O alívio do sofrimento do doente crónico como foco do cuidar da enfermagem

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48492/servir022.23698

Palavras-chave:

Doente crónico, Sofrimento, Enfermagem.

Resumo

INTRODUÇÃO

Compreender e aliviar o sofrimento humano devem ser entendidos como elementos fundamentais do cuidar, constituindo-se mesmo um dever moral e ético para os Enfermeiros.

OBJETIVO

Conhecer a perceção do doente crónico sobre os cuidados de enfermagem no alívio do sofrimento assim como as estratégias de coping utilizadas.

MÉTODOS

Estudo não experimental,  descritivo-correlacional  transversal e triangulado, utilizado numa amostra não probabilística por conveniência constituída por 307 doentes crónicos. Os dados foram colhidos através de um questionário aplicado entre janeiro e junho de 2013 a doentes crónicos internados ou a fazer  tratamentos em ambulatório no hospital. Foi solicitada    a autorização da comissão de ética do hospital, tal como o consentimento informado de cada participante. O tratamento de dados foi efetuado estatisticamente e com análise de conteúdo.

RESULTADOS

Para 74,2% dos doentes, os cuidados enfermagem aliviam significativamente o sofrimento, estando este alivio relacionado com a “disponibilidade, vontade de ajudar, dedicação e atenção demonstradas” por estes profissionais. A estratégia de coping com maior impacto no alívio do sofrimento está relacionada com o “carinho e a companhia da família” (62.4%). As sugestões que apresentam para a melhoria das práticas de enfermagem, são por ordem de importância: mais carinho, simpatia, interesse, rapidez no atendimento, tempo, respeito pela dignidade das pessoas e bom senso, na comunicação/ informação.

CONCLUSÕES

O doente crónico, em ambiente hospitalar, apresenta de facto níveis elevados de sofrimento, sobretudo quando confrontados com a indiferença perante este, com a violação do princípio de autonomia, e consequente violação da dignidade da pessoa humana.

Referências

Costa, S. R. (Setembro de 2012). Experiencia percibida del sufrimiento y sintomatología psicológica en mujeres con cáncer de mama. Doctorado en Psicología Clínica y de la Salud. Salamanca: Faculdade de Psicologia Departamento de Personalidad, Evaluación y Tratamiento Psicológicos.

Gameiro, M. G. (1999). Sofrimento na Doença. Coimbra: Quarteto.

Marôco, J., Marôco, A. L., Leite, E., Bastos, C., Vazão, M. J., & Campos, J. (Janeiro de 2016). Burnout em Profissionais da Saúde Portugueses: Uma Análise a Nível Nacional. Acta Médica Portuguesa, pp. 24-30.

Meleis, A. (2010). Transitions Theory: Middle-Range ando Sutuation-specific Theories in Nursing Research and Practice. New York: Springer Publishing Company.

Ordem dos Enfermeiros. (2001). Divulgar: Padrões de Qualidade dos Cuidados de Enfermagem. Lisboa: Ordem dos Enfermeiros.

Santos, F. S. (2009). Para Além da Dor Física - Trabalhando com a Dor Total. Em F. S. Santos, Cuidados Paliativos - Discutindo a Vida, a Morte e o Morrer (pp. 411-426). São Paulo: Atheneu.

Downloads

Publicado

2016-04-30

Como Citar

Batista, S., & Martins, R. (2016). O alívio do sofrimento do doente crónico como foco do cuidar da enfermagem. Servir, 59(2), 57–62. https://doi.org/10.48492/servir022.23698