Os enfermeiros no início do século XX no Hospital Real de S. José e anexos em Lisboa

Autores

  • Luís Lisboa Santos Professor da Escola Superior de Enfermagem São Francisco das Misericórdias
  • João Paulo Nunes Professor da Escola Superior de Enfermagem São Francisco das Misericórdias
  • Cristina Filipa Caseiro Pires Estudante de Enfermagem da ESESFM
  • Mariana Agra Ambrósio Estudante de Enfermagem da ESESFM
  • Mariana Teixeira de Amorim Alves Estudante de Enfermagem da ESESFM
  • Patrícia Sofia Almeida Duarte Estudante de Enfermagem da ESESFM

DOI:

https://doi.org/10.48492/servir021-2.24499

Palavras-chave:

história da enfermagem, hospitais, enfermeiros

Resumo

Enquadramento: No inicio do século XX, em Portugal, o hospital Real de S. José e anexos centralizava os cuidados a prestar aos doentes da região de Lisboa, e também de outras regiões do país, locais onde os enfermeiros desempenhavam funções relevantes na sua dinâmica organizacional.

Objetivos:

  • Analisar a organização hospitalar no Hospital Real de S. José e anexos em 1901;
  • Identificar as funções que os enfermeiros exerciam no Hospital Real de S. José e anexos em 1901;
  • Interpretar as funções que os enfermeiros exerciam no Hospital Real de S. José e anexos em 1901;

Material e Métodos: Estudo qualitativo de cariz histórico, que nos remete para o passado, podendo originar novas ideias e conceber, desta forma, uma nova estrutura ao pensamento e à compreensão humana, tendo em conta o tempo, o lugar e as situações. Para a realização deste estudo recorremos a uma fonte primária e a fontes secundárias. Como fonte primária recorremos ao “Regulamento dos Serviços Clínicos do Hospital Real de S. José e anexos, de 1901”, que se encontra na Biblioteca Nacional de Lisboa. Como fontes secundárias recorremos a artigos e a uma tese de doutoramento, encontrados na plataforma digital Google Académico.

Resultados: O regulamento geral dos serviços clínicos do hospital real de S. José e anexos de 1901 apresenta-se como um extenso documento com 221 artigos, ao longo de sete grandes capítulos. Este regulamento abrangia os seguintes hospitais:

“1º - Hospital de S. José; 2º - Hospital Estephania; 3º - Hospital da Rainha D. Amelia; 4º - Hospital de Rilhafolles… Tem este hospital regulamentos e regímen privativo; 5º -Hospital do Desterro; 6º -Hospital de S. Lazaro; 7º - Hospital de incuráveis e de isolamento” (Regulamento dos Serviços Clínicos do Hospital Real de S. José e anexos, de 1901:7-10), sendo que a “(…) regulamentação geral dos serviços é commum às enfermarias de todos os hospitais indistinctamente, …” (ib: p. 6).

Conclusões:  Com a análise e interpretação deste regulamento depreendemos que o Hospital Real de S. José e anexos era uma forte referência para a prestação dos cuidados ao doente, apresentando vários recursos para os mesmos, assegurados pelos enfermeiros.

Referências

Carvalho, J. (2010). Percurso e evolução da Enfermagem em Portugal. p. 57. Farinha, L. (2012).

Felismino, D., Andrade, H., Sousa, G., & Almeida, F. (2017 ). 800 Anos de Saúde em Portugal . Lisboa: Museu da Saúde .

Ferreira, A., Canastra, A., & Esteves, A. (Dezembro de 2013). Investigação em história de enfermagem: um contributo do passado para o futuro . Revista de Enfermagem Referência, 153-158.

Ferreira, D., & Dias, P. (2016).

Maia, A., Costa, E., Padilha, M., & Borenstein , M. (2011).Pesquisa histórica: possibilidades teóricas, filosóficas e metodológicas para. 137-149.

Nunes, L. (2003). Um olhar sobre o ombro: Enfermagem em Portugal (1881- 1998). Lisboa : Lusociência.

Oguisso, T., & Campos, P. (2013). Por que e para que estudar história da enfermagem? Enfermagem em Foco, 49-53.

Ricoeur, P. (2018). Teoria da Interpretação. Lisboa: Edições 70.

S.José, H. R. (1901). Regulamento Geral dos Serviços Clínicos do Hospital Real de S. José e Annexos. Lisboa: Imprensa Nacional.

Santos, L. (2012). Uma história da enfermagem em portugal (1143-1973) A constância do essencial num mundo em evolução permanente. Lisboa.

Serviço Nacional de Saúde. (s.d.). Obtido de Hospital de S. José.

Streubert, H., & Carpenter, D. (1999). Investigação Qualitativa em Enferma- gem: Avançando o Imperativo Humanista. Lisboa : LUSOCIÊNCIA .

Downloads

Publicado

2021-05-03

Edição

Secção

Artigos