Empoderamento dos enfermeiros

estudo de alguns fatores intervenientes

Autores

  • Manuela Ferreira Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu, CI&DETS
  • Filomena Paulo Centro Hospitalar Tondela Viseu, EPE
  • João Duarte Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu, CI&DETS

DOI:

https://doi.org/10.48492/servir024.24029

Palavras-chave:

Empoderamento, Formação, Enfermeiros

Resumo

INTRODUÇÃO

O empoderamento é um processo que resulta no fortalecimento pessoal e profissional, na forma de aquisição de competências, motivação, satisfação e tomada de decisão. Está vinculado á autonomia profissional e concretiza-se na tomada de decisão autónoma do enfermeiro.

OBJETIVO

Identificar as variáveis sociodemográficas, socioprofissionais e de contexto formativo que influenciam o Empoderamento dos enfermeiros.

MÉTODOS

Realizamos um estudo de natureza quantitativa, descritiva-analítico e correlacional com amostra não probabilística de 240 enfermeiros que responderam ao questionário sociodemográfico, á escala “ Perceptions of Empowerment in Midwifery Scale” (Mathews, Scott e Gallagher (2009) e á escala da motivação para o exercício profissional. Os enfermeiros possuíam idades entre os 26 e os 66 anos, maioritariamente com vinculo por tempo indeterminado á instituição onde trabalham.

RESULTADOS

Revelaram uma boa perceção sobre o Empoderamento com percentuais a oscilar entre os 50,0% no reconhecimento organizacional e os 100% no reconhecimento por pares. Os mais jovens possuem melhor perceção sobre o Empoderamento no reconhecimento por pares, organizacional e empoderamento global, e os mais velhos maior empoderamento na dimensão pessoal. São os Enfermeiros com mestrado e doutoramento que possuem uma menor perceção na dimensão multidimensional, reconhecimento por pares e reconhecimento organizacional. Quanto à motivação 40,0%dos participantes do estudo encontram-se muito motivados.

CONCLUSÕES

Os enfermeiros com maior motivação e com mais formação revelaram melhor perceção sobre o empoderamento e consequentemente maior capacidade de decisão. Estes resultados são de considerar na gestão dos contextos de formação e de trabalho.

Referências

Albini, L. (2013). Vivenciando o empoderamento do enfermeiro em um hospital de ensino na implementação de modelo gerencial (Tese de doutoramento, Universidade Federal do Paraná). Acedido em http://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/35019

Benner, P. (2004). De iniciado a perito. Coimbra: Editora Quarteto.

Bernardino, E., Dyniewicz, A. M., Carvalho, K. L. B., Kalinowski, L. C., & Bonat, W. H. (2013). Adaptação transcultural e validação do instrumento Conditions of Work Effectiveness - Questionnaire- II. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 21(5), 7 telas. Acedido em http://www.scielo.br/pdf/rlae/v21n5/pt_0104-1169-rlae-21-05-1112.pdf

Boff, L. (2012). Quem cuida do cuidador? São Leopoldo, RS: Instituto Humanitas Unisinos. Acedido em http://www.ihu.unisinos.br/noticias/509000-quemcuidadocuidador

Correia, M. C. B. (2012). Processo de construção de competências nos enfermeiros em UCI (Tese de doutoramento, Universidade de Lisboa). Acedido em http://repositorio.ul.pt/handle/10451/7992

Covery, S. R. (2014). Os sete hábitos das pessoas altamente eficazes: Lições poderosas para transformação pessoal. Lisboa: Gradiva.

Goleman, D. (2005). Trabalhar com inteligência emocional (3ª ed.). Lisboa: Temas e Debates.

Henriques, C. M. (2012). O empoderamento dos enfermeiros especialistas em enfermagem de saúde materna e obstétrica em Portugal. Madrid: Bubok Publishing.

Hesbeen, W. (2000). Cuidar no hospital: Enquadrar os cuidados de enfermagem numa perspectiva de cuidar. Loures: Lusociência.

Hesbeen, W. (2001). Qualidade em enfermagem: Pensamento e acção na perspectiva do cuidar. Loures: Lusociência.

Martins, M. F. S. V., & Remoaldo, P. C. A. C. (2014). Representações da enfermeira obstetra na perspetiva da mulher grávida. Revista Brasileira de Enfermagem: REBEn, 67(3), 360-365. doi: 10.5935/0034-7167.20140047

Matthews, A., Scott, P. A., & Gallagher, P. (2009). The development and psychometric evaluation of the Perceptions of Empowerment in Midwifery Scale. Midwifery, 25(3), 327-335. Acedido em http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0266613807000435

Oliveira, U. R., & Rocha, H. M. (2008). Empowerment como estratégia competitiva em manufatura e serviços: Percepção dos colaboradores. Revista Produção Online, 8(3), 1-23. doi: http://dx.doi.org/10.14488/1676-1901.v8i3.109

Porto, A. R. (2011). O empoderamento político dos enfermeiros na prática hospitalar (Dissertação de pós-graduação, Universidade Federal de Pelotas). Acedido em http://wp.ufpel.edu.br/pgenfermagem/files/2015/10/02e74f10e0327ad868d138f2b4fdd6f0.pdf

Quitete, J. B., & Vargens, O. M. C. (2009). O poder no cuidado da enfermeira obstétrica: Empoderamento ou submissão das mulheres usuárias? Revista de Enfermagem UERJ, 17(3), 315- 320. Acedido em http://www.facenf.uerj.br/v17n3/v17n3a03.pdf

Ribeiro, J. M. S (2009). Autonomia profissional dos enfermeiros (Dissertação de mestrado, Universidade do Porto). Acedido em https://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/20083

Salvador, P. T. C. O., Alves, K.Y., Martins, C. C. F., & Santos, E. P. (2013). Motivos para o empoderamento da enfermagem: Reflexões à luz de Alfred Schutz. REME, Revista Mineira de Enfermagem, 17(4), 1014-1019. doi: 10.5935/1415-2762.20130073

Silva, J. M. S. G. (2013). Plano de integração de novos enfermeiros do serviço de urgência geral de um hospital (Dissertação de mestrado, Instituto Politécnico de Setúbal). Acedido em http://comum.rcaap.pt/handle/123456789/4757

Silva, P. J. O. (2012). A formação de enfermeiros em Portugal: Uma cartografia dos discursos presentes (Dissertação de doutoramento, Universidade do Porto). Acedido em http://repositorio-aberto.up.pt/handle/10216/78382

Downloads

Publicado

2016-08-31

Como Citar

Ferreira, M., Paulo, F., & Duarte, J. (2016). Empoderamento dos enfermeiros: estudo de alguns fatores intervenientes . Servir, 59(4), 50–57. https://doi.org/10.48492/servir024.24029