A infiltração dos saberes/poderes dos grupos subalternizados no currículo e a subversão do colonialismo e da heteronormatividade

Autores

  • Adir Casaro Nascimento Universidade Católica Dom Bosco
  • José Licínio Backes Universidade Católica Dom Bosco
  • Ruth Pavan Universidade Católica Dom Bosco

DOI:

https://doi.org/10.25755/int.1524

Palavras-chave:

Currículo, Cultura, Grupos subalternizados, Interculturalidade

Resumo

O texto, fruto das pesquisas dos autores, tem com objetivo refletir sobre como a cultura e o currículo produzidos no contexto da colonização e da heteronormatividade se articulam com os currículos escolares atuais e mostrar que, mesmo havendo uma cultura hegemônica que institui um determinado currículo e, portanto, determinadas identidades como legítimas, é possível perceber que sempre há espaços onde os grupos subalternizados subvertem, transgridem e ressignificam as práticas vistas como normais, legítimas e naturais. Trazemos algumas reflexões sobre as imbricações entre currículo e cultura, tendo como referência a interculturalidade, para em seguida mostrar algumas formas atuais de práticas discriminatórias, presentes em diferentes espaços educativos e o modo como são transgredidas e subvertidas. A pesquisa de campo foi realizada por meio de entrevistas semi-estruturadas com alunos e professores. A análise mostrou que apesar de o caráter monocultural do currículo procurar produzir identidades normais, as práticas dos grupos subalternizados colocam sob rasura todas as identidades, mostrando o caráter híbrido destas. Concluímos reafirmando que a construção de uma formação e de currículos interculturais se dá por meio da aproximação/diálogo da academia com os outros grupos culturais, sem a tradicional distinção entre sujeito epistemológico e sujeito da pesquisa, distinção arrogante que teve/tem como efeito a nomeação subalterna e que contribuiu/contribui para silenciar as vozes/identidades dissonantes.

Downloads

Publicado

2012-12-28

Edição

Secção

Número 21 - Ética e educação