A ontologia da singularidade e a educação em Hannah Arendt: Uma preparação para o mundo

Resumo

Investigamos no pensamento de Hannah Arendt a possibilidade de uma ontologia da singularidade relacionada diretamente com a educação, como protomomento da ontologia da pluralidade, iniciada com o nascimento e ampliada pela chegada ao mundo comum, ao espaço da ação. Destacamos alguns pontos de sua teoria política, inter-relacionando-os com apontamentos sobre a educação do texto A Crise da Educação, de 1958. Apresentamos a educação como espaço privilegiado de formação da vida do espírito, essencial, por ser inicial, em tempo e espaço para o exercício pleno da vita activa. A ontologia da singularidade é fundamentada a partir de seis pontos em que é preciso: acolher, preparar e incluir os singulares; fomentar espaços para o discursar, valorizar as diferenças e preservar a tradição. Apresentamos dois antimodelos para a ontologia da singularidade: na educação escolar, os campos de concentração, pela prerrogativa do uso da violência e da mudez; para os educandos, Adolf Eichmann, por causa de seu vazio de pensamento e incapacidade de agir criativamente no mundo. Propomos que a duração da educação é proporcional à criatividade narracional da tradição pela autoridade dos professores.

Palavras-chave: Hannah Arendt; Ontologia da singularidade; Filosofia da educação; Vida do espírito

 

ABSTRACT

We investigate in Hannah Arendt's thinking the possibility of an ontology of singularity directly related to education, as protomoment of the ontology of plurality, initiated with the birth and enlarged by the arrival to the common world, to the space of action. We highlight some points of her political theory interrelating them with notes on education of the text The Crisis of Education, 1958. We present education as a privileged space of formation of the life of the mind, essential, for being initial, in time and space for the full exercise of the vita activa. The ontology of the singularity is based on six points in which it is necessary: to welcometo prepare and to include the singular ones; to create spaces to promote discourseto value differences, and to preserve tradition. We present two antimodels for the ontology of singularity: in school education, the concentration camps, by the prerogative of the use of violence and dumbness; for the pupils, Adolf Eichmann, due to  his emptiness of thought and incapacity to act creatively in the world. We propose that the duration of education is proportional to the narrative creativity of tradition by the authority of teachers.

Keywords: Hannah Arendt; Ontology of singularity; Philosophy of education; Life of the spirit

Biografia do Autor

Danilo Arnaldo Briskievicz, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais, Brasil

Mestrado em Filosofia Política pela Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG; Professor titular de Filosofia e Sociologia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - IFMG. Doutorando em Educação pela PUC-Minas Gerais.

Referências

Adverse, H. (2012). Arendt, a democracia e a desobediência civil. Revista Brasileira de Estudos Políticos, 105, 409–434.

Aguiar, O. A. (2003). Pensamento e narração em Hannah Arendt. In E. J. de Moraes & N. Bignotto (Orgs.), Hannah Arendt: Diálogos, reflexões, memórias (pp. 215–226). Belo Horizonte, Ed. UFMG.

Aguiar, O. A. (2008). Condição humana e educação em Hannah Arendt. Educação e Filosofia, 44, 23–42.

Almeida, V. S. (2011). Educação em Hannah Arendt: Entre o mundo deserto e o amor ao mundo. São Paulo: Cortez Editora.

Arendt, H. (1992). Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva.

Arendt, H. (1993). A vida do espírito: O pensar, o querer, o julgar. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

Arendt, H. (2004a). Origens do totalitarismo. São Paulo: Cia. das Letras.

Arendt, H. (2004b). Responsabilidade e julgamento. São Paulo: Cia. das Letras.

Arendt, H. (2005). A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Arendt, H. (2006). Eichmann em Jerusalém. Um relato sobre a banalidade do mal. São Paulo: Cia. das Letras.

Arendt, H. (2011). A vida do espírito. Volume I. Pensar. Lisboa: Instituto Piaget.

Assy, B. (2015). Ética, responsabilidade e juízo em Hannah Arendt. São Paulo: Perspectiva.

Bergson, H. (1991). Essai sur les données immédiates de la conscience. Paris: PUF.

Cavarero, A., & Butler, J. (2007). Condição humana contra “natureza”. Estudos Feministas, 15, 647–662.

Correia, A. (2010). Natalidade e amor mundi: Sobre a relação entre educação e política em Hannah Arendt. Educação e Pesquisa, 3, 811–822.

Cunha, A. G. (1986). Dicionário etimológico Nova Fronteira da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Dewey, J. (1971). Democracia e educação. Introdução à filosofia da educação. São Paulo: Ed. Nacional.

Duarte, A. (2000). O pensamento à sombra da ruptura: Política e filosofia em Hannah Arendt. São Paulo: Paz e Terra.

Ferreira, A. B. H. (1975). Novo dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Gauthier, C., & Tardif, M. (2014). A pedagogia. Teorias e práticas da Antiguidade aos nossos dias. Petrópolis: Vozes.

Houaiss, A., & Villar, M. S. (2001). Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva.

Rodrigues, L. A. R. (2008). A dimensão política da escola em Gramsci e Hannah Arendt: Uma tentativa de articulação com a democracia. Trabalho & Educação, 2, 13–30.

Schio, S. M. (2006). Hannah Arendt: História e liberdade (da ação à reflexão). Caxias do Sul: Educs.

Seixas, R. L. (2009). Ação plural, singularidade e poder em Hannah Arendt. Intuitio, 1, 201–216.

Vicente, J. J. N. B. (2010). Natureza humana e totalitarismo. Griot – Revista de Filosofia, 1, 47–56.

Publicado
2018-06-01
Secção
Artigos