Caraterização Fisiológica do Futebol 7 – Escalão Benjamins

Autores

  • Rafael Oliveira Escola Superior de Desporto de Rio Maior
  • Nuno Coito
  • Renato Fernandes
  • João Brito

DOI:

https://doi.org/10.25746/ruiips.v3.i3.14380

Resumo

Objetivo – Os objetivos foram caracterizar fisiologicamente o jogo de “futebol 7”, no que respeita á distância percorrida, a velocidade média e máxima de deslocação e carga interna no escalão de Benjamins.

Metodologia – 54 jogadores de futebol do sexo masculino estimaram o consumo máximo de oxigénioatravés do teste aeróbio Vai Vem de Léger et al. (1982). A frequência cardíaca média e máxima, distância percorrida, velocidade média e máxima de deslocação de cada jogador foram medidos através dos cardiofrequencímetros modelo RX800 Sport Watch (Polar, Finland) com GPS acoplado.

Resultados – Os valores da frequência cardíaca máxima no jogo (199,72±8,95 bat/min) não apresentam diferenças significativas com os do teste Vai Vem (201,35±7,92 bat/min). Os médios centros (50,51±4,36 ml/kg/min) obtiveram os valores mais elevados no consumo máximo de oxigénio. Na distância percorrida verificaram-se diferenças significativas (p≤0,05) entre os defesas centrais contra laterais; defesas centrais contra os médios centros; e na “velocidade máxima”; entre os laterais contra médios centros.

Conclusão – Conclui-se não existir especificidade metabólica nas posições do Futebol de 7 em crianças dos 9/10 anos. O jogo de “futebol 7” apresenta uma intensidade nos 86 % da frequência cardíaca máxima, sendo uma zona de intensidade que permite incrementar a potência aeróbia.

Downloads

Publicado

2015-10-07

Como Citar

Oliveira, R., Coito, N., Fernandes, R., & Brito, J. (2015). Caraterização Fisiológica do Futebol 7 – Escalão Benjamins. Revista Da UI_IPSantarém, 3(3), 35–47. https://doi.org/10.25746/ruiips.v3.i3.14380

Edição

Secção

Artigos