Concentrado de Fibrinogénio na Hemorragia Obstétrica

  • Cátia Sofia Tavares Ferreira Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra-EPE, Coimbra, Portugal
  • Cláudia Alves Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra-EPE, Coimbra, Portugal
  • Joana Carvalhas Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra-EPE, Coimbra, Portugal
Palavras-chave: Complicações Hematológicas na Gravidez; Fibrinogénio; Hemorragia Pós-Parto; Perturbações da Coagulação Sanguínea

Resumo

O fibrinogénio é uma glicoproteína plasmática solúvel. É sintetizado nos hepatócitos e armazenado nas plaquetas, tem uma concentração plasmática entre 2-4,5 g/L, sendo mais alta na gravidez, e uma semivida de 4-7 dias. Funciona como um reagente de fase aguda e é determinante para uma hemóstase eficaz. Na hipofibrinogenemia, congénita ou adquirida, existem três fontes possíveis para a reposição de fibrinogénio: plasma fresco congelado, crioprecipitado e concentrado de fibrinogénio.

O concentrado de fibrinogénio tem sido utilizado para o controlo da coagulopatia, contribuindo para a menor utilização de produtos sanguíneos alogénicos na hemorragia major em vários contextos clínicos. A sua administração é uma intervenção hemostática importante e eficaz, sendo considerado um "agente hemostático universal potencial".

Durante a gravidez são observadas marcadas alterações na hemóstase. Estas alterações hemostáticas de hipercoagulabilidade são uma preparação fisiológica para as perdas sanguíneas do parto, contudo também propiciam eventos tromboembólicos.

A hemorragia obstétrica é a principal causa de morbimortalidade materna, mesmo em países desenvolvidos, sendo, ainda, a causa mais evitável de mortalidade. A hemorragia pós-parto é a sua forma mais frequente. A hemorragia massiva em obstetrícia é um evento crítico que exige uma abordagem interdisciplinar assertiva. A implementação de protocolos de gestão da hemorragia obstétrica, com algoritmos transfusionais, tem conduzido à redução da morbilidade, devendo existir em todas as Unidades Obstétricas. Os vários protocolos diferem na estratégia de ressuscitação hemostática.

A diminuição dos níveis plasmáticos de fibrinogénio parece ser um biomarcador na previsão do agravamento da hemorragia pós-parto, pelo que a administração de concentrado de fibrinogénio é uma intervenção hemostática fundamental. Ainda não existe consenso em relação aos trigger e alvo plasmáticos para reposição de fibrinogénio. As Recomendações Portuguesas da Sociedade Portuguesa de Anestesiologia de 2018 consideram hipofibrinogenemia na hemorragia pós-parto quando: 1) fibrinogénio ≤2,9 g/L; 2) FIBTEM
maximum clot firmness ≤18 mm; 3) perdas sanguíneas ≥1,5 L com hemorragia contínua e resultados laboratoriais ainda não disponíveis. A dose inicial recomendada é 25-50 mg/kg, podendo ser necessárias
doses adicionais em função da evolução clínica e/ou monitorização laboratorial.

A utilização crescente de concentrado de fibrinogénio, associada aos métodos de avaliação da competência hemostática point-ofcare modificou de forma significativa a estratégia terapêutica na hemorragia obstétrica. A correção precoce e dirigida da coagulopatia está associada a redução de componentes sanguíneos transfundidos e das complicações relacionadas. Apesar do papel inquestionável do concentrado de fibrinogénio, algumas questões estão, ainda, por definir para que exista maior precisão na terapêutica da hemorragia obstétrica.

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.

Biografias do Autor

Cátia Sofia Tavares Ferreira, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra-EPE, Coimbra, Portugal

Interna do Internato de Formação Específica de Anestesiologia, Serviço de Anestesiologia, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra-EPE, Coimbra, Portugal

Cláudia Alves, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra-EPE, Coimbra, Portugal

Assistente Hospitalar Graduada, Serviço de Anestesiologia, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra-EPE, Coimbra, Portugal

Joana Carvalhas, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra-EPE, Coimbra, Portugal

Assistente Hospitalar Graduada, Serviço de Anestesiologia, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra-EPE, Coimbra, Portugal

Referências

1. Fenger-Eriksen C, Ingerslev J, Sørensen B. Fibrinogen concentrate - a potential universal hemostatic agent. Expert Opin Biol Ther. 2009;9:1325-33. doi: 10.1517/14712590903193051.

2. Levy JH, Szlam F, Tanaka KA, Sniecienski RM. Fibrinogen and hemostasis: a primary hemostatic target for the management of acquired bleeding. Anesth Analg. 2012;114:261-74. doi: 10.1213/ANE.0b013e31822e1853.

3. Carvalhas J, Alves C, Tavares Ferreira C, Santos Silva I, Jorge Costa F, Palmira Almeida J, et al. Recomendações Portuguesas para a Abordagem Multidisciplinar da Hemorragia Obstétrica - Elaboradas por Grupo
Multidisciplinar de Consensos 2017. Rev Soc Port Anestesiol.2018;27:30-44.

4. de Lange NM, Lancé MD, de Groot R, Beckers EA, Henskens YM, Scheepers HC. Obstetric hemorrhage and coagulation: an update. Thromboelastography, thromboelastometry, and conventional coagulation tests in the diagnosis and prediction of postpartum hemorrhage. Obstet Gynecol Surv. 2012;67:426-35. doi: 10.1097/OGX.0b013e3182605861.

5. Ekelund K, Hanke G, Stensballe J, Wikkelsøe A, Albrechtsen CK, Afshari A. Hemostatic resuscitation in postpartum hemorrhage - a supplement to surgery. Acta Obstet Gynecol Scand. 2015;94:680-92. doi: 10.1111/aogs.12607.

6. Costa-Filho R, Hochleitner G, Wendt M, Teruya A, Spahn DR. Over 50 years of fibrinogen concentrate. Clin Appl Thromb Hemost. 2016;22:109-14. doi: 10.1177/1076029615601494.

7. Solomon C, Collis RE, Collins PW. Haemostatic monitoring during postpartum haemorrhage and implications for management. Br J Anaesth. 2012;109:851-63. doi: 10.1093/bja/aes361.

8. Kozek-Langenecker SA, Ahmed AB, Afshari A, Albaladejo P, Aldecoa C, Barauskas G, et al. Management of severe perioperative bleeding: guidelines from the European Society of Anaesthesiology: First update 2016. Eur J
Anaesthesiol. 2017;34:332-95. doi: 10.1097/EJA.0000000000000630.

9. Guasch E, Gilsanz F. Massive obstetric hemorrhage: Current approach to management. Med Intensiva. 2016;40:298-10. doi: 10.1016/j.medin.2016.02.010.

10. Ducloy-Bouthors AS, Susen S, Wong CA, Butwick A, Vallet B, Lockhart E. Medical advances in the treatment of postpartum hemorrhage. Anesth Analg. 2014;119:1140-7. doi: 10.1213/ANE.0000000000000450.

11. Lockhart E. Postpartum hemorrhage: a continuing challenge. Hematology Am Soc Hematol Educ Program. 2015;2015:132-7. doi: 10.1182/ asheducation-2015.1.132.

12. Carvalho M, Rodrigues A, Gomes M, Carrilho A, Nunes AR, Orfão R, et al. Interventional algorithms for the control of coagulopathic bleeding in surgical, trauma, and postpartum settings: recommendations from
the share network group. Clin Appl Thromb Hemost. 2016;22:121-37. doi: 10.1177/1076029614559773.

13. Butwick AJ, Goodnough LT. Transfusion and coagulation management in major obstetric hemorrhage. Curr Opin Anaesthesiol. 2015;28:275-84. doi: 10.1097/ACO.0000000000000180.

14. Charbit B, Mandelbrot L, Samain E, Baron G, Haddaoui B, Keita H, et al. The decrease of fibrinogen is an early predictor of the severity of postpartum hemorrhage. J Thromb Haemost. 2007;5:266-73.

15. Collins PW, Lilley G, Bruynseels D, Laurent DB, Cannings-John R, Precious E, et al. Fibrin-based clot formation as an early and rapid biomarker for progression of postpartum hemorrhage: a prospective study. Blood. 2014;124:1727-36. doi: 10.1182/blood-2014-04-567891

16. Matsunaga S, Takai Y, Nakamura E, Era S, Ono Y, Yamamoto K, et al. The clinical efficacy of fibrinogen concentrate in massive obstetric haemorrhage with hypofibrinogenaemia. Sci Rep. 2017;7:46749. doi: 10.1038/srep46749.

17. Cortet M, Deneux-Tharaux C, Dupont C, Colin C, Rudigoz RC, Bouvier-Colle MH, et al. Association between fibrinogen level and severity of postpartum haemorrhage: secondary analysis of a prospective trial. Br J Anaesth.
2012;108:984-9. doi: 10.1093/bja/aes096.

18. Collins P, Cannings-John R, Bruynseels D, Mallaiah S, Dick J, Elton C, et al. Viscoelastometric-guided early fibrinogen concentrate replacement during postpartum haemorrhage: OBS2, a double-blind randomized controlled trial. Br J of Anaesth. 2017;119:411–21. doi: 10.1093/bja/aex181.

19. Ickx B, Samama CM. Fibrinogen concentrates for post-partum haemorrhage? Do not miss the most relevant population! Br J Anaesth. 2015;114:548-50. doi: 10.1093/bja/aev033.

20. Marques S, Cabral R, Fonseca J, Pereira M, Alves C, Carvalhas J. Hemorragia massiva em obstetrícia: Princípios chave. Rev Soc Port Anestesiol. 2015;24:12-9.

21. McDonnell NJ, Browning R. How to replace fibrinogen in postpartum haemorrhage situations? (Hint: Don't use FFP!). Int J Obstet Anesth. 2018;33:4-7. doi: 10.1016/j.ijoa.2017.08.008.
Publicado
2019-04-02
Como Citar
Tavares Ferreira, C., Alves, C., & Carvalhas, J. (2019). Concentrado de Fibrinogénio na Hemorragia Obstétrica. Revista Da Sociedade Portuguesa De Anestesiologia, 28(1), 43-47. https://doi.org/10.25751/rspa.15976