Lombalgias e incapacidade funcional nos enfermeiros

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48492/servir024.24030

Palavras-chave:

Lombalgias, Enfermagem, Incapacidade Funcional

Resumo

INTRODUÇÃO

Os enfermeiros em contexto hospitalar e no âmbito das suas funções estão sujeitos a esforços excessivos e repetitivos, durante longos períodos de tempo, adotando posturas incorretas. A escassez de recursos humanos e técnicos, bem como algumas condições de trabalho são favoráveis ao aparecimento de lombalgias. Estas causam dor, limitação funcional e custos elevados com os cuidados de saúde, podendo contribuir para um elevado absentismo laboral.

OBJETIVO

Avaliar a prevalência de lombalgias nos enfermeiros.

Determinar a relação entre as variáveis sociodemográficas e a incapacidade funcional com as lombalgias.

MÉTODOS

Realizou-se um estudo não experimental, de natureza quantitativa e transversal, seguindo uma via descritivo-correlacional. Recorremos a uma amostra não probabilística por conveniência, constituída por 103 enfermeiros, a desempenhar funções na área hospitalar, com idades compreendidas entre os 25 e os 54 anos (Média= 34,01±7,69). Para a mensuração das variáveis foi utilizado instrumento de colheita de dados no sentido de avaliar a prevalência de lombalgias e o Questionário de Dor Lombar e Incapacidade de Quebec (QDLIQ).

RESULTADOS

Os enfermeiros do estudo apresentam uma elevada prevalência de lombalgias (78,64%) nos últimos 12 meses. Os resultados sugerem que a prevalência de lombalgias é mais frequente nas mulheres, com menos de 40 anos de idade, com excesso de peso, que não praticam qualquer atividade desportiva, que realizam atividades domésticas diárias e que apresentam maior grau de incapacidade funcional.

CONCLUSÕES

Os resultados desta investigação confirmam a prevalência elevada de lombalgias nos enfermeiros em estudo. Mostrou ainda a associação com as variáveis sociodemográficas e com a incapacidade funcional. Torna-se evidente a necessidade de maior intervenção por parte de quem tem funções de gestão, assim como dos serviços de Saúde Ocupacional Institucionais.

Referências

Barroso, M., Carneiro, P. & Braga, A. C. (2007). Characterization of ergonomic issues and musculosketal complaints in a portuguese district hospital. In Proceedings of the International Symposium “Risks for Health Care Workers: prevention challenges”, Atenas.

Baumann, A. (2007). Entornos de prática favorables: lugares de trabajo de calidad: atención de calidad al paciente: carpeta de herramienta de información y acción. Genebra: International Council of Nurses, ISBN 92–95040–82– 1, 75p

Brasileiro, V. (2005). Promoção da actividade física em meio laboral. In Saúde Desporto e Enfermagem. Coimbra: Formasau, Formação e Saúde. ISBN 972-8485-48- 4.

Fonseca, M.R.F.T. (2005). Contributo para a avaliação da prevalência de sintomatologia músculo-esquelética auto-referida pelos enfermeiros em meio hospitalar. (Dissertação de Mestrado em Saúde Pública). Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, Porto.

Fortin, Marie Fabienne (2009). Fundamentos e etapas do processo de investigação. Loures: Lusodidacta

Garganta, R. & Chaves, C. (2007). Cuide da sua coluna vertebral. Iberfitness.

Moraes, E., Silva, M. & Pereira, J. (2003). A prevalência de lombalgia em capoeiristas do Rio de Janeiro. Revista de Fisioterapia Brasileira, 4 (5): 311-319.

Reneman, M.F., Jorritsma W., Schellekens J.M. & Goeken L.N. (2002). Concurrent validity of questionnaire and performance-based disability measurements in patients with chronic nonspecific low back pain. Journal of Occupational Rehabilitation, 12 (3): 119–129.

Serranheira, F. & Uva, A. (2007). Identificação e avaliação do risco de LMERT. In Colóquio Internacional Segurança e Higiene Ocupacionais. Guimarães: Escola de Engenharia, Universidade do Minho.

Tammelin, T., Näyhä, S., Rintamäki, H. & Zitting, P. (2002). Occupational physical activity is related to physical fitness in young workers. Finlândia: Oulu Regional Institute of Occupational health.

World Health Organization (WHO) (2002). The world health report, reducing risks, promoting healthy life. Disponível em: http://www.who.int/whr/2002/en/

Downloads

Publicado

2016-08-31

Como Citar

Moreira, H., Guerra, C., Andrade, A., Martins, R., & Albuquerque, C. (2016). Lombalgias e incapacidade funcional nos enfermeiros . Servir, 59(4), 58–62. https://doi.org/10.48492/servir024.24030