Crenças acerca da medicação e adesão terapêutica em utentes hipertensos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48492/servir023.24012

Palavras-chave:

Crenças acerca da medicação, Adesão terapêutica, Hipertensão arterial

Resumo

INTRODUÇÃO

A hipertensão artérias (HTA) é o fator de risco mais prevalente na população portuguesa e como doença crónica que é, necessita da terapêutica e vigilância continuada no tempo, sendo importante não esquecer que a interrupção da terapêutica, absoluta ou intermitente, pode associar-se a um agravamento da situação clínica.

O fenómeno da adesão ao tratamento é motivo de preocupação por parte da comunidade científica, sendo considerado como um problema mundial de elevada magnitude. As implicações são de grande relevância na morbilidade e mortalidade e no significativo aumento do consumo de cuidados de saúde e dos custos para o sistema de saúde.

OBJETIVO

Pretende-se avaliar a adesão ao tratamento e relacionar as crenças acerca dos medicamentos com a adesão ao tratamento.

MÉTODOS

Estudo, de carácter observacional e transversal, realizado com 119 utentes com diagnóstico médico de HTA há pelo menos um ano.

A recolha de dados foi efetuada através de um questionário (caracterização sociodemográfica, Medida de Adesão aos Tratamentos e Crenças acerca dos Fármacos) autoaplicado aos indivíduos que se encontravam no momento a frequentar a consulta nos cuidados de saúde primários.

O protocolo de pesquisa foi avaliado e aprovado pelo Comitê de Ética. A análise estatística foi processada através do programa SPSS versão 20.0 com utilização de testes paramétricos e não paramétricos consoante as variáveis do estudo apresentavam ou não uma distribuição normal.

RESULTADOS

Os doentes apresentaram uma média de idade de 64,2 anos± 11,1 anos, 54,6% eram do sexo masculino, 81,50% eram “casados”, 66,4% tinham escolaridade até ao “4º ano”, 63%, residiam na “aldeia”, 50,2% eram “reformados”, 48,7% auferiam um rendimento até um “ordenado mínimo” e 10,9% referiram ter grandes dificuldades económicas.

Clinicamente 23,5% dos hipertensos apresentaram TA não controlada (≥ 140/90 mmHg).

A prevalecia da adesão do hipertenso foi de 51,3%. A forte crença nas necessidades específicas da medicação prescrita, revelou-se pedidora da adesão à medicação.

CONCLUSÕES

Os resultados são consistentes com estudos anteriores, em que os indivíduos com crenças mais elevadas nas necessidades específicas da medicação prescrita, registaram maior taxa de adesão à medicação.

Referências

Aggarwal, B., & Mosca, L. (2010). Lifestyle and psychosocial risk fators predict non-adherence to medication. Ann Behav Med., 40 (2), 228-33. doi:10.1007/s12160-010-9212-6.

Albert, N. M. (2008). Improving medication adherence in chronic cardiovascular disease. Crit Care Nurse, 28 (5), 54-64.

Bosworth, H. B., Granger, B. B., Mendys, P., Brindis, R., Burkholde, R., Czajkowski, S. M., … Granger, C. B. (2011). Medication adherence: A call for action. Am Heart J.;162(3):412-424. doi:10.1016/j.ahj.2011.06.007

Bowry, A. D., Shrank, W. H., Lee, J. L., Stedman, M., & Choudhry, N. K. (2011). A systematic review of adherence to cardiovascular medications in resource-limited settings. J Gen Intern Med.; 26(12):1479-1491. doi:10.1007/s11606-011-1825-3

Chaudhry, H. J., & McDermott, B. (2008). Recognizing and improving patient nonadherence to statin therapy. Curr Atheroscler Rep., 10(1), 19-24.

Delgado, A. B., & Lima, M. L. (2001). Contributo para a validação concorrente de uma medida de adesão aos tratamentos. Psicologia, Saúde & Doença; 2(2):81-100.

DGS (2013). Hipertensão Arterial: definição e classificação. Departamento da Qualidade na Saúde. Norma Direção Geral de Saúde número 020/2011 atualizada a 19/03/2013

French, D. P., Wade, A. N., & Farmer, A. J. (2013). Predicting self-care behaviours of patients with type 2 diabetes: The importance of beliefs about behaviour, not just beliefs about illness. J Psychosom Res., 74 (4), 327-333. doi: 10.1016/j.jpsychores.2012.12.008

Gordon, K., Smith, F., & Dhillon, S. (2007). Effective chronic disease management: patients’ perspectives on medication-related problems. Patient Educ Couns65(3):407-415. doi:10.1016/j.pec.2006.09.012

Ho, P. M., Bryson, C. L., & Rumsfeld, J. S. (2009). Medication Adherence: Its Importance in Cardiovascular Outcomes. Circulation., 119 (23), 3028-3035. doi: 10.1161/CIRCULATIONAHA.108.768986

Instituto Nacional de Estatística. (2008). The demographic changes in Portugal. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística.

Jin, J., Sklar, G. E., Oh, M. S. V., & Li, C. S. (2008). Fators affecting therapeutic compliance: A review from the patient’s perspective. Ther Clin Risk Manag., 4 (1), 269-286. doi:org/10.2147/TCRM.S1458

Mancia, G., Fagard, R., Narkiewicz, K., Redo´n J., Zanchetti, A., Bohm, M., … , Zannad, F., Task Force Members. (2013). ESH/ESC Guidelines for the management of arterial hypertension: the Task Force for the management of arterial hypertension of the European Society of Hypertension (ESH) and of the European Society of Cardiology (ESC). J Hypertens 2013; 31:1281-1357. doi: 10.1097/01.hjh.0000431740.32696.cc.

McHorney, C. A. (2009). The Adherence Estimator: A brief, proximal screener for patient propensity to adhere to prescription medications for chronic disease. Curr Med Res Opin;25(1):215-238. doi:10.1185/03007990802619425

Molfenter, T. D., Bhattacharya, A., & Gustafson, D. H. (2012). The roles of past behavior and health beliefs in predicting medication adherence to a statin regimen. Patient Prefer

Adherence, 6, 643-651. doi:10.2147/PPA.S34711

Pereira M. G., & Silva, N. S. (1999). Questionário de Crenças Acerca dos Fármacos. Avaliação Psicológica. Formas e Contextos;5:52-57.

Pestana M. H., & Gageiro J. N. (2008). Análise de dados para ciências sociais: A complementaridade do SPSS (5ª ed.). Lisboa: Edições Sílabo.

Polónia, J., Martins, L., Pinto, F,. & Nazaré, J. (2014). Prevalence, awareness, treatment and control of hypertension and salt intake in Portugal: changes over a decade. The PHYSAstudy. Journal of Hypertension, 32:1211–1221. doi:10.1097/HJH.0000000000000162

Sanfélix-Gimeno G., Peiró S., Ferreros I., Pérez-Vicente R., Librero J., Catalá-López F, … Tortosa-Nácher, V. Adherence to evidence-based therapies after acute coronary syndrome: A retrospective population-based cohort study linking hospital, outpatient, and pharmacy health information systems in Valencia, Spain. J Manag Care Pharm. 2013;19(3):247-257.

Schüz, B., Marx, C., Wurm, S., Warner, L. M., Ziegelmann, J. P., Schwarzer, R., & Tesch-Römer, C. (2011). Medication beliefs predict medication adherence in older adults with multiple illnesses. J Psychosom Res., 70 (2), 179-187. doi.org/10.1016/j.jpsychores.2010.07.014

Sociedade Portuguesa de Hipertensão. (2014). Guidelines de 2013 da ESH/ESC para o Tratamento da Hipertensão Arterial. Revista Portuguesa de Hipertensão e Risco Cardiovascular. 39 (Suplemento). Retrieved from https://www.sphta.org.pt/files/guidelines_31janeiro2014-final.pdf

World Health Organization. (2011). Global status report on non communicable diseases, 2010. Geneva: Author. Retrieved from http://www.who.int/nmh/publications/ncd_report_full_en.pdf

Wu, J. R., Lennie, T. A., Chung, M. L., Frazier, S. K., Dekker, R. L., Biddle, M. J., & Moser, D. K. (2012). Medication adherence mediates the relationship between marital status and cardiac event-free survival in patients with heart failure. Heart & Lung, 41 (2), 107-114. doi:10.1016/j.hrtlng.2011.09.009

Downloads

Publicado

2016-06-30

Como Citar

Dias, A., Cunha, M., Ribeiro, O., Albuquerque, C., & Andrade, A. (2016). Crenças acerca da medicação e adesão terapêutica em utentes hipertensos . Servir, 59(3), 50–55. https://doi.org/10.48492/servir023.24012