Human Development in the Curriculum

A Program to Customize

Keywords: human development, citizenship and development, personal and social competences, active methodologies

Abstract

Between 2010 and 2018, at the school Colégio Pedro Arrupe (CPA), a Human development program was designed and implemented for all students from pre-school to the end of secondary school. The starting point was the school moto To be by serving (Ser a Servir), and the program was developed aiming the promotion of competences important for the relation of each person with oneself, others and the world. The article presents and explains the references, goals and methodologies of the program, as well as the relation of the program with the Nacional Strategy for Citizenship and the Citizenship and Development Course (DL 55/2018). A brief presentation of the proposals for each year is included in the end.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biography

Nuno Archer de Carvalho, Colégio Pedro Arrupe, Lisboa, Portugal

Trabalha no Colégio Pedro Arrupe onde coordenou o desenho e a implementação de um Plano de Formação Humana para todos os alunos (03 - 18 anos). Concluiu em 2015 o Mestrado em Formação Pessoal e Social (Instituto de Educação da UL), estando a realizar o Doutoramento em Psicologia da Educação. O percurso profissional está ligado à intervenção socioeducativa e comunitária, destacando-se: a coordenação do Projeto TEIP II (Agrupamento de Escolas de Apelação); apoio a projetos de intervenção socioeducativa; lecionação de Educação Moral e Religiosa Católica; ligação ao associativismo juvenil sendo fundador da Associação Mais Cidadania; formador em projetos nacionais e internacionais.

 

 

References

Antunes, M. (2008). Paideia: Educação e Sociedade. Lisboa: FCG.

APAP (2018). História. Retirado de: https://www.cjcpap.org

Aristóteles (2009). Ética a Nicómaco. Lisboa: Quetzal Editores.

Arrupe, P. (1980). Carta do P. Geral da Companhia Pedro Arrupe. In Gracos, Ideário dos Colégios da Companhia de Jesus em Portugal (pp. 1-2). Braga: AO.

Arrupe, P. (1982). Um Projeto de educação: Cartas e discursos. Braga: AO.

Azevedo, J. (2001). Avenidas de liberdade: Reflexões sobre política educativa. (3ª Edição). Porto: Asa Editores.

Benson, J. (2010). Working more creatively with groups. Oxon: Routledge.

Benson, P. L., & Scales, P. C. (2014). Developmental Assets. In R. J. R. Levesque (Ed.), Encyclopedia of Adolescence (pp. 667-683). New York: Springer.

Bettelheim, B. (1999). Psicanálise dos contos de fadas. Lisboa: Bertrand Editora.

Bíblia (2002). Bíblia Sagrada. (4ª Edição). Fátima: Difusora Bíblica.

Biesta, G. (2009). Good education in an age of measurement: On the need to reconnect with the question of purpose in education. Educ Asse Eval Acc, 21, 33-46. doi: 10.1007/s11092-008-9064-9

Bukowski, W. M. (2003). Peer relationships. In M. H. Bornstein, L. Davidson, C. M. L. Keyes & K. A. Moore, Well-being: Positive development across the life course (pp. 221-233). New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates.

Cardoso, J., Pereira, L. T., & Neves, M. J. (2016). Referencial de Educação para o Desenvolvimento. Lisboa: Ministério da Educação.

Carneiro, R. (2001). 20 Anos para vencer 20 Décadas de Atraso Educativo: Síntese do Estudo. In R. Carneiro (Dir.), O futuro da educação em Portugal: Tendências e oportunidades (Tomo 1, pp. 33-45). Lisboa: Ministério da Educação.

Carvalho, N. A. (2012). Plano de formação humana. In CPA, Projeto de Formação Humana. Lisboa: Colégio Pedro Arrupe.

Carvalho, N. A. (2015). Bem-estar psicológico e recursos contextuais e pessoais em adolescentes de uma escola particular portuguesa (dissertação de mestrado em Formação Pessoal e Social). Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, Portugal.

Carvalho, N. A. (2017a). 60 Atividades de grupo: Cidadania e desenvolvimento pessoal e social (2º ciclo). Lisboa: Leya Educação.

Carvalho, N. A. (2017b). Direção de turma: Missão (im)possível? Newsletter da Leya Educação (Dezembro). Retirado de: https://www.leyaeducacao.com/z_escola/i_356

Catalano, R. F., Berglund, M. L., Ryan J. A. M., Lonczak H. S., & Hawkins, D. (2004). Positive Youth Development in the United States: Research findings on evaluations of Positive Youth Development programs. The ANNALS of the American Academy of Political and Social Science, 591, 98-124. doi: 10.1177/0002716203260102

Coatsworth, J. D., & Sharp, E. H. (2013). Discovering positive lives and futures: Adolescent eudaimonic expression through activity involvement. In A. S. Waterman (Ed.), The best within us: Positive psychology perspectives on eudaimonia (pp. 249-267). Washington, DC: American Psychological Association.

CPA (2017). Projeto educativo do Colégio Pedro Arrupe: Uma carta de marear para o século XXI. Lisboa: Colégio Pedro Arrupe.

Craissati, D., & King, L. (2007). A human rights-based approach to education for all: A framework for the realization of children’s right to education and rights within education. New York: UNICEF & UNESCO.

Csikszentmihalyi, M. (1999). If we are so rich, why aren´t we happy? American Psychologist 54(10), 821-827. doi: 10.1037/0003-066X.54.10.821

Dantas, G. O., & Lima, T. C. (2017). Orientação Vocacional de Adolescentes em Situação de Escolha Através da Abordagem Clínica de Rodolfo Bohoslavsky. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento, 2(14), 5-21.

Decreto Lei n.º 55 (2018). Diário da República: I série, N.º 129 (06-07-2018), 2928-2943.

Delors, J. (Coord.) (1996). Educação um tesouro a descobrir. Porto: Ed. ASA.

DGE (2017a). Perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória. Lisboa: Ministério da Educação.

DGE (2017b). Estratégia nacional de educação para a cidadania. Lisboa: Ministério da Educação.

DGE (2017c). Ensino básico e ensino secundário: Cidadania e desenvolvimento. Lisboa: Ministério da Educação.

DGE (2018). Educação para a cidadania. Retirado de: http://www.dge.mec.pt/educacao-para-cidadania

Diaz-aguado, M. J. (1992.) Intervención psicoeducativa para desarrollar la tolerancia a la diversidad y la igualdad de oportunidades. In Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação (Eds.), Formação pessoal e social (pp. 53-76). Lisboa: Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação.

Erikson, E. H. (1968). Identity: Youth and crisis. New York: W. W. Norton & Company.

Erikson, E. H. (1980). Identity and the life cycle. New York: W. W. Norton & Company.

Francisco (2015). Carta Encíclica Laudato si do Santo Padre Francisco sobre o cuidado da casa comum. Lisboa: Paulus Editora.

Frankl, V. E. (2015). O homem em busca de um sentido. Alfragide: Lua de papel.

Gomes, R. (Coord.) (2002). Compass: A manual on human rights education for children. Strasbourg: Council of Europe.

ICAJE (1994). Pedagogia Inaciana: Uma abordagem prática. Lisboa: Gracos.

ICAJE (2000). Características da Educação da Companhia de Jesus. Lisboa: Gracos.

Idañez, M. J. A. (2004). Como animar um grupo. Petrópolis: Editora Vozes.

Klein, L. F. (2014). A Pedagogia Inaciana e a sua força impulsionadora: Os exercícios espirituais. Itaici - Revista de Espiritualidade Inaciana, 95, 69-82.

Lerner, R., & Lerner, J. (Coords.) (2013). The Positive Development of Youth: Comprehensive Findings from the 4-h Study of Positive Youth Development. Connecticut: National 4-H Council.

Loiola, I. (1999). Exercícios espirituais. Braga: Editorial AO.

Lopes, A. I. A. (2015). A relevância da metodologia de aprendizagem ativa e fora da sala de aula para a eficácia da Educação Ambiental (Tese de mestrado em Ecologia e Gestão Ambiental). Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, Portugal.

Lopes, J. M. (2003). Santo Inácio de Loiola, um educador do desejo. Braga: AO.

Lubac, H. (1958). O drama do humanismo ateu. Porto: Porto Editora

Magalhães, V. P. (1995). Vocação e vocações pessoais. Braga: Editorial AO.

Newman, B., & Newman, P. (2015). Development through life: A psychossocial approach. (12nd Edition). Stamford: Cengage Learning.

Pajares, F. (2006). Self-efficacy during childhood and adolescence: Implications for teachers and parents. In: F. Pajares & T. C. Urdan (Eds.), Self- efficacy beliefs in adolescentes (pp. 339-367). Greenwich, CT: Information Age Publishing.

Palmer, D. (2005). A motivational view of constructivist informed teaching: Research report. Intern. Journal of Science Education, 27(15-16), 1853–1881.

Partnership for 21st Century Learning (2015). P21 Framework Definitions. Washington, DC: P21. Retirado de: http://www.p21.org/

Pasaniuc, C., Seidler, C., Bosioc, D., & Nistor, C. (2004). Methods and techniques used in intercultural youth projects. Oradea: Life Foundation.

Pedro, A. P. (2002). Percursos de uma educação em valores em Portugal. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Peterson, C., & Seligman, M. E. P. (2004). Character strengths and virtues: A handbook and classification. New York, NY: Oxford University Press.

Petty, G. (2018). Active learning works. Retirado de: http://geoffpetty.com/for-team-leaders/downloads

Pinto, L. C. (2005). Sobre a Educação Não-Formal. Retirado de: http://www.inducar.pt/webpage/contents/pt/cad/sobreEducacaoNF.pdf

Reboul, O. (1992). Les valeurs de l’éducation (pp. 67-78). Paris: PUF.

Reboul, O. (2000). A Filosofia da educação (pp. 73-97). Lisboa: Edições 70.

Roldão, M. C., Peralta, H., & Martins, I. P. (2017). Para a construção de aprendizagens essenciais baseadas no perfil dos alunos. Lisboa: DGE/ ME

Ryff, C., & Singer, B. (2008). Know thyself and become what you are: A eudaimonic approach to psychological well-being. Jour. Happiness Studies, 9, 13-39.

Savater, F. (2007). O valor de educar. Lisboa: Dom Quixote.

SJ Educatio (2015). La excelencia humana. S.l.: Secretariado de Educación de la Compañía de Jesús.

Slavin, R. L. (2002). Operative group dynamics in school settings: Structuring to enhance educational, social and emotional progress. Group-Psychotherapy, 26(4).

Trindade, R. (2002). Experiências educativas e situações de aprendizagem. Porto: Edições ASA.

UN (2016). Human Development Report: Human Development for Everyone. United Nations: United Nations Development Programme.

UNESCO (2010). Teaching and Learning for a Sustainable Future: A multimedia teacher education programme. Paris: UNESCO.

UNICEF (2012). Global evaluation of life skills education programmes: Final report. New York: UNICEF.

WHO (2009). Skills for Health: Skills-based health education including life skills. Georgia: WHO.

Published
2019-06-29