Enfisema Cervical Subcutâneo Após Epidural para Analgesia de Trabalho de Parto:

Caso Clínico de uma Complicação Pouco Frequente

  • Sara Margarida Rego Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra
  • Carlos Silva
  • Maria Lima
  • Eva Silva
  • Eva Silva
  • Liliana Paulo
  • Marta Azenha
Palavras-chave: Analgesia Epidural; Analgesia Obstétrica; Enfisema Subcutâneo; Enfisema Mediastínico

Resumo

Os autores descrevem um caso raro de enfisema cervical subcutâneo iatrogénico após inserção de cateter epidural lombar para analgesia de trabalho de parto.

A técnica epidural, apesar de ser considerada o gold standard na analgesia de trabalho de parto, não é isenta de complicações. O enfisema subcutâneo, embora raro, é uma possível complicação na pesquisa do espaço epidural com a técnica de perda de resistência com ar. Sendo geralmente uma condição autolimitada, o tratamento é conservador e a sua resolução depende da quantidade de ar retida, que normalmente é reabsorvida em poucos dias.

Uma forma de evitar esta complicação é o uso de solução salina na técnica de perda de resistência para identificação do espaço epidural. No entanto, se for utilizada a técnica de perda de resistência com ar, devem ser adotadas algumas medidas preventivas.

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.

Referências

1. Cambic CR, Wong CA. Labour analgesia and obstetric outcomes. British Journal of Anaesthesia. 2010;105:i50–i60.

2. Beilin Y, Arnold I, Telfeyan C, Bernstein HH, Hossain S. Quality of analgesia when air versus saline is used for identification of the epidural space in the parturient. Regional Anesthesia and Pain Medicine. 2000;25:596-599.

3. Antibas PL, do Nascimento Junior P, Braz LG, Vitor Pereira Doles J, Módolo NS, El Dib R. Air versus saline in the loss of resistance technique for identification of the epidural space. Cochrane Database Syst Rev. 2014;7:CD008938.

4. Laman EN, McLeskey CH. Supraclavicular subcutaneous emphysema following lumbar epidural anesthesia. Anesthesiology. 1978;48:219-221.

5. Wang JC, Tsai SH, Liao WI. Pneumocephalus after epidural anesthesia in an adult who has undergone lumbar laminectomy. J Neurosurg Anesthesiol. 2014;26:261-3.

6. Prober A, Tverskoy M. Soft tissue emphysema associated with epidural anesthesia. Am J Roentgenol. 1987;149:859-60.

7. Jackson KE, Rauck RL. Suspected venous air embolism during epidural anesthesia. Anesthesiology. 1991;74:190-1.

8. Saberski LR, Kondamuri S, Osinubi OYO. Identification of the epidural space: is loss of resistance to air a safe technique? A review of the complications related to the use of air. Regional Anesthesia. 1997;22(1):3-15.

9. Rozenberg B, Tischlar S, Glick A. Abdominal subcutaneous emphysema: An unusual complication of lumbar epidural block. Can J Anaesth. 1988;35:325.

10. Carter MI. Cervical surgical emphysema following extradural analgesia. Anesthesia. 1984;39:1115-1116.
Publicado
2019-04-03
Como Citar
Rego, S., Silva, C., Lima, M., Silva, E., Silva, E., Paulo, L., & Azenha, M. (2019). Enfisema Cervical Subcutâneo Após Epidural para Analgesia de Trabalho de Parto:. Revista Da Sociedade Portuguesa De Anestesiologia, 28(1), 63 - 66. Obtido de https://revistas.rcaap.pt/anestesiologia/article/view/16415