Conhecimentos dos pais perante o seu filho com febre

Autores

  • Manuela Pereira ACES Dão Lafões- USF Alves Martins
  • Isabel Bica Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu, CI&DETS https://orcid.org/0000-0002-7019-0132
  • João Duarte Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu, CI&DETS
  • Madalena Cunha Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu, CI&DETS. Universidade do Minho, CIEC, Portugal https://orcid.org/0000-0002-9439-2804
  • Carlos Albuquerque Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu, CI&DETS. Universidade do Minho, CIEC, Portugal https://orcid.org/0000-0002-2297-0636

DOI:

https://doi.org/10.48492/servir024.24026

Palavras-chave:

Criança, Febre, Antipiréticos, Pais

Resumo

Introdução

Sendo um problema comum na infância, a febre é, geralmente, uma das maiores preocupações dos pais nas situações de doença dos seus filhos (Rocha, Regis, Nelson- Filho & Queiroz, 2009).

Objetivo

Identificar as variáveis sociodemográficas que interferem no conhecimento dos pais perante os filhos com febre.

Métodos

Estudo quantitativo, transversal, descritivo e correlacional numa amostra não probabilística por conveniência, constituída por 360 pais que frequentavam as consultas de vigilância de saúde infantil com os seus filhos em instituições de saúde pública na região centro de Portugal. Recorreu-se a um questionário de autopreenchimento, com caracterização sociodemográfica e do conhecimento sobre a febre na criança.

Resultados

Os pais apresentam uma idade média de 34,7 anos (± 7,9), maioritariamente feminina (51,7%). A média de idade dos filhos é de 62,48 meses. Os conhecimentos sobre a febre revelaram-se fracos nos pais com idade ≥ 38 anos (36.2%), sem companheiro(a) (77.0%), da zona rural (69.3%) e com o 9º ano (53.9%). Os pais até aos 37 anos (68.2%), com companheiro(a) (89.0%), da zona urbana (53.0%), com mais que um filho e com o ensino superior (43.3%) revelaram bons conhecimentos.

Conclusões

Os resultados revelam a necessidade dos enfermeiros melhorarem o nível de literacia em saúde, no sentido de capacitar os pais para intervirem perante os seus filhos com febre.

Referências

Agostinho, M.; Rebelo, L. (1988). Família: do conceito aos meios de comunicação. Revista Portuguesa de Saúde Pública. 5 (32). Pp.18-21, Lisboa.

Almeida, A.C.P. (2012). A família em cuidados paliativos avaliação da satisfação dos familiares dos doentes em cuidados paliativos: contributo para a validação da escala FAMCARE. Universidade de Lisboa. Faculdade de Medicina. Acedido em: http://repositorio.ul.pt/handle/10451/6832.

Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos: Organização de serviços em cuidados paliativos. Recomendações da APCP (2012). Disponível em: http://www.ancp.pt/uploads/recomendações_organização_de_servicos.pdf.

Barbosa, A., & Neto, I.G. (Edit.) (2010). Manual de Cuidados Paliativos. Lisboa: Núcleo de Cuidados Paliativos. Centro de Bioética. Faculdade de Lisboa.

Direcção Geral de Saúde (DGS) (2004) – Programa Nacional de Cuidados Paliativos. Ministério da Saúde: Lisboa.

Kristjanson LJ. Validity and reliability testing of the FAMCARE Scale: measuring family satisfaction with advanced cancer care. Social Science and Medicine 1993:36(5):693-701.

Luders, S. & Storani, M. (2010). Demência: Impacto para a família e a sociedade. S. Paulo. Editora Atheneu.

Moreira, I. (2011). O doente terminal em contexto familiar: uma análise da experiência de cuidar vivenciada pela família. Lisboa: Formasau.

Neto, I.G. (2010). Princípios e filosofia dos cuidados paliativos. In A. Barbosa & I.G. Neto, (Edit.) Manual de Cuidados Paliativos (pp. 1-42). Lisboa: Núcleo de Cuidados Paliativos. Centro de Bioética. Faculdade de Lisboa.

Pereira, M.G., & Lopes, C. (2012). O doente oncológico e a sua família. Lisboa: Climepsi.

Smilkstein G, Ashworth C, Montano D (1982) Validity and reliability of the family APGAR as a test of family function. Aug;15(2):303-11.

Simões, M. M. M. (2013). CUIDAR EM HUMANITUDE Método de Gineste e Marescotti Aplicado a Pessoas Internadas em Cuidados Continuados Tese apresentada para obtenção do grau de doutor em Enfermagem , Universidade Católica Portuguesa. Disponível em http://hdl.handle.net/10400.14/13913

World Health Organization (WHO) (2002) – Definition of Palliative Care. Disponível em http://www.who.int/cancer/palliative/definition/en/print.html.

Downloads

Publicado

2016-08-31

Como Citar

Pereira, M., Bica, I., Duarte, J. ., Cunha, M., & Albuquerque, C. (2016). Conhecimentos dos pais perante o seu filho com febre. Servir, 59(4), 26–35. https://doi.org/10.48492/servir024.24026