Desafios anestésicos levantados por uma prótese traqueal e uma fístula na via aérea

  • Eva Silva Figueiredo Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra
  • Helena Lima Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra
  • Sara Rêgo Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra
  • Liliana Paulo Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra
  • Mafalda Martins Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra

Resumo

Resumo:

O cancro esofágico é a sétima causa de morte no mundo.1

As fístulas malignas traqueo-esofágicas, bronco-esofágicas ou, menos frequentemente, entre o esófago e o parênquima pulmonar são complicações tardias de cancros avançados no esófago, pulmão ou mediastino.2 A ocorrência de uma fístula maligna esófago-respiratória é uma complicação devastadora.1 A presença de uma prótese respiratória aumenta o risco. A sua mobilização pode condicionar várias complicações incluindo obstrução total da via aérea.

Há vários problemas na abordagem anestésica de doentes com fístulas fístulas respiratórias.3

Descrevemos a abordagem anestésica de um homem de 56 anos com um cancro esofágico metastizado, diagnosticado com uma fístula maligna bronco-esofágica e uma prótese traqueal, proposto para laparotomia urgente.

A abordagem anestésica de um doente com uma fístula esófago-respiratória maligna é um desafio sério. Este doente tinha uma prótese traqueal que também levantava problemas potencialmente fatais durante a sua abordagem. No período peri-operatório foram mandatórios múltiplos cuidados.

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.
Publicado
2018-12-15
Como Citar
Figueiredo, E., Lima, H., Rêgo, S., Paulo, L., & Martins, M. (2018). Desafios anestésicos levantados por uma prótese traqueal e uma fístula na via aérea. Revista Da Sociedade Portuguesa De Anestesiologia, 27(4), 105-107. https://doi.org/10.25751/rspa.15258