Desafios do Ensino Remoto de Emergência

Da Prática à Teoria

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25755/int.20999

Resumo

A passagem de um regime letivo presencial para um processo de ensino/aprendizagem a distância, numa situação de emergência como foi o caso da pandemia COVID-19 gerou impactes a vários níveis e fez-nos pensar sobre a qualidade do tempo letivo e a diversidade de técnicas que melhor respondessem a esse fim. Inicialmente, este desafio foi sobretudo para o/as professore/as, que se viram confrontado/as com a necessidade de mudança do paradigma de educação, num curto espaço de tempo, com a utilização de recursos informáticos que não dominavam, nomeadamente a plataforma Zoom – Colibri (para sessões letivas síncronas) e com a realização de testes na plataforma Moodle. Este processo envolveu várias soluções de adaptação quer do/as estudantes quer dos/as professores/as relativamente aos conteúdos preparados para a lecionação presencial. Este artigo reporta: (1) algumas das diferentes estratégias e metodologias utilizadas em diferentes unidades curriculares da Licenciatura de Engenharia do Ambiente, com aulas teórico-práticas presenciais previstas; e (2) a opinião dos estudantes em causa, relativamente às metodologias utilizadas e/ou aos resultados alcançados. Para este efeito foi realizado e aplicado um questionário online a 28 estudantes que estiveram presentes em cada caso de estudo, que as diferentes UC contemplam (caso 1 – 10 estudantes, caso 2 – 18 estudantes). Este número perfaz a totalidade dos estudantes que frequentaram as aulas das UC. Os resultados evidenciam que o papel do(a) estudante online tem que ser mais interventivo(a) e participativo(a), com a realização de salas simultâneas e com a presença do/a professor/a como facilitador(a) e desafiador(a) da aprendizagem. Esta oportunidade serviu para limitar e reduzir o uso de PowerPoint (PPT) a momentos bem específicos da aula e utilizar o tempo letivo com estratégias diversificadas, fazendo, assim, aulas de aprendizagem ativa que no presencial eram pouco desenvolvidas. Recomenda-se a utilização de metodologias participativas com enfoque centrado no desenvolvimento de competências do estudante.

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

Durão, A., & Raposo, A. (2020). Desafios do Ensino Remoto de Emergência: Da Prática à Teoria. Interacções, 16(55), 28–40. https://doi.org/10.25755/int.20999