Nursing activities score

adaptação transcultural e validação para a população portuguesa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48492/servir0201.23763

Palavras-chave:

unidade de cuidados intensivos, carga de trabalho, enfermagem

Resumo

Introdução: Em Portugal, após validação do NAS (2017), o TISS 28 deixa de ser a única ferramenta validada para o efeito, mensurando apenas 43,3% da cargade trabalho, enquanto o NAS abrange 80,8% da carga de trabalho dos enfermeiros em UCI.

Objetivo: Traduzir e adaptar culturalmente o instrumento de medida NAS para a população portuguesa, testando as suas propriedades psicométricas.

Métodos: A opção metodológica recaiu sobre um estudo do tipo descritivo-correlacional, numa abordagem de natureza quantitativa, seguindo um processo deamostragem não probabilístico, por conveniência.

Resultados: Da análise das suas propriedades psicométricas, a análise da consistência interna pelo alfa de Cronbach revelou índices satisfatórios (0,334). Asvalidades, concorrente e convergente, foram demonstradas pela correlação de Pearson, estatisticamente significativas, entre o NAS e o TISS 28 (r= 0,678; p=0,000) e entre o NAS e o SAPS II (r= 0,542; p= 0,000), respetivamente.

Conclusão: De acordo com os resultados obtidos, o NAS mostrou-se um instrumento confiável e válido para mensurar a carga de trabalho dos enfermeiros nasUCI portuguesas.

Referências

Adell, A. B., Campos, R. A., Rey, M. C., Bellmunt, J. Q., Rochera, E. S., Muñoz, J. S., Bou, M. Y. (2005). Nursing Activities Score (NAS). Nuestra experiencia con un sistema de cómputo de cargas de enfermería basado en tiempos. Enfermería Intensiva ,nº16, pp. 164-173.

Arias-Rivera, S., Sánchez-Sánchez, M., Fraile-Gamo, M., Patino-Freire, S., Pinto-Rodriguez, V., Conde-Alonso, M., Frutus- Vivar, F. (2013). Adaptación transcultural al castellano del Nursing Activities Score. Enfermería Intensiva, nº24, recuperado de http://www.elsevier.es, pp. 12-22.

Carmona-Monge, F. J., Jara-Pérez, A., Quirós-Herranz, C., Rollán-Rodríguez, G., Cerrillo-González, I., Gárcia-Gómez, S., Marín-Morales, D. (2012). Carga de trabajo en tres grupos de pacientes de UCI Española según el Nursing Activities Score. Revista Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo, pp. 335-339.

Conishi, R. M., & Gaidzinski, R. R. (2007). Nursing Activities Score (NAS) como instrumento para medir carga de trabalho de enfermagem em UTI adulto. Revista da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, nº41; recuperado de www.ee.usp.br/reeusp/, pp. 346-354.

Dias, A. T., Matta, P. d., & Nunes, W. A. (Julho-Setembro de 2006). Índices de Gravidade em Unidades de Terapia Intensiva Adulto: Avaliação Clínica e Trabalho da Enfermagem. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, vol. 18, nº 3, pp. 276-281.

Ducci, A. J., & Padilha, K. G. (2008). Nursing activities score: a comparative study about retrospective and prospective applications in intensive care units. Acta Paulista de Enfermagem, Vol. 21, nº4, pp. 581-587 .

Gonçalves, L. A., Garcia, P. C., Toffoleto, M. C., Telles, S. C., & Padilha, K. G. (janeiro-fevereiro de 2006). Necessidades de cuidados de enfermagem em Terapia Intensiva: evolução diária dos pacientes segundo o Nursing Activities Score (NAS). Revista Brasileira de Enfermagem REBEn, nº59, pp. 56-60.

Marôco, J., & Garcia-Marques, T. (2006). Qual a fiabilidade do alfa de Cronbach? Questões antigas e soluções modernas?

Laboratório de Psicologia, vol.4, nº1, pp. 65-90.

Miranda, D. R., Nap, R., Rijk, A. d., Schaufeli, W., & Lapichino, G. (2003). Nursing Activities Score. Critical Care Medicine, Vol 31, nº2, pp. 374-382.

Monge, F. J., Perez, A. J., Herranz, C. Q., Rodríguez, G. R., González, I. C., Gómez, S. G., Morales, D. M. (2013). Carga de trabajo en tres grupos de pacientes de UCI Española según em Nursing Activities Score. Revista da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, vol.47, nº2, pp. 335-340.

Padilha, K. G., Sousa, R. M., Garcia, P. C., Bento, S. T., Finardi, E. M., & Hatarashi, R. H. (8 de Dezembro de 2009). Nursing workload and staff allocation in an intensive care unit: A pilot study according to Nursing Activities Score (NAS). Intensive and Critical Care Nursing, nº26, pp. 108-113.

Panunto, M. R., & Guirardello, E. d. (2012). Carga de trabalho de enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva de um hoospital de ensino. Acta Paulista de Enfermagem,nº25, pp. 96-101.

Pilatti, L. A., Pedroso, B., & Gutierrez, G. L. (janeiro-abril de 2010). Propriedades Psicométricas de Instrumentos de Avaliação: Um debate necessário. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, vol 3, nº1, pp. 81-91.

Queijo, A. F. (2008). Estudo comparativo da carga de trabalho de enfermagem em unidades de terapia intensiva geral e especialidades, segundo o Nursing Activities Score (NAS). São Paulo.

Queijo, A. F., & Padilha, K. G. (2009). Nursing Activities Score (NAS): adaptação transcultural e validação para a língua portuguesa. Revista da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, vº43; recuperado de www.ee.usp.br/ reeusp , p. 1009:1017.

Severino, R., Saiote, E., Martinez, A. P., Deodato, S., & Nunes, L. (Abril- Junho de 2010). Nursing Activities Score: Índice de avaliação da carga de trabalho de Enfermagem na UCI. Percursos, nº16, pp. 3- 13.

Ordem dos Enfermeiros (2019). Regulamento nº 743/ 2019 de 25 de setembro de 2019 - Norma para o cálculo de Dotações Seguras dos Cuidados de Enfermagem/ Ordem dos Enfermeiros Regulamento nº 743/2019, Diário da República, nº 184, 2ª série. Ordem dos Enfermeiros. Lisboa, Portugal.

Sousa, V. D., & Rojjanasrirat, W. (2011). Translation, adaptation and validation of instruments or scales for use in cross-cultural health care research: a clear and user-friendly guideline. Journal of Evaluation in Clinical Practice, nº17, pp. 268-274.

Valls-Matarín, J., Salamero-Amarós, M., Roldán-Gil, C., & Quintana-Riera, S. (22 de Junio de 2015). Grado de concordancia interevaluador de la escala «Nursing Activities Score» en cuidados intensivos. Enfermería Clínica, pp. 204-208.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Edição

Secção

Artigos