No espaço entre o eu e os outros: a ética como horizonte

  • Nair Rios Azevedo Unidade de Investigação Educação e Desenvolvimento – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa
Palavras-chave: Desenvolvimento, Ética, Complexidade

Resumo

O presente texto teve por base a Conferência proferida nas XV Jornadas da Prática Profissional – “Ética e Educação”, na Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Santarém (Junho de 2011). Pretende-se, aqui, defender a ideia da ética enquanto horizonte de desenvolvimento da pessoa; desenvolvimento esse que, pensado à luz do paradigma da complexidade, é visto na interdependência e complementaridade.

Ser em relação (de uns com outros) é conviver com interesses e necessidades diferenciados, no confronto de perspectivas, vontades e expectativas; é acreditar, reconhecer e mobilizar as capacidades de cada um em vista ao desenvolvimento de todos. Se o objetivo da Educação é o desenvolvimento, então importa aferir o sentido em que o caminho será percorrido. Na nossa afirmação da ética como horizonte queremos sugerir uma direção e um sentido.

Publicado
2012-12-28
Secção
Número 21 - Ética e educação