A simulação em enfermagem no desenvolvimento de competências não técnicas em contexto de emergência pré-hospitalar

Survey

Autores

  • José Joaquim Penedos Amendoeira Martins Instituto Politécnico de Santarém. Escola Superior de Saúde de Santarém. Unidade de Investigação do Ipsantarém. Centro de Investigação Interdisciplinar em Saúde. Instituto de Ciências da Saúde - Universidade Católica Portuguesa
  • Emília Campos de Carvalho Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto. Centro Colaborador da OMS para o Desenvolvimento da Pesquisa em Enfermagem
  • Maria Regina Sardinheiro do Céu Furtado Ferreira Escola Superior de Saúde de Santarém. Unidade de Investigação do Instituto Politécnico de Santarém

DOI:

https://doi.org/10.48492/servir021-2.24489

Palavras-chave:

enfermagem, simulação e competências não-técnicas

Resumo

Objetivo: Analisar a contribuição da simulação no desenvolvimento das competências não técnicas em enfermeiros de emergência pré-hospitalar

Método: Estudo descritivo, analítico, com recurso a um Web questionário. Foi utilizada uma amostra de conveniência da região centro– sul de Portugal composta por 52% dos enfermeiros (N=65) que atuam em equipas de emergência pré-hospitalar de três regiões. Dados tratados com recurso ao SPSS22, com estatística descritiva dos mesmos e consequente análise com recurso às medidas de tendência central e de dispersão. O estudo foi aprovado por uma Comissão de Ética competente.

Resultados: A simulação emerge como estratégia utilizada na formação destes profissionais em contexto escolar e de trabalho, sendo valorizada para a aquisição e desenvolvimento das competências não técnicas. Os enfermeiros valorizam a utilização das competências não técnicas no evento e contexto em estudo, identificando-as claramente e atribuindo- lhes diferentes níveis de relevância. Os saberes são considerados como recursos importantes no processo de cuidados em situações complexas para as quais o Debriefing, enquanto momento da simulação, é considerado pelos enfermeiros como relevante para a aprendizagem.

Referências

Amendoeira, José; Barroso, Isabel; Figueiredo, Maria do Carmo; Fonseca, Olímpia; Godinho, Celeste; Reis, Alcinda; Saragoila, Fátima & Silva, Mário (2014) Enfermagem Avançada. Contributo para o processo de teorização em Enfermagem. Revista UIIPS Vol2 (5): 232-249 https://www.ipsantarem.pt/wp-content/uploads/2014/03/Revista-da-UIIPS_N5_Vol2_ESSS_2014.pdf

José Amendoeira; Celeste Godinho; Alcinda Reis; Rosário Pinto; Mário Silva & Júlia Santos (2013) Simulação na educação em enfermagem. Conceitos em transição. REVISTA da UIIPS Dezembro Vol. 1 (4) 212-228 https://www.ipsantarem.pt/wp-content/uploads/2013/07/Revista-da-UIIPS_N4_Vol1_2013_ISSN-2182-9608.pdf

Amendoeira, José (2006). Enfermagem: Disciplina do conhecimento. Sinais Vitais (67): 19-27

Hunziker, Sabmina et al (2013). Importance of leadership in cardiac arrest situations: from simulation to real life and back. Swiss Med Wkly. 143:w13774 doi:10.4414/smw.2013.13774

American Heart Association (2010) Destaques das Diretrizes da American Heart Association 2010 para RCP e ACE. Guidelines CPR ECC: 28

Decker, Sharon; Sportsman, Susan; Puetz, Linda; Billings, Lynda. The evolution of simulation and its contribution to competency. J Contin Educ Nurs 2008;39(2):74-80

Galloway, S (2009). Simulation techniques to bridge the gap between novice and competent healthcare professionals. OJIN: The Online Journal of Issues in Nursing, vol.14, nº 2, Manuscript. DOI: 10.3912/OJIN.Vol14No02Man03

Blevins, S (2014). The impact of simulation on patient care. Nurses as Educators, March-April, vol 23, nº2, Medsurg Nursing

Parker, B & Myrick, F (2010) Transformative Learning as a context for Human Patient Simulation. Journal of Nursing Education 49 (6), 326-332

Locsin, RC, Slemp, LO, Lynn, Christine E (2008) Caring scholar response to: Grounding nursing simulations in caring: an innovative approach. International Journal for human Caring 12(2), 47-49

Hoadley, TA (2009) Learning advanced cardiac life support: a comparison study to the effects of low and high-fidelity simulation. Nursing Education Research 30 (2) 91-95

Gordon, CJ & Buckley, T (2009) The effect of high-fidelity simulation training on medical-surgical graduate nurses? Perceived ability to respond to patient clinical emergencies. Journal of Continuing Education in Nursing 40 (11), 491-498

Shinnick, M. A., Woo, M., Horwich, T. B., & Steadman, R. (2011, May). Debriefing: The most important component in simulation? Clinical Simulation in Nursing, 7(3), e105-e111. doi:l0.1016/j.ecns.2010. 11.005.

Creswell, John W. (2003). Research design Qualitative, Quantitative, and Mixed Methods Approaches, 2nd ed. London, Sage Publications, ISBN 0-7619- 2442-6

Bryman, Alan (2012). Social Research Methods, 4th Edition, Oxford University Press. ISBN-13: 978-0199588053

Sheehan, K. B. (2001), E-mail Survey Response Rates: A Review. Journal of Computer-Mediated Communication, 6: 0. doi: 10.1111/j.1083-6101.2001.tb00117.x

Hill, M.M. & Hill, A. (2002). Investigação por Questionário. Lisboa : Edições Sílabo, Lda.

Riem, N. Boat, S., Bould, MD, Tavares, W. Do technical skills correlate with non-technical skills in crisis resource management: a simulation study. Br J. Anaesth. 2012 Nov, 109 (5): 723-8 DOI: 10.109r/bje/aes256

Ordem dos Enfermeiros (2013). Modelo Integrado de Emergência Pré-Hospitalar. Acesso em 25-01-2014, acesso em 17 de setembro de 2015 https://www.ordemenfermeiros.pt/arquivo/comunicacao/Documents/2013/MIEPH_proteg.pdf

Sportsman, Susan Competency Education and Validation in the United States: What Should Nurses Know? Nursing Forum Volume 45, No. 3, July-September 2010. Pp.148-149

Nagle, BM, McHale, JM, Alexander, GA & French, BM (2009) Incorporating Scenario-Based Simulation into an Hospital Nursing Education Program. The Journal of Continuing Education in Nursing 40 (1), 18-25

Jeffries, PR (2005). A framework for designing, implementing, and evaluating simulations used as teaching strategies in nursing. Nursing Education Perspectives [Nurs Educ Perspect] Mar-Apr; Vol. 26 (2) 96-103.

Parker, B & Myrick, F (2010) Transformative Learning as a context for Human Patient Simulation. Journal of Nursing Education 49 (6), 326-332

Mezirow, J (1995) Transformative Learning: Theory to Practice. New Directions for Adult and Continuing Education 74, 5-12

Benner, P. (1984). From novice to expert: Excellence and power in clinical nursing practice. Menlo Park: Addison-Wesley, pp. 13-34

Lapkin, S & Levett-Jones, T (2011) A cost-utility analysis of medium vs. high-fidelity human patient simulation manikins in nursing education. Journal of Clinical Nursing 20, 3543-3552

Dreifuerst, KT (2009) The essentials of debriefing: A concept analysis. Nursing Education Perspectives 30 (2), 109-114

Downloads

Publicado

2019-12-31

Edição

Secção

Artigos