Eficácia da reabilitação cardíaca na qualidade de vida da pessoa

revisão integrativa da literatura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48492/servir0201.25859

Palavras-chave:

doença cardíaca, reabilitação cardíaca, qualidade de vida, enfermagem de reabilitação

Resumo

Introdução: A reabilitação cardíaca tem-se revelado uma estratégia interventiva eficaz na promoção da saúde, maximizando a qualidade de vida (QV) do doente cardíaco. Assim, este estudo tem por objetivo, avaliar os efeitos dos programas de reabilitação na qualidade de vida da Pessoa com doença cardíaca

Objetivo: Avaliar os efeitos dos programas de reabilitação na qualidade de vida da Pessoa com doença cardíaca

Métodos: Realizou-se uma revisão integrativa da literatura, com pesquisa em plataformas eletrónicas de bases de dados Scielo, Medline® (via PubMed®),Cochrane Central Register of Controlled Trials, MEDLINE, Embase e CINAHL (EBSCO) e Repositórios Científicos de Acesso Aberto em Portugal. Pesquisaram-se estudos publicados entre janeiro de 2015 a janeiro de 2021, respeitando-se os critérios de inclusão e exclusão previamente estabelecidos. O corpus darevisão ficou constituído por 7 artigos.

Resultados: Ficou demonstrado que os programas de reabilitação cardíaca melhoram globalmente a QV dos pacientes cardíacos. Essas melhorias verificaram-se aos níveis físico, emocional e social, bem como na gestão dos fatores de risco cardiovascular. Existe evidência de um benefício a curto prazo, através do treinofísico e da aplicação de exercícios adaptados na QV das pessoas.

Conclusão: Os programas de reabilitação cardíaca são efetivamente um recurso terapêutico com eficácia transversalmente positiva na qualidade de vida dasPessoas com doença cardíaca. Assim, torna-se imperativo que os Enfermeiros de reabilitação desenvolvam programas de intervenção que proporcionem ganhosem saúde e otimizem a qualidade de vida global dos Pacientes.

Referências

Abreu, A., & Araújo, C. G. S. (2016). Conceito, componentes, fases e recursos humanos e materiais da Reabilitação Cardíaca. In A. Abreu, C. G. Araújo, M. Mendes, & S. Serra (Eds.), Prevenção e Reabilitação Cardiovascular (1ª edição ed.): Sociedade Portuguesa de Cardiologia.

Bolas, R. (2017). Capítulo IV- Pessoa em programa de Reabilitação cardíaca. In Marques-Vieira, Cristina e Sousa, Luís- Cuidados de Enfermagem de Reabilitação á pessoa ao longo da vida (pp.381-391). Loures: Lusodidacta. ISBN: 978-9898075-73-4,

Choo, C.C.; Chew, P.K.H.; Lai, S.-M.; Soo, S.-C.; Ho, C.S.; Ho, R.C.; Wong, R.C.(2018). Effect of Cardiac Rehabilitation on Quality of Life, Depression and Anxiety in Asian Patients. Int. J. Environ. Res. Public Health 2018, 15, 1095. https://doi.org/10.3390/ijerph15061095

Costa, F.A.A. da, Clemente, C.E.T., Ueno, F.H., & Motta, A.R. (2017). Fatores de Risco Cardiovasculares em Lesões Coronarianas Críticas: Mito ou Realidade? International Journal of Cardiovascular Sciences; 29(5), 378-384. doi: 10.5935/2359-4802.20160058

Direção Geral de Saúde (DGS).(2017).Relatoriodo Programa Nacional para as Doenças cerebrovasculares 2017. https://www.dgs.pt/em-destaque/relatorio-do-programa-nacional-para-as-doencas-cerebro-cardiovasculares-2017.aspx

Delgado, B., Lopes, I., Loureiro, M., Mendes, E., Novo, A., & Preto, L. (2020). Reabilitação Cardíaca- Realidade Portuguesa. Lsboa: Lusodidacta.

Fernandes, R.F.P. (2018). O Exercício Físico na Gestão da Doença Cardíaca: Intervenção do Enfermeiro Especialista em Enfermagem de Reabilitação. (Dissertação de Mestrado). Escola Superior de Saúde de Lisboa. Acedido em https://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/25265/1/O%20Exerc%C3%ADcio%20F%C3%ADsico%20na%20Gestão%20da%20Doença%20Card%C3%ADaca%20Intervenção%20do%20Enfermeiro%20Especialista%20em%20Enfermagem%20de%20Reabilitação.pdf

Francis, T., Kabboul, N., Rac, V., Bielecki, J., Alter, D., & Krahn, M. (2018). The Effect of Cardiac Rehabilitation on Health- Related Quality of Life in Patients With Coronary Artery Disease: A Meta-analysis. Canadian Journal of Cardiology; Vol. 35, 3, doi:https://doi.org/10.1016/j.cjca.2018.11.013

Khalife-Zadeh, A., Dorri, S., & Shafiee, S. (2015). The effect of cardiac rehabilitation on quality of life in patients with acute coronary syndrome. Iranian journal of nursing and midwifery research, 20(5), 588–593. https://doi.org/10.4103/1735-9066.164504

Marita, I., Sastradimaja, S.B., & Tiksnadi, B.B. (2017). Effect of Short Term Cardiac Rehabilitation Program on Quality of Life in Patients with Coronary Artery Disease. AMJ.; 4(3), 479-85. doi: http://dx.doi.org/10.15850/amj.v4n3.1207

McGregor, G., Powell, R., Kimani, P. & Underwood, M. (2020). Does contemporary exercise-based cardiac rehabilitation

improve quality of life for people with coronary artery disease? A systematic review and meta-analysis. BMJ Open;10: e036089, 1-19. doi:10.1136/bmjopen-2019-036089

Mediano , F.F., Mendes , F.S.N.S., Pinto, V.L.M. et al. (2017). Reassessment of quality of life domains in patients with compensated Chagas heart failure after participating in a cardiac rehabilitation program. Rev. Soc. Bras. Med. Trop.; vol. 50, 3, 404-407. https://doi.org/10.1590/0037-8682-0429-2016

Mohammed, H.G., & Sanaba, A.M. (2018). Effect of cardiac rehabilitation on cardiovascular risk factors in chronic heart failure patients. The Egyptian Heart Journal; Vol. 70, 2, 77-82. https://doi.org/10.1016/j.ehj.2018.02.004

Novo, A., Delgado, B.,Mendes, E., Lopes, I., Preto, L., Loureiro, Maria de Fátima de Sequeira (2020). Reabilitação cardíaca - evidência e fundamentos para a prática: Loures: Lusodidacta. ISBN: 978-989-8075-92-5.

OCDE (2019). State of Health in the EU · Portugal · Perfil de saúde do país 2019. https://ec.europa.eu/health/sites/default/files/state/docs/2019_chp_pt_portuguese.pdf

Ordem dos Enfermeiros. Regulamento n.º 392/2019: Regulamento das competências específicas do Enfermeiro Especialista em Reabilitação [em linha], Lisboa: Diário da República n.º 85/2019, Série II de 2019-05-03, 2019.

Pessoa, J. (2019). Intervenção do fisioterapeuta e do enfermeiro na reabilitação cardíaca após infarto agudo do miocárdio: uma revisão integrativa. Temas em Saúde; Vol. 19, 2, 300-320. ISSN 2447-2131

Pires, M. M. (2018). A Reabilitação Cardíaca em Contexto Comunitário: aptidão física funcional da pessoa idosa com doença cardiovascular. Obtido de https://www.repository.utl.pt/handle/10400.5/15604

Relatório do Estudo e_COR – Prevalência de Fatores de Risco Cardiovasculares na População Portuguesa (2020). Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge. Acedido em https://www.sns.gov.pt/noticias/2020/02/04/fatores-de-risco-cardiovasculares/

Ritchey MD, Maresh S, McNeely J, et al. (2020). Tracking Cardiac Rehabilitation Participation and Completion Among Medicare Beneficiaries to Inform the Efforts of a National Initiative. Circ Cardiovasc Qual Outcomes; 13:e005902.

Silva, S., Nóbrega, T., Chaves, N., Nogueira, M., & Arriaga, M. (2017). Estratégias de enfermagem na promoção da atividade física. Revista Fatores de Risco, 44, 84-97. Sociedade Portuguesa de Cardiologia.

Su, J.J., & Yu, D.S.F. (2019). Effectiveness of eHealth cardiac rehabilitation on health outcomes of coronary heart disease patients: a randomized controlled trial protocol. Su and Yu BMC Cardiovascular Disorders; 19, 274. https://doi.org/10.1186/s12872-019-1262-5

Vasco, J.M.G.G. (2018). Reabilitação Cardíaca – a segunda oportunidade do coração. (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Medicina de Lisboa. Acedido em https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/42255/1/JoaoGVasco.pdf

World Health Organization (2017). Media Centre: Cardiovascular disease: WHO. http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs317/en/

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

Martins, R., Fernandes, J., Martins, S., Carvalho, N., & Batista, S. (2021). Eficácia da reabilitação cardíaca na qualidade de vida da pessoa: revisão integrativa da literatura. Servir, 2(01), 83–93. https://doi.org/10.48492/servir0201.25859

Edição

Secção

Artigos