Contribution of Interpretive Trails in Higher Education

The Case of the Student Trail, Rio de Janeiro, Brazil

  • Marcelo Borges Rocha Centro Federal de Educação Tecnologia Celso Suckow da Fonseca/CEFET RJ, Brazil https://orcid.org/0000-0003-4472-7423
  • Roberto Luis da Silva Henrique Universidade do Estado do Rio de Janeiro/UERJ, Brazil
Keywords: interpretive trails, Tijuca National Park, environmental awareness, environmental management

Abstract

Conservation Units (UC) are important spaces in the preservation of natural ecosystems and in the maintenance of biological diversity. In this study we focus on the Tijuca National Park (TNP), an Integral Protection UC that protects the largest urban forest in the world with stretches of Atlantic Forest still preserved. The objective of the research was to investigate how the interpretative trails contribute to the formation of students in higher education. Thus, an activity on the Student Trail located in the TNP proposed, addressing socio-environmental aspects with undergraduate students in Environmental Management. Data collection carried out through semi-structured interviews carried out after the activity. The analysis took place in the light of Content Analysis. The results indicate the need to carry out more activities that bring students closer to practical knowledge in natural spaces, thus making it possible to sensitize them about the importance of environmental preservation and their performance as future professionals.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

Marcelo Borges Rocha, Centro Federal de Educação Tecnologia Celso Suckow da Fonseca/CEFET RJ, Brazil

Biólogo formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Mestre em Educação para a Saúde (UFRJ), Doutor em Ciências Biológicas (UFRJ) e Pós-doutor em Administração Pública pela Fundação Getúlio Vargas. Docente da graduação e pós-graduação do Centro Federal de Educação Celso Suckow da Fonseca e coordenador do Laboratório de Divulgação Científica e Ensino de Ciências (LABDEC). Docente permanente do Programa de Pós-graduação de Tecnologia Educacional para a Saúde (NUTES) da UFRJ. Docente do Programa de Pós-graduação em Educação, Gestão e Difusão em Biociências do Instituto de Bioquímica Médica (UFRJ).

Roberto Luis da Silva Henrique, Universidade do Estado do Rio de Janeiro/UERJ, Brazil

Graduado em Arquitetura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), graduado em Gestão Ambiental pelo Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET), mestrando do Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

References

BARDIN, L. (2009). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

BRASIL. (1934). Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil de 16 de Julho de 1934. Não substitui o publicado no DOU de 16.7.1934 - Suplemento e republicado em 19.12.1935.

BRASIL. (2000). Constituição Federal institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Lei No 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da.

CARVALHO, I. C. de M. (2008). Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. (3ª Edição). São Paulo: Cortez.

CAZOTO, J. L., & TOZONI-REIS, M. (2008). Construção coletiva de uma trilha ecológica no cerrado: pesquisa participativa em educação ambiental. Ciência & Educação, 14(2), 575-582.

COSTA, E., COSTA, I., OLIVEIRA, K. S., & MELO, A. V. (2014). Trilhas interpretativas na área verde da escola como estratégia de ensino para aprendizagem de conceitos ecológicos. Revista da SBEnBio, 7(2), 1820-1831.

GARNICA, A. (1997). Algumas notas sobre pesquisa qualitativa e fenomenologia. Interface, 1(1), 34-48.

GIL, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Editora Atlas.

GONÇALVES, M. G. (2009). Educação ambiental: planejamento e uso de trilhas ecológicas interpretativas para estudantes com deficiência intelectual. (Dissertação de Mestrado). Universidade Católica de Brasília, Brasília, Brasil.

GUALTIERI-PINTO, L., OLIVEIRA, F., ANDRADE, M., PEDROSA, H., DE SANTANA, W., & FIGUEIREDO, M. (2008). Atividade erosiva em trilhas de Unidades de Conservação: Estudo de caso no Parque Nacional da Serra do Cipó, Minas Gerais, Brasil. Revista Eletrônica E-scientia, 1(1), 34-44.

ICMBIO/MMA. (2008). Plano de Manejo do Parque Nacional da Tijuca. Brasília. Retirado de 13/04/2020 de: http://www.parquedatijuca.com.br

ICMBIO/PNT. (2016). Plano de Manejo do Parque Nacional da Tijuca. Brasília. Retirado em 01/04/2020 de: http://www.parquedatijuca.com.br

MARANDINO, M. (2002). Educação em museus: a mediação em foco. In V Encontro Aberto do Grupo de Ação Coordenada em Ensino de Ciências do Estado do Rio de Janeiro. Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, Brasil.

MEC – MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO E CULTURA - SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA. (2010). Catálogo Nacional de Cursos Superiores de Tecnologia. Brasília.

MEDEIROS, R. (2006). Evolução das tipologias e categorias de áreas protegidas no Brasil. Ambiente e Sociedade, 9(1), 42-64.

MENGUINI, F., & GUERRA, A. F. (2008). Trilhas Interpretativas: Caminhos para Educação Ambiental. In VII Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul, Eixo Educação Ambiental. Educação Ambiental, SC, Universidade do Vale do Itajaí, Brasil.

MILANO, M. S. (2001). Unidades de Conservação: Técnica, Lei e Ética para a Conservação da Biodiversidade. In A. H. BENJAMIN (Org.), Direito Ambiental das Áreas Protegidas (pp. 3-41). Rio de Janeiro: Ed. Forense Universitária.

MINAYO, M. C. de S. (1993). O desafio do conhecimento. São Paulo: Hucitec.

NEVES, D. A. F. (2003). As concepções sobre meio ambiente, educação e educação ambiental em dissertações de três universidades paulistas. In IV Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Bauru, SP, Brasil.

OIAGEN, E. R., & RODRIGUES, M. M. S. (2013). Trilhas ecológicas temáticas como ferramenta transversal para educação ambiental diante dos Parâmetros Curriculares Nacionais – PCNs. In A. A. GUIMARÃES & L. C. S. STROHSCHOEN (Orgs.), Construíndo práticas educativas no ensino superior: roteiros de atividades experimentais e investigativas (pp. 57-74). Lajeado: Univates.

PIN, J. R. O. (2014). As trilhas ecológicas como proposta pedagógica em espaços educativos não formais. (Dissertação de Mestrado). Instituto Federal do Espírito Santo, Vitória, Brasil.

PIN, J. R. O., ROCHA, M., RODRIGUES, L., & GOÉS, Y. (2018). As trilhas ecológicas como espaços de ensino de ciências: levantamento de dissertações e teses brasileiras. Revista de Educação, Ciências e Matemática, 8(2), 125-140.

REIGOTA, M. (2009). O que é educação ambiental. (2ª Edição). São Paulo: Brasiliense.

RIBEIRO, M. (2013). Análise ambiental aplicada à definição da zona de amortecimento no Parque Estadual da Pedra Branca (município do Rio de Janeiro), com base em geoprocessamento. (Tese de Doutorado em Ciências em Planejamento Energético). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

ROCHA, M. B., PASSERI, M. G., GOMES, S., & ROCHA, R. (2020). Estudos sobre Unidades de Conservação: um levantamento em periódicos brasileiros. Revista Tecnologia e Sociedade, 16(39), 132-149.

ROCHA, M. B, PIN, J. R. O, GOÉS, Y. C. B., & RODRIGUES, L. A. (2017). Contribuições de uma trilha ecológica para as percepções de meio ambiente dos estudantes. Debates em Educação Científica e Tecnológica, 7(2), 19-43.

SANTOS, M. C., FLORES, M. D., & ZANIN, E. M. (2011). Trilhas interpretativas: instrumento pedagógico e inclusivo para educação ambiental. In XVI Seminário Interinstitucional de Ensino, Pesquisa e Extensão. Campus Universitário da Unicruz, Cruz Alta, Brasil.

SAUVÉ, L. (2003). Perspectivas curriculares para la formación de formadores en educación ambiental. In Foro nacional sobre la incorporación de la perspectiva ambiental en la formación técnica y profesional (1, pp. 1-20). San Luis Potosi: UASLP.

SILVA, M. M., NETO, T. A., AZEVEDO, L. F., SCARTON, L. P., & HILLIG, C. (2012). Trilha Ecológica como prática de Educação Ambiental. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, 5(5), 705-719.

SIQUEIRA, A. E. (2013). Guia de campo do Parque Nacional da Tijuca. Rio de Janeiro: UERJ/IBRAG.

SOUZA, M. C. C. (2014). Educação Ambiental e as Trilhas: Contexto para a Sensibilização Ambiental. Revista Brasileira de Educação Ambiental, 9(2), 239-253.

TILIO NETO, P. (2010). Ecopolítica das mudanças climáticas: o ipcc e o ecologismo dos pobres. (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, Brasil.

THIOLLENT, M. (1998). Metodologia da pesquisa-ação. (8ª Edição). São Paulo: Cortez.

VASCONCELLOS, J. (1998). Avaliação da visitação pública e da eficiência de diferentes tipos de trilhas interpretativas no parque estadual Pico do Manumbi e Reserva Natural Salto Morato – PR. (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Brasil.

XAVIER, O. S., & FERNANDES, R. C. A. (2008). A Aula em Espaços Não-Convencionais. In I. P. A. VEIGA, Aula: Gênese, Dimensões, Princípios e Práticas. Campinas: Papirus Editora.

ZAGO, J. P., ROCHA, M. B., & COSTA, I. J. O. (2020). Estudo sobre percepção ambiental de visitantes no Parque Nacional da Tijuca. Research, Society and Development, 9(1), 1-24.

Published
2020-06-30