ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PROMOTORAS DE PENSAMENTO CRÍTICO NAS AULAS DE CIÊNCIAS NATURAIS DO 2.ºCEB

  • Sónia Roda Agrupamento de escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral, Portugal
  • Elisabete Linhares Escola Superior de Educação de Santarém, Portugal. UIDEF, Instituto de Educação, Universidade de Lisboa, Portugal
Palavras-chave: Atividades experimentais, Ciências Naturais, Pensamento Crítico, Prática de Ensino Supervisionada, 2.º Ciclo do Ensino Básico.

Resumo

A realização de atividades experimentais nas aulas de ciências, em que os alunos são intervenientes ativos nas investigações levadas a cabo, constitui uma situação de ensino-aprendizagem propícia ao desenvolvimento de capacidades de pensamento crítico bem como de outras capacidades e competências. Assim, a presente investigação sobre a própria prática profissional pretendeu compreender qual a influência das atividades experimentais, implementadas nas aulas de Ciências Naturais, no desenvolvimento de capacidades de pensamento crítico em alunos de uma turma do 5.º ano do 2º Ciclo do Ensino Básico. O estudo foi realizado durante a prática de ensino supervisionada em Ciências Naturais. Para isso, aplicou-se o Teste de Pensamento Crítico de Cornell (Nível X) antes do desenvolvimento das atividades experimentais e após essa intervenção, comparando posteriormente os resultados. Analisaram-se, ainda, as capacidades de pensamento crítico atingidas pelos alunos com as experiências. Os resultados sugerem que as atividades contribuíram para melhorar o nível de pensamento crítico dos alunos, permitindo ainda o desenvolvimento do seu raciocínio lógico, das capacidades de comunicação, bem como a colaboração entre colegas e a autonomia.

 

Publicado
2018-12-21