Estratégias e incidência empresarial na atual política educacional brasileira: O caso do movimento ‘Todos Pela Educação’

Resumo

Atualmente, observa-se na política educativa brasileira a influência constante de organizações empresariais que se entrelaçam com os quadros políticos, de entre as quais se destaca o Movimento Todos pela Educação (TPE). Procura-se aqui apresentar o TPE, discutindo seus objetivos e suas principais estratégias para incidir na política educativa brasileira. Utilizou-se vasta pesquisa documental e entrevistas com os principais atores do movimento. O TPE age como uma ampla coalizão, organiza-se em uma densa rede e atua como um Think Tank da educação. O presente artigo identifica indícios de um novo estágio de reestruturação do espaço público e de suas instituições. Em tal estágio, o empresariado busca o fortalecimento da capacidade de execução do aparelho estatal e institucional, tomando as rédeas desse processo, em nome da necessidade do controle social.

Palavras-chaveReformas educativas; Educação e empresários; Políticas educativas; Advocacy; Brasil

 

ABSTRACT

We can observe, in the current Brazilian education policy, the influence of entrepreneurial organizations that interweave with the political scenario, among which the ‘All for Education’ movement (‘Movimento Todos pela Educação’ - TPE) stands out. We used extensive documentary research and interviews with the main actors of the organization. We aim to introduce this movement and discuss its objectives and main strategies concerning the Brazilian education policy. The TPE Movement acts as a broad coalition, organizing itself in a dense network and acting as a ‘Think Tank’ on education. This study identifies signs of a new restructuration phase of public space and institutions, where entrepreneurs seek to strength the operational capability of governmental and institutional apparatus, assuming the command of this process in the name of the social control demand. 

Keywords: Education Reforms; Education and entrepreneurs; Education policies; Advocacy; Brazil

Biografias do Autor

Erika Moreira Martins, Universidade de Campinas, Brasil

Doutoranda em Educação pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP (área de concentração: Ciências Sociais e Educação). Visiting Researcher na University of Roehampton, Inglaterra (2017-2018). Mestre em Educação (2013) pela Unicamp. Autora do livro: “Todos Pela Educação? Como os empresários estão determinando a política educacional brasileira”. Consultora da Campanha Latinoamericana pelo Direito à Educação – CLADE. Integrante do Grupo de Políticas Públicas e Educação e Sociedade (GPPES), atuando principalmente nos seguintes temas: políticas públicas para educação, reformas educacionais, empresários e educação. Bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo – FAPESP

Nora Rut Krawczyk, Universidade de Campinas, Brasil

: Possui graduação em Ciências da Educação (1980), Mestrado em Estado, Educação e sociedade pela Facultad Latinoamericana em Ciencias Sociales (1987), Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (1992) e Pós-doutorado pela Maryland University (EUA) (2016). Atualmente é professora doutora da Universidade Estadual de Campinas da Faculdade de Educação - Unicamp e membro do Grupo de Pesquisa em Política Educacional, Educação e Sociedade - GPPES. Foi coordenadora do Programa de Centros Associados entre Flacso/Argentina; Universidad de la Plata/Argentina e Faculdade de Educação/Unicamp. Atualmente é representante da Pós-graduação em Educação/Unicamp na Rede Latino-americana de Metodologia em Ciências Sociais. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Política Educacional, atuando principalmente nos seguintes temas: política educacional, américa latina, ensino médio, política educacional e gestão da educação. blog: noraunicamp.blogspot.com 

Referências

Ball, S. J., & Olmedo, A. (2012). Global social capitalism: Using enterprise to solve the problems of the world. Citizenship, Social and Economics Education, 10(2-3), 83-90.

Boito Jr., A. (2012). Governos Lula: A nova burguesia nacional no poder. In A. Boito Jr. & A. Galvão (Orgs.), Política e classes sociais no Brasil dos anos 2000 (pp. 67-104). São Paulo: Alameda.

Borzal, T. A. (1998). Organizing Babylon: On the different conceptions of policy networks. Public Administration, 76, 253-273.

Cunha, L. A. (1991). Educação, Estado e democracia no Brasil. São Paulo: Cortez.

Delvaux, B. (2009). Qual é o papel do conhecimento na ação política? Educação & Sociedade, 30(109), 959-985.

Fataar, A. (2006). Policy networks in recalibrated political terrain: The case of school curriculum policy and politics in South Africa. Journal of Education Policy, 21(6), 641-659.

Fernandes, F. (1981). A revolução burguesa no Brasil: Ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar.

Franco, M. L. B., Pardal, L., Ventura, A., & Dias, C. (2004). Ensino médio e ensino técnico no Brasil e em Portugal: Raízes históricas e panorama atual. Campinas: Autores Associados.

Freitas, L. C. (2011). Responsabilização, meritocracia e privatização: Conseguiremos escapar ao neotecnicismo? Comunicação apresentada no Seminário de Educação Brasileira, Campinas, Brasil, 2 de março.

Freitas, L. C. (2012). Os reformadores empresariais da educação: Da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educação & Sociedade, 33(19), 379-404.

Gramsci, A. (1980). Análisis de las situaciones, relaciones de fuerzas. Nueva Antropología, 4, 15-16.

Harvey, D. (2012). Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola.

Klees, S. J., Samoff, J., & Stromquist, N. P. (Eds.) (2012). The World Bank and education. Critiques and alternatives. Roterdam/Boston/Taipei: Sense Publishers.

Krawczyk, N. (2008). Em busca de uma nova governabilidade na educação. In D. Andrade & M. F. F. Rosar (Orgs.), Política e gestão da educação (pp. 59-72). Belo Horizonte: Autêntica.

Krawczyk, N. (2014a). Sociologia do Ensino Médio. Crítica ao economicismo na política educacional. São Paulo: Cortez.

Krawczyk, N. (2014b). Ensino médio: Empresários dão as cartas na escola pública. Educação & Sociedade, 35(126), 21-41.

Krawczyk, N., & Grinkraut, A. (2014). Ensino médio: Um campo de disputa. Research Study Report, CNPq. Diagnóstico e propostas dos organismos internacionais 2000-2013. Mimeo.

Leher, R. (2010a). Educação no governo de Lula da Silva: A ruptura que não aconteceu. In Vários autoresJ. P. A. Magalhães et al. (Orgs.), Os anos Lula. Contribuições para um balanço crítico 2003-2010 (pp. 369-412). Rio de Janeiro: Garamond.

Leher, R. (2010b). Neoliberalismo se apropria da ideia de “inclusão” para privatizar a educação e a política educacional do Banco Mundial para a periferia do capitalismo. Jornal dos Sem Terra, 308 (s/p).

Leher, R. (2014). Estratégia política e Plano Nacional de Educação. Revista Eletrônica Marxismo 21. Dossiê Temático Marxismo e Educação. In: https://marxismo21.org/wp-content/uploads/2014/08/R-Leher-Estrat%C3%A9gia-Pol%C3%ADtica-e-Plano-Nacional-Educa%C3%A7%C3%A3o.pdf. Acesso em 30/04/2018.

Lima, J. (2007). Redes na educação: Questões políticas e conceituais. Revista Portuguesa de Educação, 20(2), 151-181.

Martins, E. M. (2013). Responsabilidade educacional e atuação do Todos pela Educação. In L. C. Almeida, I. R. Pino, J. M. R. Pinto, & A. B. Gouveia (Orgs.), IV Seminário de Educação Brasileira: PNE em foco (vol. 1, s/p). Campinas, SP: CEDES.

Martins, E. M. (2016). Todos pela Educação? Como os empresários estão determinando a política educacional brasileira. Rio de Janeiro: Lamparina.

Oliveira, A. C., & Haddad, S. (2001). As organizações da sociedade civil e as ONGs de educação. Cadernos de Pesquisa, 112, 61-83.

Olmedo, A. (2013). From England with love… ARK, heterarchies and global ‘philanthropic governance’. Journal of Education Policy, 29(5), 575-597.

Ribeiro, M. L. (1984). História da educação brasileira. A organização escolar. São Paulo: Editora Moraes.

Saviani, D. (2007). O plano de desenvolvimento da educação: Análise do projeto do MEC. Educação & Sociedade, 28(100), 1231-1255.

Simielli, L. (2008). Coalizões em educação no Brasil. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas.

Todos Pela Educação. (2006a). Compromisso Todos Pela Educação. São Paulo: Todos pela Educação.

Todos Pela Educação. (2006b). Todos Pela Educação. Rumo a 2022. São Paulo: Todos pela Educação.

Todos Pela Educação. (2007a). História, conquista e visão de futuro. São Paulo: Todos pela Educação.

Todos Pela Educação. (2007b). Relatório de Atividades do Todos Pela Educação 2007. São Paulo: Todos pela Educação.

Todos Pela Educação. (2010). De olho nas metas - 2010. São Paulo: Todos pela Educação.

Todos Pela Educação. (2012). Todos Pela Educação: 5 anos, 5 metas, 5 bandeiras. São Paulo: Todos pela Educação.

Todos Pela Educação. (2014). Relatório de Atividades do Todos Pela Educação 2014. São Paulo: Todos pela Educação.

União Europeia. (2013). Cooperación regional por la calidad de la educación en América Latina (Internacional Cooperation and Development). Retirado de: https://ec.europa.eu/europeaid/node (acesso em 30/03/2017).

Publicado
2018-06-01
Secção
Artigos