O conceito de “autoridade judiciária de emissão” a partir dos Processos apensos C-508/18 e C-82/19 PPU (Caso Parquet de Lübeck) e eventuais ecos na Decisão Europeia de Investigação em Portugal

Autores

  • Ana Paula Guimarães
  • Daniela Serra Castilhos
  • Mário Simões Barata

Palavras-chave:

decisão europeia de investigação, autoridade de emissão, Ministério Público, Procuradoria-Geral da República

Resumo

Na interpretação dada pelo Tribunal de Justiça da União Europeia, no caso Parquet de Lübeck, que versa matéria do mandado de detenção europeu, do conceito de “autoridade judiciária de emissão” ficam excluídas as Procuradorias por força de estas poderem ser permeáveis a influência direta ou indireta do poder executivo. Por sua vez, o Ministério Público é “autoridade de emissão” em sede de decisões europeias de investigação em matéria penal, nos termos do artigo 3.º, alínea c), da Lei n.º 88/2017, de 21 de agosto, que transpôs a Diretiva 2014/41/UE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 3 de abril de 2014. Tendo em consideração a autonomia e hierarquia do Ministério Público e o modo de nomeação e exoneração do Procurador-Geral da República, procuramos ver se o decidido no Acórdão supra referido teria alguma repercussão ao nível da competência do Ministério Público para emissão de uma decisão europeia de investigação. Concluímos em sentido negativo. O Ministério Público não depende do Ministro da Justiça, tem consagração constitucional e atribuições definidas na lei e respetivo estatuto e só pode emitir uma decisão europeia de investigação restrita aos atos processuais que são da sua competência nos termos da lei interna.

Referências

ÁLVARES, Vânia Gonçalves. 2015. O Governo da Justiça: o Conselho Superior da Magistratura. Dissertação de Mestrado em Ciência Política e Relações Internacionais. Disponível em: https://run.unl.pt/bitstream/10362/17391/1/CSMvgaFINAL.pdf.

BONAVIDES, Paulo. 2012. Teoria Geral do Estado. 9.ª ed. São Paulo: Malheiros Editores Ltda.

CANOTILHO, Joaquim José Gomes. 1999. Estado de Direito. Lisboa: Editora Gradiva, p. 1-26. Disponível em: http://www.academia.edu/download/62070363/ESTADO_DE_DIREITO_Joaquim_Jose_Gomes_Canotilho20200211-57457-1i737d4.pdf.

CANOTILHO, J. J. Gomes e MOREIRA, Vital. 2014 Constituição da República Portuguesa Anotada. Vol. II. Coimbra: Coimbra Editora.

DIAS, João Paulo, FERNANDO Paula, LIMA, Teresa Maneca. O Ministério Público em Portugal: Que papel, que lugar? Oficina do Centro de Estudos Sociais, n.º 272, 2007, pp. 1-39. Disponível em: https://www.ces.uc.pt/publicacoes/oficina/ficheiros/272.pdf.

DIAS, Jorge de Figueiredo. 2004. Direito Processual Penal, reimpressão, Coimbra: Coimbra Editora

DIAS, Jorge de Figueiredo, BRANDÃO, Nuno. 2015. Sujeitos Processuais Penais: O Tribunal. Texto de apoio ao estudo da unidade curricular de Direito e Processo Penal do Mestrado Forense da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (2015/2016). Coimbra, Disponível em: https://apps.uc.pt/mypage/files/nbrandao/1083.

FORTES, Braulio Gómez e MAGALHAES, Pedro. As eleições presidenciais em sistemas semipresidenciais: participação eleitoral e punição dos governos. Anál. Social [online]. 2005, n.º177 [citado 2020-11-10], pp.891-922. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0003-25732005000500006&lng=pt&nrm=iso.

MACCORMICK, Neil. 2008. Retórica e o Estado de Direito. Rio de Janeiro: Elsevier Editora Ltda, p. 1-17. Disponível em: https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=w6KOFUW1Sv8C&oi=fnd&pg=PR1&dq=estado+de+direito&ots=2rtFHPIEuk&sig=d09yXWwrTnaHYKY1-pZejyaiLY#v=onepage&q=estado%20de%20direito&f=false.

MARTÍN, José; NANCLARES, Pérez. La Uinón Europea como comunidade de valores: a vueltas com la crisis de la democracia e del Estado de Derecho. Revista Teoria y Realidad Constitucional, [S.l.], maio/2019, n.º 43, p. 121-159. ISSN 2174-8950. Disponível em: https://doi.org/10.5944/trc.43.2019.24401>.

QUEIROZ, Cristina. 2013. Os Poderes do Presidente da República. Coimbra: Editora Coimbra

MOURA, José Souto de. Sobre Justiça e sobre o Ministério Público, Disponível em: https://www.stj.pt/wp-content/uploads/2018/01/justicaeminpub_soutomoura.pdf.

SILVA, Maria Manuela Magalhães e ALVES, Dora Resende. 2016. Noções de Direito Constitucional e Ciência Política. Reimpressão da 2.ª edição. Lisboa: Rei dos Livros.

VAZ, Manuel Afonso; Carvalho, Raquel; Botelho, Catarina Santos; Folhadela, Inês e Ribeiro, Teresa. 2012. Direito Constitucional – O Sistema Constitucional Português. Coimbra: Coimbra Editora.

Outras referências:

Acórdão do Tribunal Constitucional n.º 305/2011, publicado no Diário da República n.º 147/2011, Série II de 2011-08-02, pp. 31760–31773.

UNIÃO EUROPEIA. Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia. Jornal Oficial da União Europeia, 2012/C, p. 326/395, 26 out. 2012. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:12012P/TXT&from=EN

Downloads

Publicado

2020-12-28

Como Citar

Guimarães, A. P. ., Castilhos, D. S., & Barata, M. S. (2020). O conceito de “autoridade judiciária de emissão” a partir dos Processos apensos C-508/18 e C-82/19 PPU (Caso Parquet de Lübeck) e eventuais ecos na Decisão Europeia de Investigação em Portugal. Revista Jurídica Portucalense, (28), 4–29. Obtido de https://revistas.rcaap.pt/juridica/article/view/21638

Edição

Secção

Investigação Científica