Satisfação Profissional dos Professores em Pré-Reforma

Professional Satisfaction of Teachers in Pre-Retirement

  • Sheila Catherine Oliveira Furtado Fundação Gaspar Frutuoso - Universidade dos Açores
  • Teresa Medeiros Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade dos Açores
Palavras-chave: Satisfação profissional, Professor, Reforma, Pré-reforma

Resumo

A docência é uma das profissões que tem sofrido alterações tanto ao nível do ensino como da carreira. Com as diversas modificações que têm sido efetuadas, os professores veem-se confrontados com uma panóplia de fatores que influenciam o seu desempenho profissional e que poderão influenciar a sua satisfação profissional. A partir de uma amostra de 114 professores dos ensinos básico e secundário da Região Autónoma dos Açores (RAA), dos quais 73 são do género feminino (64%) e 41 do género masculino (46%), com idades compreendidas entre os 50 e os 65 anos, pretendeu-se analisar os níveis de satisfação profissional dos professores, saber se a satisfação profissional se altera em função da preparação para a reforma e de variáveis sociodemográficas. Para a recolha de dados foram utilizados três questionários, que permitem estudar as variáveis sociodemográficas dos participantes, a sua satisfação profissional e a sua preparação para a reforma. Os resultados obtidos indicam que a maioria dos professores do ensino básico e secundário da amostra não prepara a sua reforma, que as escolas básicas e secundárias da RAA não desenvolvem programas de preparação para a reforma, que os docentes estão relativamente satisfeitos com a sua profissão  e que a satisfação profissional varia em função da idade, numa relação diretamente proporcional. O estudo evidencia a necessidade de uma intervenção organizada no âmbito da preparação para a reforma, junto dos professores do ensino básico e secundário da Região, muito embora se verifique que os docentes estão relativamente satisfeitos com o seu trabalho. Sugere-se, ainda, o desenvolvimento de novos estudos, no sentido de verificar se o facto de os professores estarem relativamente satisfeitos com a profissão influencia a falta de preparação a reforma.

Downloads

Dados de downloads ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

Sheila Catherine Oliveira Furtado, Fundação Gaspar Frutuoso - Universidade dos Açores
Mestre em Psicologia da Educação pela Universidade dos Açores, inatituição onde realizou voluntariado na Pró-Reitoria para a Formação ao Longo da Vida e onde assinou contrato de colaboração científica. Membro fundador do NEPSIC - Núcleo de Estudantes de Psicologia da Universidade dos Açores.

Referências

Afonso, M. M. (2011). O modelo das características do trabalho e o compromisso organizacional à luz da troca social (Dissertação de mestrado não publicada). Universidade do Minho, Braga, Portugal.

Alves, F. C. (1994). A satisfação/insatisfação docente: Contributos para o estudo da satisfação/insatisfação dos professores efectivos do 3.º ciclo do ensino básico e do ensino secundário do distrito de Bragança (Dissertação de mestrado não publicada). Instituto Politécnico de Bragança, Bragança, Portugal.

Alves, M., Azevedo, N., & Gonçalves, T. (2014). Satisfação e situação profissional: Um estudo com professores nos primeiros anos de carreira. Educação e Pesquisa, 40(2), 365-382. doi:10.1590/S1517-97022014005000002

Alves, P. (2010). Satisfação/insatisfação do trabalho dos professores do 1.º ciclo do ensino básico: Estudo do concelho de Caldas da Rainha (Dissertação de mestrado não publicada). Universidade Aberta, Lisboa, Portugal.

Ambrose, S., Huston, T., & Norman, M. (2005). Qualitative method of assessing faculty satisfaction. Research in Higher Education, 46(7), 803-830. doi:10.1007/s11162-004-6226-6

Barbosa, V. J. (2014). A satisfação no trabalho e a perceção da qualidade de vida nos colaboradores do Instituto Politécnico do Porto (Dissertação de mestrado não publicada). Instituto Politécnico do Porto, Porto, Portugal.

Barros, S., & Pisciotta, R. (2012). Profissão docente: O conceito da docência no âmbito social. Revista Interfaces, 4(3), 45-47.

Benavente, A., Costa, A., & Grácio, S. (1989). A reforma do ensino: Um processo social [Em linha]. Sociologia, 6, 157-167.

Benavente, A., Queiroz, S., & Aníbal, G. (2015). Crise, austeridade e educação em Portugal (2011-2014). Investigar em Educação, 11(3), 49-62.

Borges, S., & Daniel, F. (2009). Satisfação profissional dos docentes: Uma abordagem sobre instrumentos de medida. Interacções, 16, 101-130.

Carvalho, C., & Abdalla, M. (2015). Da formação da pedagogia/parfor à profissão professor: Necessidades e expectativas. São Paulo, Brasil: Capes.

Chagas, L., & Pedro, N. (2014). Satisfação docente e discente nos regimes presencial e à distância: Estudo comparativo no contexto do Ensino Superior Politécnico. Indagatio Didactica, 6(4), 132-150. Disponível em http://hdl.handle.net/10451/26595

Chaves, S., & Fonsêca, P. (2006). Trabalho docente: Que aspectos sociodemográficos e ocupacionais predizem o bem-estar subjetivo?. PSICO, 37(1), 75-81.

Costa, F. P., Silva, M. P., Bessa, V. P., & Caldas, I. P. (2014). A história da profissão docente: Imagens e autoimagens. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Brasil.

Coutinho, B. M. (2010). Base segura: A vinculação no contexo da transição para a idade adulta (Dissertação de mestrado não publicada). Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Esteve, J. M. (1992). O mal-estar docente. Lisboa, Portugal: Escher.

Fernandes, L. A. (2011). Análise dos significados associados à reforma na perspectiva da teoria do nível de abstracção (Dissertação de mestrado não publicada). Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Ferreira, M. C. (2013). Stress na transição para a reforma (Dissertação de mestrado não publicada). Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal.

Fonseca, A. M. (2004). Uma abordagem psicológica da "passagem à reforma": Desenvolvimento, envelhecimento, transição e adaptação (Tese de doutoramento não publicada). Universidade do Porto, Porto, Portugal.

Fonseca, A. M. (2012). Do trabalho à reforma: Quando os dias parecem mais longos. Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 75-95.

Fonseca, S. B. (2014). Modelo de stresse e satisfação no trabalho: Estudo com professores do ensino superior português (Dissertação de mestrado). Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Universidade do Porto, Portugal.

Frota, G., & Teodósio, A. (2012). Profissão docente, profissão decente?: Estratégias de professores frente ao sofrimento no trabalho em um ambiente de inovação pedagógica. In XXXVI Encontro da ANPAD (pp. 1-16). Rio de Janeiro, Brasil.

Furtado, S. C. O. (2015). Envelhecer com vida: Projeto de intervenção na autoeficácia, motivação e qualidade de vida (Relatório de Estágio não publicado). Departamento de Ciências da Educação, Universidade dos Açores, Angra do Heroísmo, Portugal.

Gonçalves, A. A. P. (2008). Bem-estar pessoal e satisfação profissional em profissionais de saúde oral (Dissertação de mestrado não publicada). Instituto Superior de Psicologia Aplicada, Lisboa, Portugal.

Gonçalves, J. A. (2009). Desenvolvimento profissional e carreira docente: Fases da carreira, currículo e supervisão. Revista de Ciências da Educação, 8, 23-36.

Hagedorn, L. S. (2000). Conceptualizing faculty job satisfaction: Components, theories and outcome. New Directions of Institutional Research, 105, 5-20. doi:10.1002/ir.10501

Huberman, M. (1989). The professional life cycle of teachers. Teachers College Record, 91(1), 31-57.

Jesus, S. N. (1993). A formação educacional de futuros professores. Revista Portuguesa de Pedagogia, 27(1), 93-117.

Jesus, S. N. (2004). Psicologia da educação. Coimbra, Portugal: Quarteto.

Laureano, R. (2013). Testes de hipóteses com o SPSS. Lisboa, Portugal: Edições Sílabo.

Lunenburg, F. C. (2011). Goal-setting theory of motivation. International Journal of Management, Business and Administration, 15(1), 1-6.

Maia, S. C. (2012). Qualidade de vida no trabalho e stresse na profissão docente (Dissertação de mestrado não publicada). Universidade da Beira Interior, Covilhã, Portugal.

McDonnell, J., Christensen, J., Price, J., Burke, P., & Fessler, R. (1989). Teacher´s career stages and availability and appropriateness of incentives in teaching. Madison: ERIC.

Medeiros, T. (2013). Desafios do(s) envelhecimento(s). In T. Medeiros, C. Ribeiro, B. P. Miúdo, & A. Fialho (Eds.), Envelhecer e conviver (pp. 29-45). Ponta Delgada, Portugal: Letras Lavadas.

Medeiros, T., & Melo, C. (2015). Saúde e qualidade de vida em pessoas idosas. In A. L. Oliveira & Q. P. Kamimura (Orgs.), Saúde, qualidade de vida e desenvolvimento (pp. 181-197). Taubaté, Brasil: Editora da UNITAU.

Mendonça, H., Ferreira, M., Caetano, A., & Torres, C. (2014). Cultura organizacional, coping e bem-estar subjetivo: Um estudo com professores de universidades brasileiras. Revista Psicologia: Organizações & Trabalho, 14(2), 230-244.

Morais, F., & Medeiros, T. (2007). Desenvolvimento profissional do professor: A chave do problema? Ponta Delgada, Portugal: Universidade dos Açores e Direcção Regional da Ciência e a Tecnologia.

Moreira, J., Ferreira, A., & Ferreira, J. (2014). Escala de Satisfação de Professores de Educação Física: Procedimentos de construção e validação. Revista Portuguesa de Pedagogia, 48(1), 69-85.

Munana, G. R. (2010). Estudo da satisfação profissional dos professores angolanos em função de variáveis sociodemográficas e profissionais (Dissertação de mestrado não publicada). Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal.

Neri, A. (1993). Qualidade de vida e idade madura. São Paulo, Brasil: Papirus.

Nóvoa, A. (1992). Formação de professores e profissão docente. In A. Nóvoa (Ed.), Os professores e a sua formação (pp. 13-33). Lisboa, Portugal: Dom Quixote.

Oliveira, L. F. (2014). Chegou a aposentação. E agora???: Reflexão sobre o voluntariado sénior (Dissertação de mestrado não publicada). Instituto Superior de Serviço Social do Porto, Porto, Portugal.

Pedro, N. (2011). Autoeficácia e satisfação profissional dos professores: Colocando os constructos em relação num grupo de professores do ensino básico e secundário. Revista de Educação, 1(28), 23-47.

Pedro, N., & Peixoto, F. (2006). Satisfação profissional e auto-estima em professores do 2.º e 3.º ciclo do ensino básico. Análise Psicológica, 2(24), 247-262.

Pontes, M. C. (2013). A escola como veículo de motivação e desenvolvimento dos alunos (Dissertação de mestrado não publicada). Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Rocha, T. I. (2015). O papel moderador de algumas características sócio-demográficas na relação entre a regulação emocional e o bem-estar: Um estudo com trabalhadores portugueses (Dissertação de mestrado não publicada). Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal.

Schlossberg, N. K. (1981). A model for analyzing human adaptation to transition. SAGE, 9, 2-18.

Schubert-Irastorza, C., & Fabry, D. (2011). Improving student´s satisfaction with online faculty performance. Journal of Research in Innovative Teaching, 4, 168-179.

Sikes, P. J. (1985). The life cycle of the teacher. In S. Ball & I. Goodson (Eds.), Teacher´s lives and careers (pp. 27-62). Philadelphia: The Falmer Press.

Silva, E., & Murgo, C. (2014). Autoeficácia e bem-estar subjetivo: Análise de uma proposta de intervenção com professores do Ensino Fundamental (Relatório científico não publicado). Universidade do Oeste Paulista, Brasil.

Soares, D. M. (2014). Visão alargada da satisfação profissional de professores do 1.º e do 2.º CEB face às suas condições de trabalho (Dissertação de mestrado não publicada). Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real, Portugal.

Sousa, E. M. (2013). Satisfação com a vida, afetos positivos e negativos: Evidências de validade e precisão de escalas propostas por Diener (Dissertação de mestrado não publicada). Universidade Federal do Ceará, Brasil.

Stoer, S. R. (1983). A reforma de Veiga Simão no ensino: Projecto de desenvolvimento social ou “disfarce humanista”? Análise Social, 19(77), 793-822.

Super, D. E. (1974). Career counseling in an industrial society. Canadian Counsellor, 8(4), 218-232.

Toscano, P. C. (2012). Acompanhamento do professor principiante em sala de aula: Estudo de caso (Dissertação de mestrado não publicada). Escola Superior de Educação João de Deus, Lisboa, Portugal.

Vieira, C., & Relvas, A. (2003). A(s) vida(s) do professor: Escola e família. Coimbra, Portugal: Quarteto.

Watson, A., Hatton, N., Squires, D., & Soliman, I. (1991). School staffing and the quality of education: Teacher adjustment and satisfaction. Teaching and Teacher Education, 7(1), 63-77.

Publicado
2019-12-19
Como Citar
Furtado, S. C. O., & Medeiros, T. (2019). Satisfação Profissional dos Professores em Pré-Reforma: Professional Satisfaction of Teachers in Pre-Retirement. Revista Portuguesa De Educação, 32(2), 24-39. https://doi.org/10.21814/rpe.14153
Secção
Artigos