O paciente emergente no serviço de urgência

estratificação do risco Clínico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48492/servir0201.25679

Palavras-chave:

emergente, risco, serviço de urgência

Resumo

Introdução: O aumento da afluência ao Serviço de Urgência induz a necessidade de implementar um processo eficaz na gestão dos cuidados de saúde aosdoentes emergentes. Como resposta a essa problemática prevalece o sistema de triagem, instrumento que estabelece a prioridade clínica de atendimento para aprimeira observação médica e promove, por essa via, a gestão do risco clínico e a equidade no acesso ao Serviço de Urgência.

Objetivo: Determinar o nível de riscoclínico mais prevalente nos doentes com prioridade emergente.

Métodos: Estudo descritivo, com coorte retrospetivo, realizado em pacientes que foram triados com prioridade clínica emergente na admissão ao serviço deurgência, em que 52.7% da amostra pertence ao género masculino. Os dados foram recolhidos através da consulta do Sistema de Informação Alert® de umcentro hospitalar da região Centro de Portugal.

Resultados: O nível de risco clínico que prevaleceu no género masculino foi de 10 (dez) e no feminino de 7 (sete). Observou-se que 61.9% dos doentes comrisco clínico pertencem à faixa etária maior ou igual a 71 anos. Os fatores: idade inferior ou igual a 70 anos (OR=0.422), o tempo de permanência no serviço de urgência inferior ou igual a 120 minutos e entre 120 e 240 minutos e, ainda, o menor tempo de observação médica (1 a 10 minutos), representaram umadiminiução do risco clínico em 57.8%, 94.7%, 67.7% e 72.9%, respetivamente. Por outro lado, o tempo de permanência superior a 240 minutos representou umaumento do índice de risco em 152.8%. O rácio de chances da ocorrência de manobras de reanimação cardiopulmonar (OR=0.333) faz decrescer para 66.7% onível de risco quando não são executadas.

Conclusão: As variáveis, sexo masculino, idade superior a 70 anos e tempo de permanência mostraram ser determinantes do risco clínico pelo que se impõeconsiderá-las aquando da gestão do tratamento emergente no serviço de urgência.

Referências

Coutinho, A.A.P., Cecílio, L.C.O., & Mota, J.A.C. (2012). Classificação de risco em serviços de emergência: uma discussão da literatura sobre o Sistema de Triagem de Manchester. Rev Med Minas Gerais; 22(2), 188-198. Acedido em http://rmmg.org/artigo/detalhes/101

GrupoPortuguêsdeTriagem(2017).ProtocolodeTriagemdeManchester.Acedidoemhttp://www.grupoportuguestriagem.pt/index.php?option=com_content&view=article&id=3&Itemid=109

Júnior, J.A., & Matsuda, L.M. (2012). Implantação do sistema acolhimento com Classificação e Avaliação de Risco e uso do Fluxograma Analisador. Texto 95 Contexto Enferm.; 21(1):217-25. Acedido em doi.org/10.1590/S0104-07072012000100025.

Lopes J.B. (2011). Enfermeiro na classificação de risco em serviços de emergência: revisão integrativa. Porto alegre: Faculdade de Enfermagem, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre; 36 f. Acedido em http://www.lume.ufrgs.br/andle/10183/37529.

Oliveira, P., Frutuoso, B., Veríssimo, R., & Agripino, A. (2017). O Doente Idoso no Serviço de Urgência. Galicia Clin; 78 (1), 11-14. Acedido em https://galiciaclinica.info/PDF/43/1055.pdf

Oredsson. S., Jonsson, H., Rognes, J., Lind, L., Göransson, K.E., Ehrenberg, A. et al. (2011). A systematic review of triage-related interventions to improve patient flow in emergency departments Scandinavian Journal of Trauma, Resuscitation and Emergency medicine. BioMed Central Ltd; 19(1), 43. Acedido em http://www.pubmedcentral.nih.gov/articlerender.fcgi?artid=3152510&tool=pmcentrez&rendetype=abstract

Santos, E., Cardoso, D., Queirós, P., Cunha, M., Rodrigues, M., Apóstolo, J. (2016). The effects of emergency department overcrowding on admitted patient outcomes: a systematic review protocol”, JBI Database of Systematic Reviews and Implementation Reports 14, 5: 96-102. doi: 10.11124/JBISRIR-2016-002562

Souza, C. C., Araújo, F. A., & Chianca, T. C. (2015). Produção científica sobre a validade e confiabilidade do Protocolo de Manchester: revisão integrativa da literatura. Revista da Escola de Enfermagem da USP, pp. 144-151. Obtido de Produção científica sobre a validade e confiabilidade do Protocolo de Manchester: revisão integrativa da literatura. Acedido em http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420150000100019

Veríssimo, O.M.T. (2018). O nível de satisfação das pessoas com a abordagem dos enfermeiros no processo de triagem e fatores que o influenciam. (Dissertação de Mrestrado). Escola Superior de Enfermagem de Coimbra. Acedido em https://repositorio.esenfc.pt/private/index.php?process=download&id=57753.

Vieira, A.C., Bertoncello, K.C.G., Girondi, J.B.R., Nascimento, L.R.P., Hammerschmidt, K.S.A. & Zefeino, M.T. (2016). Percepção dos enfermeiros de emergência na utilização de um protocolo para avaliação da dor torácica. Texto Contexto Enferm; 25(1):e1830014.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

Sebastião, S. ., & Cunha, M. (2021). O paciente emergente no serviço de urgência: estratificação do risco Clínico. Servir, 2(01), 65–74. https://doi.org/10.48492/servir0201.25679

Edição

Secção

Artigos