Cuidados de enfermagem à pessoa com dispositivo de hemostase radial segura

Autores

  • Liliana Oliveira Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde, Viseu, Portugal | Centro Hospitalar Universitário de Coimbra, Serviço de Neurologia C /UAVC, Coimbra, Portugal https://orcid.org/0000-0002-5536-1570
  • Madalena Cunha Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde, Viseu, Portugal; UICISA: E, ESEnfC, Coimbra; SIGMA – Phi Xi Chapter, ESEnfC, Coimbra, Portugal; CIEC- UM, Braga, Portugal https://orcid.org/0000-0003-0710-9220

DOI:

https://doi.org/10.48492/servir0201.25745

Palavras-chave:

cuidados, enfermagem médico-cirúrgica, dispositivo de hemostase radial segura

Resumo

Introdução: A utilização do acesso radial para a realização de procedimentos invasivos mostra-se segura e eficaz, com redução significativa das taxas decomplicações vasculares relacionadas com o local de punção.

Objetivo: Determinar o nível de conhecimentos sobre os cuidados de enfermagem à pessoa com dispositivo de hemostase radial segura.

Métodos: Estudoquantitativo, descritivo-correlacional, em coorte transversal, numa amostra de 126 enfermeiros. Aplicou-se o Questionário de Conhecimentos sobre os cuidadosde enfermagem à pessoa com dispositivo de hemostase radial segura (Oliveira & Cunha, 2021), divulgado pela Ordem dos Enfermeiros e aplicado via online aenfermeiros a exercer em Portugal.

Resultados: Os enfermeiros detêm na sua maioria (73,8%) conhecimento sobre os diferentes tipos e dispositivos de hemostase existentes e 59,5% prestaram cuidados à pessoa com dispositivo de compressão radial. Os enfermeiros do género masculino foram os que revelaram mais conhecimentos (p=0,007),conhecem os diferentes tipos e dispositivos de hemostase existentes (p=0,000) e já prestaram cuidados à pessoa com dispositivo de compressão radial (p=0,017). Dos 126 enfermeiros inquiridos 63,5% apresentaram razoáveis conhecimentos nesta área, 27,0% bons conhecimentos e 9,5% fracosconhecimentos.

Conclusão: Denota-se ser necessário aumentar o nível de conhecimentos dos enfermeiros e uniformizar as práticas para prestar cuidados mais seguros e demaior qualidade à pessoa com dispositivo de compressão radial segura.

Referências

Andrade, M. V. A., de Andrade, P. B., Barbosa, R. A., Tebet, M. A., da Silva, F. S. M., Labrunie, A., & Mattos, L. A. (2011). Validação de protocolo para obtenção de hemostasia com dispositivo de compressão radial TR band após intervenção coronária percutânea. Revista Brasileira de Cardiologia Invasiva, 19, 184–188. https://doi.org/https://doi.org/10.1590/S2179-83972011000200014

Assaf, S., Freitas, J.O., Berti, S.L., Costa, J.R., & Zbeid, J.A.L. (2015). Comparação do curativo compressivo vs. pulseira hemostática após cateterização por via radial. Rev Bras de Cardiol Invasiva ; 23(4):271-5. Disponível em: http://www.rbci.org.br/pt/comparacao-do-curativo-compressivo-vs-/articulo/S0104184316300133/

Barbosa, R. A., de Andrade, M. V. A., de Andrade, P. B., Rinaldi, F. S., de Castro Bienert, I. R., Nogueira, E. F., Tebet, M. A., Esteves, V. C., Piva e Mattos, L. A., & Labrunie, A. (2014). Utilização de pulseira compressora seletiva na prevenção da oclusão da artéria radial após procedimento coronário invasivo. Revista Brasileira de Cardiologia Invasiva, 22(2), 115–119. https://doi.org/10.1590/0104-1843000000020

Campos, M. A. de C., Alves, C. M. R., Tsunemi, M. H., Peterlini, M. A. S., & Avelar, A. F. M. (2018). Randomized clinical study on radial artery compression time after elective coronary angiography. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 26. https://doi.org/10.1590/1518-8345.2584.3084

Córdova, E.S.M., Santos, L.R., Toebe, D., Moraes, M.A.P., & Souza, E.N. (2018). Incidence of hemorrhagic complications with use of a radial compression device: a cohort study. Rev Esc Enferm USP; 52:e03410. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1980-220X2017041003410

D´amico, M. T. D. S., de Lima, I. F., da Silva, I. V. M., Araújo, J. F., & Morais, A. (2019). Pulseira hemostática Tr Band®: vantagens do uso pós cateterismo radial e assistência de enfermagem. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo Do Conhecimento, 05, 164–173. https://doi.org/10.32749/nucleodoconhecimento.com.br/saude/pulseira-hemostatica

Dangoisse, V., Guédès, A., Chenu, P., Hanet, C., Albert, C., Robin, V. et al. (2017). Usefulness of a gentle and short hemostasis using the transradial band device after transradial access for percutaneous coronary angiography and interventions to reduce the radial artery occlusion rate (from the Prospective and Randomized CRASOC I, II, and III Studies). Am J Cardiol.; 120(3), 374-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.amjcard.2017.04.037

Figueiredo, A.R.G., Pereira, A.L., & Mateus, S. (2020). Acidente vascular cerebral isquémico vs hemorrágico: taxa de sobrevivência. HIGEIA; ANO II, VOL III, 1, 35-45

Forte, M.S.C. (2018). Perceção e vivências de empowerment em contexto hospital: retórica ou realidade motivacional? (Dissertação de Mestrado). Universidade do Minho. Acedido em http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/59433/1/Susana%20Maria%20da%20Cunha%20Forte.pdf

Ganabathi, M., Mariappan, U., & Mustafa, H. (2017). Nurses’ Knowledge, Attitude and Practices on Fall Prevention in King Abdul Aziz Hospital, Kingdom of Saudi Arabia. Nur Primary Care; Vol. 1, 6, 1-6. Acedido em https://www.scivisionpub.com/pdfs/nurses-knowledge-attitude-and-practices-on-fall-prevention-in-king-abdul-aziz-hospital-kingdom-of-saudi-arabia-228.pdf

Kotowycz, M. A., & Dẑavík, V. (2012). Radial artery patency after transradial catheterization. Circulation: Cardiovascular Interventions, 5(1), 127–133. https://doi.org/10.1161/CIRCINTERVENTIONS.111.965871

Narsinh, K.H., Mirza, M.H., Caton, Jr.M.T. et al. (2021). Radial artery access for neuroendovascular procedures: safety review and complications. J NeuroIntervent Surg Epub; 0, 1-9. doi:10.1136/neurintsurg-2021-017325

Neves, N.M.C.G. (2016). A perceção dos enfermeiros acerca do empowerment numa organização de saúde. (Dissertação de Mestrado). Instituto Politécnico de Viseu. Escola Superior de Saúde de Viseu. Acedido em https://repositorio.ipv.pt/handle/10400.19/4020

Nóbrega, E.R.A. (2016). Hemostasia da artéria radial pós cateterismo cardíaco: comparação randomizada do tempo de compressão e avaliação das complicações vasculares. (Dissertação de Mestrado). Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal de Pernambuco. Acedido em https://repositorio.ufpe.br/bitstream/123456789/18942/1/DISSERTA%C3%87%C3%83O-Raquel-2016-Biblioteca-05-07-2016%281%29.pdf

Oliveira, F.A.A., & Rocha-Filho, P.A.S. (2019). Headaches Attributed to Ischemic Stroke and Transient Ischemic Attack. Headache Currents; 59(3), 469-476. doi: 10.1111/head.13478.

Ordem dos Enfermeiros (2018). Membros activos. Balcão Único: 31-12-2018. Acedido em https://www.ordemenfermeiros.pt/media/11135/c%C3%B3pia-de2018_acumulado_dadosestatisticos_nacional.pdf

Pancholy, S., Coppola, J., Patel, T., Roke-Thomas, M. (2008). Prevenção da oclusão da artéria radial — ensaio de avaliação de hemostasia de patente (estudo PROPHET): Uma comparação aleatória da hemostasia documentada tradicional versus patência após cateterismo transradial. Catheterization. & Cardiovascular Interventions. Vol 72, 335-340. https://doi.org/10.1002/ccd.21639

Pestana, M. H. & Gageiro, J. N. (2014). Análise de dados para as ciências sociais: a complementaridade do SPSS (6ª ed.) Lisboa: Edições Silabo, Lda.

Pina, J. (2020). Conhecimentos dos enfermeiros portugueses acerca das intervenções autónomas no doente com síndrome coronário agudo e a prática baseada em evidências. (Dissertação de Mestrado). Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Bragança. Acedido em https://bibliotecadigital.ipb.pt/handle/10198/22673

Rashid, M., Kwok, C.S., Pancholy, S., Chugh, S., Kedev, S.A., Bernat, I. et al. (2016) Radial artery occlusion after transradial interventions: a systematic review and meta analysis. J Am Heart Assoc.; 5(1):e002686. DOI: 10.1161/JAHA.115.002686

Sanghvi, K.A., Montgomery, M., & Varghese, V. (2018). Effect of hemostatic device on radial artery occlusion: A randomized comparison of compression devices in the radial hemostasis study. Cardiovasc Revasc Med.; 19(8), 934- 938. doi: 10.1016/j.carrev.2018.08.013.

Santos, S. M., Rejane Rabelo-Silva, E., Aliti, G. B., Romero, P. S., Corrêa, C. L., Valle, F. H., Gonçalves, S. C., Wainstein,M. V., & Wainstein, R. V. (2018). Dois métodos de hemostasia após cateterismo transradial : THEMATIC - protocolo de ensaio clínico randomizado. Revista Gaúcha de Enfermagem, 39, e2017-0257. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2018.2017-0257

Tuttle, M. K., Haroian, N. Q., Gavin, L. F., Esposito, C. A., & Ho, K. (2019). Expedited Removal of a Radial Hemostatic Compression Device Following Cardiac Catheterization Is Safe and Associated With Reduced Time to Discharge. Cardiology research, 10(6), 331–335. https://doi.org/10.14740/cr953

Voon, V., AyyazUlHaq, M., Cahill, C., Mannix, K., Ahern, C., Hennessy, T., SamerArnous, & Kiernan, T. (2017). Randomized study comparing incidence of radial artery occlusion post-percutaneous coronary intervention between two conventional compression devices using a novel air-inflation technique. World journal of cardiology, 9(11), 807–812. https://doi.org/10.4330/wjc.v9.i11.807

Younus, F. (2018). Nurses’ Knowledge Regarding Patients Safety After Diagnostic Cardiac Catheterization in Azadi Teaching Hospital in Kirkuk City. Kirkuk University Journal /Scientific Studies (KUJSS); Vol. 13, 45-56. DOI:10.13140/RG.2.2.30798.10567

Downloads

Publicado

2021-12-30

Edição

Secção

Artigos