Fratura da Extremidade Proximal do Fémur: Abordagem Peri-Operatória do Doente Medicado com Anticoagulantes e/ou Antiagregantes Plaquetários.” Baseado nas Recomendações da Sociedade Portuguesa de Anestesiologia de 2014, com o apoio da Associação Portuguesa

  • Cristiana Fonseca Faculdade de Medicina do Porto
  • Miguel Marta Serviço de Ortopedia, Centro Hospitalar de São João, EPE, Porto, Portugal
  • José Dias Serviço de Anestesiologia, Centro Hospitalar de São João, EPE, Porto, Portugal
  • Rui Pinto Serviço de Ortopedia, Centro Hospitalar de São João EPE, Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, Porto, Portugal
  • Paulo Bettencourt Serviço de Medicina Interna, Centro Hospitalar de São João EPE, Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, Porto, Portugal
  • Júlia Maciel Serviço de Cardiologia, Centro Hospitalar de São João EPE, Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, Porto, Portugal
  • Fernando Araújo Serviço de Imuno-Hemoterapia, Centro Hospitalar de São João EPE, Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, Porto, Portugal
Palavras-chave: Antiagregantes Plaquetários, Anestesia, Anticoagulantes, Fraturas do Fémur, Antiagregantes PlaquetáriosAnestesia

Resumo

A fratura do fémur proximal, que habitualmente ocorre na população idosa, é uma causa comum de morbilidade e mortalidade neste grupo etário. Estes doentes apresentam várias co-morbilidades e são, frequentemente, polimedicados, fatores que contribuem para um internamento hospitalar prolongado, aumento de complicações peri-operatórias e mortalidade. A evidência sugere que a intervenção cirúrgica precoce reduz a morbi-mortalidade associada à fratura proximal do fémur e o seu adiamento para além das 48 horas condiciona maior mortalidade pós-operatória e complicações aos 30 dias de internamento.

A abordagem peri-operatória destes doentes é complexa, verificando-se, frequentemente, o adiamento cirúrgico, principalmente na presença de fármacos anticoagulantes e antiagregantes plaquetários. Com o objetivo de normalizar os procedimentos peri-operatórios do doente com diagnóstico de fratura proximal do fémur medicado com anticoagulantes e antiagregantes plaquetários, foi constituído um grupo de trabalho multidisciplinar que teve por principal objetivo a aplicação, nestes doentes, das recomendações da Sociedade Portuguesa de Anestesiologia sobre o manuseio peri-operatório do doente medicado com anticoagulantes, publicadas em 2014.

Foi realizada uma análise multidisciplinar da evidência na abordagem peri-operatória dos doentes propostos para tratamento cirúrgico da fratura da extremidade proximal do fémur, no que respeita a atuação e reversão dos fármacos anticoagulantes, estratégias poupadoras de sangue e tromboprofilaxia, tendo sido elaborado um protocolo de atuação. A instituição de algoritmos multidisciplinares para a abordagem peri-operatória do doente com fratura proximal do fémur e a sua divulgação é fundamental, de forma a facilitar a prática clínica diária e melhorar a prestação de cuidados de saúde.

 

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.

Biografia do Autor

Cristiana Fonseca, Faculdade de Medicina do Porto

Assistente Hospitalar de Anestesiologia Centro Hospitalar do Alto Ave

Diretora da Unidade de Cirurgia de Ambulatório do CHAA

Publicado
2015-12-02
Como Citar
Fonseca, C., Marta, M., Dias, J., Pinto, R., Bettencourt, P., Maciel, J., & Araújo, F. (2015). Fratura da Extremidade Proximal do Fémur: Abordagem Peri-Operatória do Doente Medicado com Anticoagulantes e/ou Antiagregantes Plaquetários.” Baseado nas Recomendações da Sociedade Portuguesa de Anestesiologia de 2014, com o apoio da Associação Portuguesa. Revista Da Sociedade Portuguesa De Anestesiologia, 24(4), 105-114. https://doi.org/10.25751/rspa.7153
Secção
Artigo de Consenso