cruz, S., Monteiro, A., Ferreira, S. & Mendes, A. (2004). Qualidade de vida em doentes com esclerose múltipla: estudo da influência da vulnerabilidade e da resiliência ao stress na sua avaliação. Psiquiatria Clínica, 25 (2), 107-114.

Vickrey, B.G., Hays, R.D., Harooni, R., Myers, L.W. & Ellison,

G.W. (1995). A health-related quality of life measurefor multiple sclerosis. Qual Life Res., 4 (3), 187-206.

Pedro, L. & Pais-Ribeiro, J.L. (2008). Características psicométricas dos instrumentos usados para avaliar a qualidade de vida na esclerose múltipla: uma revisão bibliográfica. Fisioterapia e Pesquisa, 5 (3), 309-314.

Vaz Serra, A. (2000). Construção de uma escala para avaliar a vulnerabilidade ao stress: a 23QVS. Psiquiatria Clínica, 21 (4), 279-308.

Mimoso, T. (2007). Qualidade de vida nos utentes com esclerose múltipla – Qual a intervenção da fisioterapia?. ESSFisioline, 3 (4), 36-56.

Haase, V.G., Lacerda, S.S., Lima, E.P., Corrêa, T.D., Brito,

D.C. & Lana-Peixoto, M.A. (2004). Avaliação do funcionamento psicossocial na esclerose múltipla. Características psicométricas de quatro medidas de auto-relato. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, 62 (2-A), 282-291.

Ridder, D., Fournier, M. & Bensing, J. (2004). Does optimism affect symptom report in chronic disease? What are its consequences for self-care behaviour and physical functioning? Journal of Psychosomatic Research, 56 (3), 341-350.

Sousa, C. & Pereira, M.G. (2007). Representações da doença, ajustamento à doença, qualidade de vida, morbilidade psicológica e satisfação marital em adultos com esclerose múltipla. Psicologia: Teoria, Investigação e Prática, 1, 123-138.

Cunha, M.; Pina, F. & Albuquerque, C. (2012). Vulnerability to stress and quality of life in patients following Acute Myocardial Infarction. European Journal of Epidemiology. Vol. 27, Supplement 1, September 2012, sp. 177-178. DOI 10. 1007/s12529-012-9247-0

Downloads

Publicado

2016-06-30

Como Citar

Geraldo, A., Albuquerque, C., Martins, R., Bica, I., Ribeiro, O., & Dias, A. (2016). Vulnerabilidade ao stress na pessoa com esclerose multipla . Servir, 59(3), 34–39. https://doi.org/10.48492/servir023.24008