Avaliação Crítica de um Estudo de Revisão Sistemática: Da Selecção à Avaliação da Qualidade dos Estudos Primários

  • Luís Filipe Azevedo 1 MEDCIDS - Departamento de Medicina da Comunidade, Informação e Decisão em Saúde, Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, Universidade do Porto, Porto, Portugal. 2 CINTESIS - Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, Porto, Portugal. 3 Centro Nacional de Observação em Dor, Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, Porto, Portugal.
  • Bernardo Sousa-Pinto 1 MEDCIDS - Departamento de Medicina da Comunidade, Informação e Decisão em Saúde, Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, Universidade do Porto, Porto, Portugal. 2 CINTESIS - Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde, Porto, Portugal.

Resumo

Os processos iniciais para execução de uma revisão sistemática passam pela definição da questão de investigação e pesquisa de estudos primários. Esta última etapa tipicamente resulta na obtenção de uma
grande quantidade de estudos, a maioria dos quais não cumprem os critérios de elegibilidade. Assim, deverá ser levado a cabo um processo de selecção dos estudos primários, de modo a identificar os estudos a incluir na revisão sistemática. O processo de selecção deverá ser sempre efectuado por dois investigadores de modo independente, e compreende duas fases – a fase de rastreio (com selecção dos registos por leitura do título e sumário) e a fase de inclusão (implicando a leitura dos textos completos dos estudos). Uma vez seleccionados os estudos primários a incluir na revisão sistemática, dever-se-á proceder à extracção dos dados e informação relevantes e à avaliação da qualidade dos mesmos. A avaliação da qualidade deverá ter por base ferramentas pré-definidas e revela-se um processo fundamental não só para aferir a qualidade da evidência existente relativamente a uma determinada questão de investigação, mas também para identificar
cuidados metodológicos a ter em futuros estudos ou para auxiliar à própria síntese qualitativa e quantitativa de evidência.

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.

Referências

1. Moher D, Liberati A, Tetzlaff J, Altman DG; PRISMA Group. Preferred reporting items for systematic reviews and meta-analyses: the PRISMA statement. BMJ. 2009;339:b2535.
2. Meng T, Zhong Z, Meng L. Impact of spinal anaesthesia vs. general anaesthesia on peri-operative outcome in lumbar spine surgery: a systematic review and meta-analysis of randomised, controlled trials. Anaesthesia. 2017;72:391-401. doi: 10.1111/anae.13702.
3. Higgins JPT, Green S (editors). Cochrane Handbook for Systematic Reviews of Interventions (chapter 8) Version 5.1.0 [accessed March 2011]. The Cochrane Collaboration, 2011. Available from: http://handbook.cochrane.org.
4. Copetti M, Fontana A, Graziano G, Veneziani F, Siena F, Scardapane M, Lucsiano G, Pellegrini F. Advances in Meta-Analysis: Examples from Internal Medicine to Neurology. Neuroepidemiology. 2014;42:59-67. doi: 10.1159/000355433.
5. Montori VM, Smieja M, Guyatt GH. Publication Bias: A Brief Review for Clinicians. Mayo Clin Proc. 2000;75(12):1284-8.
6. Lin L, Chu H. Quantifying Publication Bias in Meta-Analysis. Biometrics. 2018; 74: 785–94. doi: 10.1111/biom.12817.
7. Sterne JA, Sutton AJ, Ioannidis JP, Terrin N, Jones DR, Lau J,et al. Recommendations for examining and interpreting funnel plot asymmetry in meta-analyses of randomised controlled trials. BMJ. 2011;343:d4002. doi:
10.1136/bmj.d4002.
Publicado
2019-05-28
Como Citar
Azevedo, L. F., & Sousa-Pinto, B. (2019). Avaliação Crítica de um Estudo de Revisão Sistemática: Da Selecção à Avaliação da Qualidade dos Estudos Primários. Revista Da Sociedade Portuguesa De Anestesiologia, 28(2). https://doi.org/10.25751/rspa.17975