Reformas do Estado e políticas públicas: trajetórias de democratização e privatização em educação. Brasil e Portugal, um diálogo entre pesquisas

  • Fátima Antunes CIEd/Instituto de Educação Universidade do Minho
  • Vera Peroni Universidade Federal do Rio Grande do SUL

Resumo

A partir de trajetórias concretas de investigações empíricas, o artigo debate como o Estado se relaciona com o setor privado em educação e quais as implicações para a democratização e o direito à educação, no Brasil e em Portugal. Analisa-se os modos e os sentidos em que o Estado assume novos papéis, em alguns casos financiando, enquanto em outros o financiamento é privado, em alguns casos permanecendo o poder público no controlo e em outros assumindo o privado a direção e o controlo das políticas. Nesse sentido, à crescente centralidade da educação nas políticas públicas parece corresponder, entre outros fenómenos, uma ampliação das respostas e das populações abrangidas acompanhada da multiplicação das modalidades de privatização e de mercadorização da educação. Conclui-se que a lógica mercantil tem participado ativamente na direção e execução das políticas educacionais, com graves consequências para o processo de democratização.


Palavras-chave: Redefinições no papel do Estado; Políticas educacionais; Gerencialismo; Mercadorização da educação; Direito à educação

 

ABSTRACT

On the basis of concrete empirical research trajectories, the article addresses how the State relates to the private sector regarding education, and what the implications to democratization and the right to education in Brazil and Portugal are. The ways and the meanings in which the State takes on new roles are analysed, keeping public funding in some cases, whereas in others the funding is private; in some situations public power remains in control and in others private actors take the direction and control of the policies. In this sense, the growing centrality of education in public policies seems to correspond, among other phenomena, to an expansion of educational responses and of the populations concerned, accompanied by the multiplication of the modalities of privatization and commodification of education. It is concluded that the market logic has actively participated in the direction and execution of educational policies, with serious consequences for the process of democratization.


Key-words: Redefinition of the role of the State; educational policies; marketization of education; the right to education; managerialism

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.

Referências

Adrião, T. (2014). Escolas charters nos EUA: Contradições de uma tendência proposta para o Brasil e suas implicações para a oferta da educação pública. Educação e Filosofia, 28, 263-282.

Adrião, T., & Garcia, T. (2014). Subsídio público ao setor privado: Reflexões sobre a gestão da escola pública no Brasil. Revista Políticas Educativas, 7(2) , 110-122.

Adrião, T., & Peroni, V. (2010). Análise das consequências de parcerias firmadas entre municípios brasileiros e a Fundação Ayrton Senna para a oferta educacional (Relatório de pesquisa não publicado).

Adrião, T., Garcia, T., Borghi, R., & Arelaro, L. (2009).Uma modalidade peculiar de privatização da educação pública: A aquisição de ‘sistemas de ensino’ por municípios paulistas. Educação & Sociedade, 30(108), 799-818.

Afonso, A. J. (1998). Políticas educativas e avaliação educacional. Para uma análise sociológica da reforma educativa em Portugal (1985-1995). Braga: Universidade do Minho.

Antunes, F. (2001). Os locais das Escolas Profissionais: Novos papéis para o Estado e a europeização das políticas educativas. In S. R. Stoer, L. Cortesão, & J. A. Correia (Orgs.), Transnacionalização da educação. Da crise da educação à ‘educação’ da crise (pp. 163-208). Porto: Afrontamento.

Antunes, F. (2004). Políticas educativas nacionais e globalização. Novas instituições e processos educativos. O subsistema de Escolas Profissionais em Portugal (1987-1998). Braga: Universidade do Minho.

Antunes, F. (2013). Reforma do Estado e políticas públicas: A governação em ação. Notas de um estudo no campo da educação e formação de adultos em Portugal. In V. Peroni (Org.), Redefinições das fronteiras entre o público e o privado: Implicações para a democratização da educação (pp. 82-119). Brasília: Liber Livro Editora.

Antunes, F., & Sá, V. (2014). Cursos de educação e formação, política e pedagogia da educação universal: Histórias em torno do saber e do poder na escola. In M. L. P. Almeida, L. W. Boneti, & T. Pacievitch (Orgs.), O social e as políticas educacionais na contemporaneidade: Das desigualdades à violência no espaço educacional (pp. 207-245). Campinas: Mercado de Letras.

Antunes, R. (1999). Os sentidos do trabalho: Ensaios sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo Editorial.

Ball, S. (2012). Global education INC. New policy networks and the neo-liberal imaginary. Londres: Routledge. Ball, S., & Junemann, C. (2012). Networks, new governance and education. Bristol: Policy Press.

Ball, S., & Olmedo. A. (2013). A "nova" filantropia, o capitalismo social e as redes de políticas globais em educação. In V. Peroni (Org.), Redefinições das fronteiras entre o público e o privado: Implicações para a democratização da educação (pp. 33-47). Brasília: Liber Livro.

Barbier, J.-M. (1995). Tendances d’évolution de la formation et place du partenariat. In D. Zay & A. Gonnin-Bolo (Orgs.), Établissements et partenariats. Stratégies pour des projects communs (pp. 43-54). Paris: Institut National de Recherche Pédagogique.

Bernardi, L., Uczak, L., & Rossi A. (2015). Do Movimento ‘Todos pela Educação’ ao Plano de Ações Articuladas e Guia de Tecnologias: Empresários interlocutores e clientes do Estado. Trabalho apresentado na ANPAE/Sul, UDESC, Florianópolis, Brasil.

Bittencourt, J., & Oliveira, M. F. (2013). A influência das consultorias internacionais nas decisões das políticas educacionais no Brasil. In V. Peroni (Org.), Redefinições das fronteiras entre o público e o privado: Implicações para a democratização da educação (pp. 175-197). Brasília: Liber Livro.

Borowsky, F. (2013). A relação entre a educação pública e a privada na Educação Especial brasileira. In V. Peroni (Org.), Redefinições das fronteiras entre o público e o privado: Implicações para a democratização da educação (pp. 308326). Brasília: Liber Livro. Brasil.

Ministério da Educação/Secretaria de Educação Básica (2011a). Guia de tecnologias educacionais 2011/12. Brasília: Ministério da Educação.

Buchanan, J. M., MacCormick, R., Tollison, R. D., & Pardo, J. C. (1984). El análisis económico de lo político: Lecturas sobre la teoría de la elección pública. Madrid: Instituto de Estudios Económicos.

Caetano, M. R., & Peroni, V. (2015). Ensino Médio no Brasil e a proposta educacional do Instituto Unibanco: Considerações sobre a mercantilização da educação pública. In V. Peroni (Org.), Diálogos sobre as redefinições no papel do Estado e nas fronteiras entre o público e o privado na educação (pp. 89-107). São Leopoldo: Oikos. Cardoso, C. (2005). O público no privado e o privado no público em Portugal e na Inglaterra. In T. Adrião & V. Peroni (Eds.), O público e o privado na educação. Interfaces entre Estado e sociedade (pp. 81-117). São Paulo: Xamã.

Clarke, J., & Newman, J. (1997). The managerial State. Londres: Sage.

Comerlato, D., & Moraes, J. (2013). AlfaSol e Programa Brasil Alfabetizado: A parceria público-privada nas políticas de educação de jovens e adultos. In V. Peroni (Org.), Redefinições das fronteiras entre o público e o privado: Implicações para a democratização da educação (pp. 327-346). Brasília: Liber Livro.

Costa, A. (2012). Desigualdades sociais contemporâneas. Lisboa: Mundos Sociais.

Costa, J., Neto-Mendes, A., & Ventura, A. (2008). Xplika: Investigação sobre o mercado das explicações. Aveiro: Universidade de Aveiro.

Dale, R. (1997). The State and the governance of education: An analysis of the restructuring of the State-education relationship. In A. H. Halsey, H. Lauder, P. Brown, & A. Wells (Eds.), Education – Culture, economy and society (pp. 273282). Nova Iorque: Oxford University Press.

Dale, R. (2001). Globalização e educação: Demonstrando a existência de uma «cultura educacional mundial comum» ou localizando uma «agenda globalmente estruturada para a educação»? Educação, Sociedade & Culturas, 16, 133-169.

Estêvão, C. V. (1998). Redescobrir a escola privada portuguesa como organização: Na fronteira da sua complexidade organizacional. Braga: Instituto de Educação e Psicologia/CIEd.

Giddens, A. (1992). As consequências da modernidade. Oeiras: Celta.

Giddens, A. (2001). A Terceira Via: Reflexões sobre o impasse político atual e o futuro da social-democracia. Rio de Janeiro: Record.

Hespanha, P., Ferreira, S., & Pacheco, V. (2014). O Estado social, crise e reformas. In J. Reis (Coord.), A economia política do retrocesso. Crise, causas e objectivos (pp. 189-281). Coimbra: Almedina.

IEFP/Instituto de Emprego e Formação Profissional (2014). Relatório mensal. Execução física e financeira. Valores acumulados a 30 de setembro de 2014. Disponível em: https://www.iefp.pt/documents/10181/747525/Relatorio+de+Execu% C3%A7%C3%A3o+Financeira+setembro+2014.pdf/ 5649afcd-bec5-4397-8bfc7f062b98d71d (acesso 27 de novembro de 2014).

Jessop, B. (1995). The regulation approach, governance and post-Fordism: Alternative perspectives on economic and political change? International Journal of Human Resource Management, 24(3), 307-333.

Junemann, C., & Ball, S. (2013). ARK and the revolution of state education in England. Education Inquiry, 4(3), 423-441. Disponível em: http://dx.doi.org/10.3402/ edui.v4i3.22611

Laval, C. (2004). A escola não é uma empresa. O neo-liberalismo em ataque ao ensino público. Londrina: Ed. Planta.

Le Grand, J., & Bartlett, W. (Orgs). (1993). Quasi markets and social policy. Londres: The Macmillan Press.

Lima, L. C. (2007). Educação ao longo da vida. Entre a mão direita e a mão esquerda de Miró. São Paulo: Cortez. Marginson, S. (1997). Markets in education. St. Leonard’s, NSW: Allen & Unwin.

Newman, J., & Clarke, J. (2012). Gerencialismo. Educação & Realidade, 37(2), 353381. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S2175-62362012000200003 Nóvoa, A. (1998). Histoire & comparaison: Essais sur l’éducation. Lisboa: Educa. Peroni, V. (2003). Política educacional e papel do Estado no Brasil dos anos 90. São Paulo: Xamã.

Peroni, V. (2006). Conexões entre o público e o privado no financiamento e gestão da escola pública. Eccos – Revista Científica, 8(1), 111-132.

Peroni, V. (2011). Público/privado na Educação Especial em tempos de redefinições no papel do Estado. In M. Kassar (Org.), Diálogos com a diversidade: Sentidos da inclusão (pp. 39-60). Campinas: Mercado de Letras. Peroni, V. (2013). As relações entre o público e o privado nas políticas educacionais no contexto da terceira via. Currículo sem Fronteiras, 13(2), 234-255.

Peroni, V. (2015). Implicações da relação público-privada para a democratização da educação no Brasil. In V. Peroni (Org.), Diálogos sobre as redefinições no papel do Estado e nas fronteiras entre o público e o privado na educação (pp. 15-34). São Leopoldo: Oikos.

Peroni, V. (2016). Implicações da relação público-privada para a democratização da educação no Brasil (Tese de promoção a Professor Titular da Carreira do Magistério Superior). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil. Disponível em: https://plone.ufrgs.br/gprppe/teses

Pires, D. O. (2015). A construção histórica da relação público-privada na promoção do direito à educação no Brasil (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Reis, J. (2014). Apresentação. In J. Reis (Coord.), A economia política do retrocesso. Crise, causas e objectivos (pp. 9-19). Coimbra: Almedina.

Rhodes, R. A. W. (1996). The new governance: Governing without government. Political Studies, 44(4), 652-667. Rikowski, G. (2014). Crises in education, crises of education. Paper prepared for the Philosophy of Education Seminars at the University of London, Institute of Education, 2014-15.

Robertson, S., & Verger, A. (2012). A origem das parcerias público-privada na governança global da educação. Educação & Sociedade, 33(121), 1133-1156.

Robertson, S., Mundy, K., Verger, A., & Menashy, F. (2012). Public private partnerships in education: New actors and modes of governance in a globalizing world. London: Elgar Publishing Limited.

Rodrigues, R., & Santos, M. (2013). O programa nacional de acesso ao ensino técnico e emprego – Pronatec: Um olhar a partir das relações entre o público e o privado. In V. Peroni (Org.), Redefinições das fronteiras entre o público e o privado: Implicações para a democratização da educação (pp. 290-307). Brasília: Liber Livro.

Santos, B. S. (1990). O Estado e a sociedade em Portugal (1974-1988). Porto: Afrontamento.

Santos, B. S. (1993). Portugal: Um retrato singular. Porto: Afrontamento.

Santos, B. S. (1997). Por uma concepção multicultural de direitos humanos. Revista Crítica de Ciências Sociais, 48, 11-32.

Santos, B. S. (2001). Os processos de globalização. In B. S. Santos (Org.), Globalização. Fatalidade ou utopia? (pp. 31-106). Porto: Afrontamento.

Santos, B. S. (2005). A crítica da governação neoliberal: O Fórum Social Mundial como política e legalidade cosmopolita subalterna. Revista Crítica de Ciências Sociais, 72, 7-44.

Santos, B. S. (2012). Portugal. Ensaio contra a autoflagelação. Coimbra: Almedina.

Seixas, A. M. (2000). O ensino superior privado em Portugal: Políticas e discursos. Revista Portuguesa de Educação, 13(2), 53-79.

Stoer, S. (1994). O Estado e as políticas educativas: Uma proposta de mandato renovado para a escola democrática. Revista Crítica de Ciências Sociais, 41, 333.

Susin, M. O. (2009). A qualidade na educação infantil comunitária em Porto Alegre: Estudo de caso em quatro creches conveniadas (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Vieira, E. (1998). O Estado e a sociedade civil perante o ECA e a LOAS. Serviço Social & Sociedade, 56, 9-23.

Vilarinho, M. E. (2000). Políticas de educação pré-escolar em Portugal (1977-1997). Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

Wood, E. M. (2014). O império do capital. São Paulo: BoitempO

Publicado
2017-05-19
Como Citar
Antunes, F., & Peroni, V. (2017). Reformas do Estado e políticas públicas: trajetórias de democratização e privatização em educação. Brasil e Portugal, um diálogo entre pesquisas. Revista Portuguesa De Educação, 30(1), 181-216. https://doi.org/10.21814/rpe.7399
Secção
Artigos