Physics Remote Laboratory

A Kit for Acoustic and Hydrostatic Experiments

  • Thiago Costa Caetano Universidade Federal de Itajubá, Brazil
Keywords: experimental activities, remote laboratory, physics teaching, experimentation, science teaching

Abstract

Experimental activities play a key role in science education and should be used more often in the classroom. However, there are several researches that point out numerous challenges for using those activities in school, many of them related to structural issues. Taking this into account, the construction of a didactic laboratory located at Physics and Chemistry Institute, Federal University of Itajubá – Brazil, has begun a few years ago, whose collection consists entirely of experiments that can be remotely controlled through the Internet. In this work we present an experimental set developed for this laboratory meant to be used in two experiments: "Acoustics" and "Hydrostatic", two areas that present a great research potential in the Physics teaching. Each experiment is discussed separately addressing its conceptual and instrumental aspects (...)

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biography

Thiago Costa Caetano, Universidade Federal de Itajubá, Brazil

Licenciado em Física pela Universidade Federal de Itajubá, Minas Gerais, Brasil, em 2007. Mestre em Física e Matemática Aplicada com ênfase em Astrofísica, pela mesma instituição, em 2010. Doutor em Ciências com ênfase em Astronomia pelo Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo, em 2014. É professor na Universidade Federal de Itajubá desde 2010. Tem experiência em fotometria e astrofísica galáctica, área na qual tem atuado desde 2006. Atua também no desenvolvimento de tecnologias educacionais, especialmente na construção de experimentos operáveis remotamente para o ensino de Física.

References

AMARAL, E., AVILA, B. G., & TAROUCO, L. M. R. (2012). Aspectos teóricos e práticos da implantação de um laboratório virtual no OpenSim. In Brazilian Symposium on Computers in Education (Simpósio Brasileiro de Informática na Educação-SBIE).

ANDRADE, M. L. F., & MASSABNI, V. G. (2011). O desenvolvimento de atividades práticas na escola: um desafio para os professores de ciências. Ciência & Educação, 17(4), 835-854.

ARAÚJO, M. S. T., & ABIB, M. L. V. S. (2003). Atividades experimentais no ensino de física: diferentes enfoques, diferentes finalidades. Revista Brasileira de Ensino de Física, 25(2), 176-194.

ARRUDA, S. M., & LABURÚ, C. E. (1998). Considerações sobre a função do experimento no ensino de ciências. In R. NARDI (Org.), Questões atuais no ensino de ciências (pp. 53-69). São Paulo: Escrituras.

AUER, M. E., AZAD, A. K., EDWARDS, A., & JONG, T. (2018). Cyber-Physical Laboratories in Engineering and Science Education. New York: Springer.

AZEVEDO, H. L. et al. (2009). O uso do experimento no ensino da física: tendências a partir do levantamento dos artigos em periódicos da área no Brasil. In VII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Florianópolis.

BARBERÁ O., & VALDÉS, P. (1996). El trabajo práctico en la enseñanza de las ciencias: una revisión. Enseñanza de las ciencias: revista de investigación y experiencias didácticas, 14(3), 365-379.

BENDER, A. L., SBARDELOTTO, D. R., & MAGNO, W. C. (2004). Using DC motors in Physics experiments. Revista Brasileira de Ensino de Física, 26(4), 401-405.

BERANEK, L. L. (1993). Acoustics, American Institute of Physics Inc. New York: Acoustical Society of America.

BINSFELD, S. C., & AUTH, M. A. (2011). A experimentação no ensino de ciências da educação básica: constatações e desafios. In Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 8, 1-10.

BORGES, A. T. (2002). Novos rumos para o laboratório escolar de ciências. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 19(3), 291-313.

BROOKS, J., & BROOKS, M. (1999). In Search of Understanding – The Case for Constructivist Classrooms (revised edition). Virginia: Association for Supervision and Curriculum Development.

CANU, M., & DUQUE, M. (2015). Laboratorios remotos ¿ qué interés pedagógico?. In Encuentro internacional de educación en ingeniería ACOFI.

COULSON, C. A. (1977). Waves: a mathematical approach to the common types of wave motion. (2nd Edition). New York: Longman.

DELIZOICOV, D., & ANGOTTI, J. A. (1994). Metodologia no ensino de ciências. (2ª edição). São Paulo: Cortez.

DIAS, N. L., PINHEIRO, A. G., & BARROSO, G. C. (2002). Laboratório virtual de Física nuclear. Revista Brasileira de Ensino de Física, 24(2), 232-236.

DUARTE, S. E. (2012). Física para o Ensino Médio usando simulações e experimentos de baixo custo: um exemplo abordando dinâmica da rotação. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 29, 525-542.

EVEREST, F. (2001). The Master Handbook of Acoustics. New York: McGraw-Hill.

FERREIRA, N. C. (1985). As diferentes formas de atuação no laboratório. (Tese de Doutorado). Instituto de Física, Universidade de São Paulo, Brasil.

FIDALGO, A. V., ALVES, G. R., MARQUES, M. A., VIEGAS, M. C., COSTA-LOBO, M. C., HERNANDEZ, U., GARCIA-ZÚBIA, J., & GUSTAVVSSON, I. (2013). Adaptação de Laboratórios Remotos a Cenários de Ensino: Casos de Estudo com VISIR e RemotElectLab. VAEP-RITA, 1(2), 135-141.

FONSECA, M. et al. (2013). O laboratório virtual: Uma atividade baseada em experimentos para o ensino de mecânica. Revista Brasileira de Ensino de Física, 35(4), 1-10.

GIORDAN, M. (1999). O papel da experimentação no ensino de ciências. Química nova na escola, 10(10), 43-49.

GOLC (2012). GOLC – global online laboratory consortium website. Retirado de: http://www.online-lab.org/

HARPER, B., & HEDBERG, J. (1997). Creating Motivating Interactive Learning Environments: a Constructivism View. In Proceedings of Australasian Society for Computers in Learning in Tertiary Education.

HODSON, D. (1996). Laboratory work as scientific method: three decades of confusion and distortion. Journal of Curriculum Studies, 28(2), 115-135.

JESUS, V. L. B., & SASAKI, D. G. G. (2014). Vídeo-análise de um experimento de baixo custo sobre atrito cinético e atrito de rolamento. Revista Brasileira de Ensino de Física, 36(3), 3503.

KANBACH, B. G., LABURÚ, C. E., & SILVA, O. H. M. (2005). Razões para a não utilização de atividades práticas por professores de física no ensino médio. In Simpósio Nacional de Ensino de Física, 16.

LABURÚ, C. E., BARROS, M. A., & KANBACH, B. G. (2007). A relação com o saber profissional do professor de Física e o fracasso na implementação de atividades experimentais no Ensino Médio. Investigações em Ensino de Ciências, 12(3).

LARSON, R., & FARBER, B. (2004). Estatística Aplicada. (2ª Edição). São Paulo: Prentice Hall.

LEAL, S. C., FERNANDES, H., & LEAL, J. P. (2009). Laboratório virtual e-lab: uma plataforma de ensino das ciências. Proceedings of the XIII Encontro Nacional de Educação em Ciências, 24-26.

LIDE, D. R. (1991). CRC Handbook of Chemistry and Physics. 71. Boston: CRC Press.

LOPES, S. P. M. L. (2007). Laboratório de acesso remoto em Física. (Dissertação de Mestrado em Ensino da Física e da Química). Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade de Coimbra, Portugal.

MACÊDO, J. A., DICKMAN, A. G., & ANDRADE, I. S. F. (2012). Simulações computacionais como ferramentas para o ensino de conceitos básicos de eletricidade. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 29, 562-613.

MEDEIROS, A., & BEZERRA FILHO, S. (2000). A natureza da ciência e a instrumentação para o ensino da física. Ciência & Educação, 6(2), 107-117.

MEDEIROS, A., & MEDEIROS, C. F. (2002). Possibilidades e limitações das simulações computacionais no ensino da Física. Revista Brasileira de Ensino de Física, 24(2), 77-86.

MINTZES, J., WANDERSEE, J., & NOVAK, J. (2000). Ensinando Ciência para a compreensão. Lisboa: Plátano Edições Técnicas.

MORAES, R. (1993). Algumas considerações sobre o Ensino de Ciências numa perspectiva Construtivista. Revista do Ensino, 27(4), 13-17.

MOREIRA, M. A., & AXT, R. (Orgs.) (1991). Tópicos em Ensino de Ciências. Porto Alegre: Sagra.

MOREIRA, M. A., & LEVANDOWSKI, C. E. (1983). Diferentes abordagens ao ensino de laboratório. Porto Alegre: Ed. da Universidade, UFRGS.

NOVAK, J., & GOWIN, D. B. (1999). Aprender a aprender. (2ª Edição). Lisboa: Plátano, Edições Técnicas.

NUSSENZVEIG, H. M. (2002). Física Básica 2. Fluidos, oscilações e ondas, calor. (4ª Edição). São Paulo: Edgar Blucher.

OLIVEIRA, C. R. S., LIMA PEREIRA, A., OLIVEIRA, I. N., & SANTOS, H. L. (2009). Um Ambiente para a Prática Remota de Aulas Laboratoriais de Física (determinação da viscosidade de líquidos). Brazilian Journal of Computers in Education, 17(1), 43.

ORDUÑA, P. et al. (2018). The WebLab-Deusto Remote Laboratory Management System Architecture: Achieving Scalability, Interoperability, and Federation of Remote Experimentation. In M. Auer, A. Azad, A. Edwards & T. de Jong (Eds.), Cyber-Physical Laboratories in Engineering and Science Education (pp. 17-42). Cham: Springer.

OSTERMANN, F., & RICCI, T. F. (2005). Conceitos de física quântica na formação de professores: relato de uma experiência didática centrada no uso de experimentos virtuais. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 22(1), 9-35.

PENA, F. L. A., & RIBEIRO FILHO, A. (2009). Obstáculos para o uso da experimentação no ensino de Física: um estudo a partir de relatos de experiências pedagógicas brasileiras publicados em periódicos nacionais da área (1971-2006). Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 9(1), 1-13.

PINHO ALVES, J. (2000). Regras da transposição didática aplicadas ao laboratório didático. Caderno brasileiro de ensino de Física, 17(2), 174-188.

PRESS, W. H. et al. (2007). Numerical Recipes: The art of scientific computing. (3rd Edition). Cambridge, Cambridge University Press.

RAMOS, L. B. C., & ROSA, P. R. S. (2008). O ensino de ciências: fatores intrínsecos e extrínsecos que limitam a realização de atividades experimentais pelo professor dos anos iniciais do ensino fundamental. Investigações em Ensino de Ciências, 13(3), 299-331.

ROSITO, B. A. (2003). O ensino de ciências e a experimentação. In R. Moraes (Org.), Construtivismo e ensino de ciências: reflexões epistemológicas e metodológicas (pp. 195-208). Porto Alegre: EDIPUCRS.

SANDOVAL, J. S., & CUDMANI, L. C. (1992). Los laboratorios de Física de ciclos básicos universitarios instrumentados como procesos colectivos de investigación dirigida. Revista de Enseñanza de la Física, 5(2), 10-17.

SANTOS, E. I., PIASSI, L. P. C., & FERREIRA, N. C. (2004). Atividades experimentais de baixo custo como estratégia de construção da autonomia de professores de Física: uma experiência em formação continuada. In IX Encontro Nacional de Pesquisa em Ensino de Física, Jaboticatubas.

SERÉ, M., COELHO, S. M., & NUNES, A. D. (2003). O papel da experimentação no ensino da física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 20(1), 30-42.

SILVA, J. B., ROCHADEL, W., SIMÃO, J. P., & SILVA FIDALGO, A. V. (2013). Uso de dispositivos móveis para acesso a Experimentos Remotos na Educação Básica. VAEP-RITA, 1(2), 129-134.

SILVA, L. F., & ASSIS, A. (2012). Física Moderna no Ensino Médio: um experimento para abordar o efeito fotoelétrico. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 29(2), 313-324.

SILVA, N. C. (2012). Laboratório virtual de física moderna: atenuação da radiação pela matéria. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 29(3), 1206-1231.

SOUZA, A. R., PAIXÃO, A. C., UZÊDA, D. D., DIAS, M. A., DUARTE, S., & AMORIM, H. S. (2011). The Arduino board: a low cost option for physics experiments assisted by PC. Revista Brasileira de Ensino de Física, 33(1), 1-5.

STULL, R. (2017). Practical Meteorology: An Algebra-based Survey of Atmospheric Science. Vancouver, Canadá, University of British Columbia.

VILLANI, C. E. P. (2003). O papel das atividades experimentais na educação em ciências: Análise da ontogênese dos dados empíricos nas práticas discursivas no laboratório didático de física do ensino superior. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 5(2), 1-197.

WALPOLE, R. E. et al. (2009). Probabilidade e Estatística para engenharia & ciências. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

YOUNG, H. D. (2008). Física II: Termodinâmica e Ondas/Young e Freedman. (12ª Edição). São Paulo: Addison Wesley.

ZANCUL, M. C. S., (2008). O ensino de ciências e a experimentação: algumas reflexões. In A. C. Pavão & D. Freitas (Orgs.), Quanta Ciência há no Ensino de Ciências (p. 63). São Carlos-SP: Edufscar.

ZANON, L. B., & UHMANN, R. I. M. (2013). O desafio de inserir a experimentação no ensino de ciências e entender a sua função pedagógica. In XVI ENEQ/X EDUQUI (ISSN: 2179-5355).

ZUTIN D.G. (2018). Online Laboratory Architectures and Technical Considerations. In M. Auer, A. Azad, A. Edwards & T. de Jong (Eds.), Cyber-Physical Laboratories in Engineering and Science Education (pp. 5-16). Cham: Springer.

Published
2019-06-29