Ética e humanização em hospitais

perceção dos gestores

Autores

  • Amélia Rego Universidade Católica Portuguesa, Instituto de Bioética, Rua Diogo Botelho, 1327, 4169-005 Porto, Portugal
  • Beatriz Araújo Universidade Católica Portuguesa, CIIS-Centro de Investigação Interdisciplinar de Ciências da Saúde, Porto, Portugal, https://orcid.org/0000-0003-0266-2449
  • Daniel Serrão Universidade Católica Portuguesa, Instituto de Bioética, Rua Diogo Botelho, 1327, 4169-005 Porto, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.48492/servir022.23678

Palavras-chave:

Ética, Humanização da assistência, Cuidados de saúde, Administração hospitalar

Resumo

INTRODUÇÃO

A gestão deve ser sempre potenciadora de prática clínica humanizada, sendo esta uma responsabilidade de todos os profissionais de saúde em funções de gestão. O paradigma holístico e a equidade em saúde constituem as bases da humanização. Ou seja, num quadro de referência em que a saúde é considerada como um valor primordial, necessariamente, tem projeção na humanização dos cuidados prestados.

OBJETIVO

Identificar a perceção dos gestores e evidenciar a existência de valores humanizantes na prestação de cuidados de saúde, em contexto hospitalar

MÉTODOS

Realizou-se uma investigação junto de 421 profissionais de saúde com funções de gestão, em 25 Hospitais do Serviço Nacional de Saúde e Convencionados, da Zona Norte de Portugal. Identifica- se como um estudo exploratório-descritivo de abordagem quantitativa e desenho transversal, mediante a aplicação do Questionário Eticidade na Gestão Hospitalar.

RESULTADOS

Os gestores têm da Unidade de Saúde em que exercem  funções um conceito elevado, tanto relativo à organização e funcionamento (93.8%) como à qualidade e humanização do serviço prestado, classificando a Unidade de Saúde como uma das que tem qualidade (97.7%) e humanização nos cuidados que proporciona aos destinatários (96.5%).

CONCLUSÕES

A análise descritiva dos dados evidenciou que,  na  perceção dos gestores, os cuidados são prestados de forma integral e humanizada nas organizações hospitalares estudadas. De facto, a existência de cuidados de saúde humanizados não depende dos valores económicos das entidades gestoras, mas de cada pessoa envolvida nos cuidados.

Na  continuidade   deste   estudo   seria   oportuno   auscultar   a perspetiva dos utilizadores dos hospitais estudados e, posteriormente, compará-la com a dos gestores.

 

Referências

Rego, A., Araújo, B., & Serrão, D. (2012). Ponderação ética dos gestores de Unidades de Saúde. Póster apresentado no II Encontro Internacional de Bioética, Vila Real.

Osswald, W. (2009). Os custos da humanização. In: Brito, J.H.S. (Coord). Ética, justiça e cuidados de saúde (pp.107-113). Braga: Publicações da Faculdade de Filosofia, UCP.

Mezzomo, A.A. (2012). Fundamentos da humanização hospitalar - uma visão holística. Bioethikos, 6 (2), 217-221.

Pessini, L. (2006). Bioética: um grito por dignidade de viver. São Paulo: Paulinas.

Cruz, M.J.S.S. (2014). Bioethics and Medical Humanities - An approach from Edmund Pellegrino. Mirabilia Medicinae, 2, p.40.

Watson, J. (2002). Enfermagem: Ciência humana e cuidar uma teoria de enfermagem. Camarate: Lusociência

Pinochet, L.H.C., & Galvão, C.R. (2010). Aspectos humanos na gestão hospitalar. O Mundo da Saúde, 34(4), 498-507.

Rego, A., Araújo, B., & Serrão, D. (2014). Validação do Questionário de Eticidade na Gestão Hospitalar. Revista de Bioética Latinoamericana. 13 (01), 83- 101.

Fonseca, G.G.P., Parcianello, M.K., & Zamberlan, C. (2013). Agentes estressores em unidade de tratamento intensivo coronariana e o cuidado humanizado de enfermagem. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro, 3(2), 654-661. Acedido em: http://seer.ufsj.edu.br/index.php/recom/article/viewFile/343/428

Luna, O. (2011). Ética y calidad en salud: un binomio inseparable Acta Bioethica, 17 (1), 9-17.

Silva, F.D., Chernicharo, I.M., & Ferreira, M.A. (2011). Humanização e desumanização: a dialética expressa no discurso de docentes de enfermagem sobre o cuidado. Humanização no cuidado de enfermagem, 15 (2), 306-313.

Pinheiro, P.A.P. (2013). Avaliação da satisfação dos utentes num Serviço de saúde hospitalar (Dissertação de mestrado), Universidade de Aveiro, Departamento de Economia, Gestão e Engenharia Industrial. Acedido em: https://ria.ua.pt/bitstream/10773/11441/1/Disserta%C3%A7%C3%A3o.pdf

Ordem dos Enfermeiros. (2001). Padrões de qualidade dos cuidados de enfermagem: enquadramento conceptual e enunciados descritivos. Lisboa: Ordem dos Enfermeiros.

Mendes G. (2009). A dimensão ética do agir e as questões da qualidade colocadas face aos cuidados de enfermagem. Texto & Contexto – Enfermagem, 18(1), 165-169.

Rego, A., & Araújo, B. (2013). Enfermagem: gerir com vinculação a valores. Revista Servir, 58 (1-2), 24-31.

Downloads

Publicado

2016-04-30

Como Citar

Rego, A., Araújo, B., & Serrão, D. (2016). Ética e humanização em hospitais: perceção dos gestores . Servir, 59(2), 25–30. https://doi.org/10.48492/servir022.23678