Saúde um bem social

como promovem os enfermeiros, na prática clinica, os direitos humanos?

Autores

  • Margarida Alvarenga IPO, Instituto Português de Oncologia, Porto, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.48492/servir022.23690

Palavras-chave:

Direitos Humanos, Dignidade, Cuidados de Enfermagem, Direitos dos Doentes

Resumo

INTRODUÇÃO

Será que os enfermeiros continuarão a conseguir atuar sem  pôr em causa a dignidade do doente, sem desrespeitar os princípios éticos, sem ultrapassar o princípio da equidade e da solidariedade, proclamados pelos Direitos Humanos, tendo em conta o crescente envelhecimento da população, o aumento das doenças crónicas e incapacitantes e o também crescente rácio de doentes por enfermeiro?

Este artigo de opinião pretende fazer uma reflexão sobre o modus operandi da enfermagem confrontando os direitos proclamados e a realidade do dia-a- dia.

DESENVOLVIMENTO

Explanando sobre os direitos dos doentes, compara-se a realidade portuguesa sobre os cuidados existentes para quem entra na vida e para quem está a deixar a vida. Para quem inicia o ciclo da vida são assegurados cuidados de excelência a todos os níveis, o mesmo não se podendo dizer em relação aos que se encontram na etapa final desse ciclo. Os motivos apontados para esta falta de equidade relacionam-se com a formação específica e com os recursos na área de cuidados paliativos, salientando que esta área de intervenção exige, para além do conhecimento técnico- científico e de recursos, altos níveis de humanização e excelentes recursos comunicacionais. Aponta-se mesmo a “não comunicação” como um impedimento ao doente em participar no processo de decisão e como tal um impedimento ao seu direito de autonomia.

CONCLUSÕES

Enumera-se as implicações decorrentes do respeito pelos direitos humanos no cuidado do paciente e da sua família para que as intervenções na área da enfermagem permitam a efetiva promoção da dignidade do doente como pessoa.

Referências

Capelas, M.L. (2009), Cuidados Paliativos: Uma proposta para Portugal, Cadernos da Saúde, vol 2, nº 1, pág 51-57.

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes, Direcção geral de saúde, acedido em 5 de Maio de 2016 por https://www.dgs.pt/em-destaque/lei-n-152014-de-21-de-marco-direitos-e-deveres-do-utente-dos-servicos-de-saude-.aspx

Código Deontológico do Enfermeiro, Ordem dos Enfermeiros, acedido por, em 5 de Maio de 2016, por https://www.ordemenfermeiros.pt/arquivo/legislacao/Documents/LegislacaoOE/CodigoDeontologico.pdf

Constituição da Republica Portuguesa, acedido em 5 de Maio de 2016 por http://www.parlamento.pt/Legislacao/Paginas/ConstituicaoRepublicaPortuguesa.aspx.

Declaração Universal dos Direitos Humanos, acedido em 5 de maio de 2016 por http://www.gddc.pt/direitos-humanos/textos-internacionaidh/tidhuniversais/cidh-dudh.html.

Pacheco, S. ( 2002) Cuidar a Pessoa em fase terminal – prespectiva Ética. 1ª ed. Lusociência, Loures.

Downloads

Publicado

2016-04-30

Como Citar

Alvarenga, M. (2016). Saúde um bem social: como promovem os enfermeiros, na prática clinica, os direitos humanos? . Servir, 59(2), 45–47. https://doi.org/10.48492/servir022.23690