OFICINAS DE CULINÁRIA: CONTRIBUTO PARA AS PESSOAS COM DOENÇA MENTAL

Autores

  • Teresa Coelho Instituto Politécnico de Santarém https://orcid.org/0000-0002-0072-6456
  • Ricardo São João Instituto Politécnico de Santarém https://orcid.org/0000-0003-3137-0891
  • Carla Ferreira Hospital Distrital de Santarém
  • Ana Castelo Hospital Distrital de Santarém, Portugal
  • Nuno Fernandes Hospital Distrital de Santarém, Portugal
  • Marisa Martins Hospital Distrital de Santarém, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.25746/ruiips.v9.i1.24846

Palavras-chave:

autoestima, doença mental, estigma, OficINas

Resumo

O desenvolvimento de atividades com fins terapêuticos, nomeadamente oficinas, tem-se revelado importante na área da reabilitação psicossocial da pessoa com doença mental.

No âmbito do projeto IN_Cooking desenvolveu-se um estudo, com 24 indivíduos, com acompanhamento num serviço de hospital de dia de psiquiatria, que frequentaram as OficINas de Culinária, durante 6 semanas, em grupos de 6 participantes. Foram aplicadas as escalas de autoestima (RSES), do estigma na doença mental AQ-9 e do Estigma Internalizado em Pessoas com Doença Mental (ISMI) com o objetivo de avaliar e monitorizar o impacto das intervenções implementadas.

As OficINas de Culinária revelaram-se numa estratégia terapêutica com impacto positivo, com melhorias ao nível da autoestima, do estigma da doença mental e da auto-estigmatização nos participantes.

Downloads

Publicado

2021-06-21