Conhecer contextos, conhecer profissionais: Contributo para explorar o desenvolvimento de competências interculturais em contextos educativos

Daniela Filipa Santos Silva, Sofia Marques da Silva

DOI: https://doi.org/10.21814/rpe.10278

Resumo


O aumento de mobilidades e de movimentos migratórios na sociedade contemporânea europeia tem reflexo nos mais diversos contextos sociais, trazendo desafios particulares ao campo educativo. Neste alinhamento, as questões da diversidade cultural tornam-se audíveis não apenas pela emergência de situações mediatizadas, mas também porque nos relembram “velhas” diversidades, por vezes esquecidas. Este artigo procura contribuir para uma discussão em torno de preocupações que, sendo também de natureza global, se estendem a contextos educativos locais, onde diversidades culturais se vivem e produzem envolvendo diferentes figuras. O contributo decorre de um estudo qualitativo que procurou dar conta de competências valorizadas, apropriadas e mobilizadas por profissionais em contextos educativos formais, não formais e informais, no trabalho com diversidades étnicas, especificamente com jovens descendentes de imigrantes e de minorias étnicas. As entrevistas semiestruturadas e grupos de discussão focalizada possibilitaram conhecer um conjunto de competências profissionais que se organizaram em três dimensões: uma dimensão relacional, uma dimensão prática e uma dimensão de integração cultural e social.

Palavras-chave:Educação inter/multicultural; Competências profissionais; Diversidade cultural;

 

ABSTRACT

The increasing mobility and migration movements in the European contemporary society have impacted multiple social contexts, bringing particular challenges to the education field. In this line, cultural diversity issues become heard, not only due to the emergence of mediatic situations, but also because they remind us of “old” diversities, sometimes forgotten. This article aims to contribute to a discussion which combines global concerns and influences local education contexts. This contribution comes from a qualitative study that aimed to account for competences that were valued, appropriated and used by professionals in formal, non-formal and informal education contexts, while working with ethnic diversities, namely with young people with a migrant background and from ethnic minorities. The semi structured interviews and the focus group discussions allowed us to know a set of professional competences which are organized into three dimensions: relational, practical and cultural and social integration.

Keywords: Inter/multicultural education; Professional competences; Cultural diversity


Texto Completo:

PDF

Referências


Araujo, V. (2009). A multiculturalidade nas políticas educacionais e a formação de professores: Brasil e Portugal (Tese de doutoramento). Universidade Federal de São Carlos, São Paulo, Brasil.

Banks, J. A. (1995). Multicultural education: Historical development, dimensions, and practice. In J. A. Banks (Ed.), Handbook of research on multicultural education (pp. 3-49). New York: MacMillan.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bastos, J., & Bastos, S. (1999). Portugal multicultural. Lisboa: Fim de Século Edições.

Bernstein, B. (1990). Poder, educación y conciencia. Sociología de la transmisión cultural. Barcelona: Ed. El Roure.

Bogdan, R., & Biklen, S. (1994). Investigação qualitativa em educação: Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora.

Bolton, G. (Ed.) (2014). Reflective practice: Writing and professional development. London: Sage Publications.

Cabecinhas, R. (2002). Racismo e etnicidade em Portugal: Uma análise psicossociológica da homogeneização das minorias (Tese de doutoramento). Universidade do Minho, Braga, Portugal.

Cabecinhas, R. (2007). Preto e branco: A naturalização da discriminação racial. Porto: Campo das Letras.

Casa-Nova, M. J. (2005). (I)Migrantes, diversidades e desigualdades no sistema educativo português: Balanço e perspectivas. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 13(47), 181–216.

Casa-Nova, M. J. (2006). A relação dos ciganos com a escola pública: Contributos para a compreensão sociológica de um problema complexo e multidimensional. Interacções, 2, 155–182.

Conselho da Europa. (2008). Livro branco sobre o diálogo intercultural “Viver juntos em igual dignidade”. Estrasburgo: Conselho da Europa.

Côrte-Real, M., & Sá, M. H. A. (2014). Diálogo intercultural na escola portuguesa precisa-se!. Educação, Sociedade & Culturas, 41, 149–170.

Cortesão, L., & Stoer, S. (1995). Projectos, percursos, sinergias no campo da educação inter/multicultural: Relatório final. Porto: FPCEUP-CIIE.

Cortesão, L., & Stoer, S. (1999). A interculturalidade e a educação escolar: Dispositivos pedagógicos e a construção da ponte entre culturas. Inovação: Revista do Instituto de Inovação Educacional [Separata], 9, 35–51.

Cortesão, L., Costa, A. S., Rodrigues, L., & Trindade, R. (2002). Mergulhando no arco-íris sócio-cultural: Contributo para o conhecimento dos trabalhos sobre educação e diversidade em Portugal. Investigar em Educação, 1,19–99.

Council of Europe. (2009). Diversity and inclusion: Challenges for teacher education. Strasbourg: Directorate general IV – Directorate of Education and Languages, Unit of European Education Policies.

Echaudemaison, D. (2001). Dicionário de Economia e Ciências Sociais. Porto: Porto Editora.

Farmhouse, R. (2011). Nota de abertura. In I. Paes & T. Vitorino (Coords.), Comunidades educativas comprometidas com a diversidade. Propostas e reflexões a partir de práticas de formação-ação (pp. 5–7). Lisboa: Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural.

Ferreira, P. (2006). Concepções de cidadania e experiências de participação na sociedade civil: Uma perspectiva do desenvolvimento psicológico (Tese de doutoramento). Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto, Porto, Portugal.

Freire, I. (2010). A mediação em educação em Portugal. In J. A. Correia & A. M. C. Silva (Orgs.), Mediação: (D)Os contextos e (d)os actores (pp. 59–70). Porto: Afrontamento.

Galveias, M. F. (2008). Prática pedagógica: Cenário de formação profissional. Interacções, 8, 6–17.

Hall, S. (2003). “Que ‘negro’ é esse na cultura negra?”. In S. Hall (Ed.), Da diáspora: Identidades e mediações culturais (pp. 335–349). Belo Horizonte: Editora UFMG.

Harding, S. (1986). The science question in feminism. Ithaca: Cornell University Press.

Huber, J., & Reynolds, C. (2014). Developing intercultural competence through education. Brussels: Council of Europe.

Jardim, C. (2014). Vindos da Europa… Sentidos e compromissos de uma experiência de serviço voluntário europeu (Dissertação de mestrado). Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto, Porto, Portugal.

Leite, C. (2003). Para uma escola curricularmente inteligente. Porto: Edições ASA.

Leite, C. (2005, setembro). O currículo escolar e o exercício docente perante a multiculturalidade – Implicações para a formação de professores. In Centro Paulo Freire (Org.), Paulo Freire: Desafios à sociedade multicultural – Actas do V colóquio Internacional Paulo Freire (pp. 1–16). Recife, Brasil. Disponível em: https://sigarra.up.pt/flup/pt/pub_geral.pub_view?pi_pub_base_id=14381

Lowlands, D. (2014). Reflective practice: An introduction. In G. Bolton (Ed.), Reflective practice: Writing and professional development (pp. 1–16). London: Sage Publications.

Magalhães, A., & Stoer, S. (2005). “A diferença somos nós”: A gestão da mudança social e as políticas educativas e sociais. Porto: Edições Afrontamento.

Magalhães, A., & Stoer, S. (2011). Pensar as diferenças: Contributos para a educação inclusiva. In D. Rodrigues (Org.), Educação inclusiva: Dos conceitos às práticas de formação (pp. 29–43). Lisboa: Horizontes Pedagógicos.

Mendes, M. M. (2012). Identidades, racismo e discriminação: Ciganos da AML. Lisboa: Caleidoscópio.

Mendes, M., Magano, O., & Candeias, P. (2014). Estudo nacional sobre as comunidades ciganas. Observatório das comunidades ciganas. Lisboa: Alto Comissariado para as Migrações.

Miranda, F. (2004). Educação intercultural e formação de professores. Porto: Porto Editora.

Morgado, C., & Oliveira, I. (2009). Mediação em contexto escolar: Transformar o conflito em oportunidade. Exedra, 1, 43–56.

Nata, G. (2007). Diferença cultural e democracia: Identidade, cidadania e tolerância na relação entre maioria e minorias (Tese de doutoramento). Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto, Porto, Portugal.

Neves, T., & Malafaia, C. (2012). Gestão de conflitos: Uma experiência, um guia. Porto: Legis Editora.

OECD Report (2010). Educating teachers for diversity: Meeting the challenge. Paris: OECD.

Organizing Bureau of European School Student Unions. (2014). Guidelines on social inclusion in education. Disponível em: https://www.obessu.org/site/assets/files/1310/2014_-_guidelines_on_social_inclusion_in_education.pdf

Paes, I., & Vitorino, T. (Coord.). (2011). Comunidades educativas comprometidas com a diversidade. Propostas e reflexões a partir de práticas de formação-ação. Lisboa: Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural.

Pereira, A. (2004). Educação multicultural: Teorias e práticas. Porto: Edições ASA.

Pereira, F. (2009a). Conceptions and knowledge about childhood in initial teacher training: Changes in recent decades and their impact on teacher professionality and on schooling in childhood. Teaching and Teacher Education, 25(8), 1009–1017.

Pereira, F. (2009b). Governo da infância e profissionalidade docente: Narrativas em formação inicial de professores. Educação, Sociedade & Culturas, 29, 89–108.

Pereira, F. (2010). Infância, educação escolar e profissionalidade docente: Um mapeamento social dos discursos em formação inicial de professores. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

Pereira, F. (2013). Concepts, policies and practices of teacher education: An analysis of studies on teacher education in Portugal. Journal of Education for Teaching, 39(5), 474–491.

Pereira, F., Carolino, A., & Lopes, A. (2007). A formação inicial de professores do 1º CEB nas últimas três décadas do séc. XX: Transformações curriculares, conceptualização educativa e profissionalização docente. Revista Portuguesa de Educação, 20(1), 191–219.

Perrenoud, P., Paquay, L., Altet, M., & Charlier, É. (2001). Formando professores profissionais. Quais estratégias? Quais competências?. Porto Alegre: Artmed Editora.

Plano Estratégico para as Migrações. (2015). Resolução do Conselho de Ministros N.º 12-B/2015, 20 de março de 2015. Disponível em: https://www.acm.gov.pt/documents/10181/222357/PEM_net.pdf/3a515909-7e66-41e8-8179-e3aa5e0c7195

Rede Eurydice. (2012). A educação para a cidadania. Lisboa: Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência. Retirado em março 16, 2016, de http://eacea.ec.europa.eu/education/eurydice

Severiens, S., Wolff, R., & van Herpen, S. (2013). Teaching for diversity: A literature overview and an analysis of the curriculum of a teacher training college. European Journal of Teacher Education, 37(3), 295–311.

Siewiorek, A., Vivitsou, M., & von Reis Saari, J. (2013). Key competences in practice. KeyCoNet 2013 literature review: Key competence development in school education in Europe. Project: KeYCoNet: Key Competence Network on School Education. Disponível em: http://keyconet.eun.org/c/document_library/get_file?uuid=060f39a1-bd86-4941-a6ca-8b2a3ba8548e&groupId=11028

Silva, D. (2016). O trabalho educativo com jovens descendentes de imigrantes e de minorias étnicas: Competências profissionais, estratégias e políticas de capacitação (Dissertação de mestrado). Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto, Porto, Portugal.

Silva, S. M. (2008). Figuras e configurações da estranheza: O mundo da vida e o mundo da escola. E-cadernos CES, 1, 141–159.

Silva, S. M. (2011). Da casa da juventude aos confins do mundo. Etnografia de fragilidades, medos e estratégias juvenis. Porto: Edições Afrontamento.

Sirius Network. (2014). A clear agenda for migrant education in Europe. Brussels: Sirius Network.

Sleeter, C. (1991). Multicultural education and empowerment. In C. Sleeter (Ed.), Empowerment through multicultural education (pp. 1–26). New York: Suny.

Stoer, S. (1994). Construindo a escola democrática através do “campo da recontextualização pedagógica”. Educação, Sociedade & Culturas, 1, 7–27.

Stoer, S. (1999). Combatendo a educação multicultural benigna. In Universidade de Lisboa (Org.), Actas do Encontro “Um olhar sobre o outro” (pp. 177–183). Lisboa: Departamento de Ensino Básico.

Stoer, S., & Cortesão, L. (1999). “Levantando a pedra”: Da pedagogia inter/multicultural às políticas educativas numa época de transnacionalização. Porto: Edições Afrontamento.

Tavares, C., & Sanches, I. (2013). Gerir a diversidade: Contributos da aprendizagem cooperativa para a construção de salas de aula inclusivas. Revista Portuguesa de Educação, 26(1), 307–347.

UNESCO. (2006). Guidelines on intercultural education. Paris: UNESCO.

UNESCO. (2013). Intercultural competences. Paris: Intersectoral Platform for a Culture of Peace and Non-Violence, Bureau for Strategic Planning.

Zimenkova, T. (2011). DIVERSITY: Future project or current challenge? Construction of the term diversity within citizenship education in Europe. Educação, Sociedade & Culturas, 32, 23–40.


Apontadores

  • Não há apontadores.


A Revista Portuguesa de Educação (ISSN 0871-9187) é uma publicação semestral do Centro de Investigação em Educação (CIEd) do Instituto de Educação da Universidade Minho (UM) e conta com o apoio de fundos nacionais da FCT/MCTES-PT através do projeto UID/CED/1661/2013.