Perspectiva etnográfica como proposta de metodologia de ensino de sociologia

  • Patricia Bandeira de Melo Fundação Joaquim Nabuco Mestrado Profissional em Ciências Sociais para o Ensino Médio
  • Tatiane Oliveira de Carvalho Moura Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj)

Resumo

Este artigo apresenta um modelo de mediação didática para o ensino de sociologia. Efetivada em uma escola pública na cidade de São José do Belmonte, Pernambuco, Brasil, a mediação fitou o aprendizado a partir de uma pesquisa de campo feita durante a festa da Cavalgada à Pedra do Reino. Primeiro, os estudantes apropriaram-se dos conceitos de cultura, cultura popular, festa, festa popular e etnografia, e foram a campo para observar, estranhar e refletir acerca do meio do qual fazem parte, registrando suas reflexões em cadernos de campo. Nessa proposta de trabalho de perspectiva etnográfica, os alunos usaram o mundo como laboratório para compreender a sociologia. A mediação didática considerou que os discentes são investigadores críticos, protagonistas do processo de ensino-aprendizagem, na qual a palavra é dada ao educando. Eles usaram o seu contexto de existência para compreender sociologicamente o que já conheciam, mas cujos sentidos eram silenciados na estrutura social.


Palavras-chave: Mediação didática; Ensino de sociologia; Perspectiva etnográfica.

 

ABSTRACT

This article presents a didactic mediation model to teaching sociology. This mediation was applied in a public school in São José do Belmonte city, Pernambuco, Brazil, whose aim was the learning through a fieldwork during the Cavalgada à Pedra do Reino Festival. Firstly, students learned concepts as culture, popular culture, festival, popular festival and ethnography, and then they went to the field to observe, defamiliarize and reflect about their social environment, reporting their reflections in ethnographic notebooks. On this ethnographic perspective proposal, students experienced the world as a laboratory, trying to understand sociology. In the didactic mediation, students were considered as critical researchers, protagonists of the teaching-learning process, in which each one has an own narrative. They were immersed in their own social context to understand sociologically what they already knew, but which meanings were restrained in the social structure.


Keywords: Didactic mediation; Sociology teaching; Ethnographic perspective

Downloads

Dados de Download não estão ainda disponíveis.

Biografias do Autor

Patricia Bandeira de Melo, Fundação Joaquim Nabuco Mestrado Profissional em Ciências Sociais para o Ensino Médio
Ocupa atualmente o cargo de coordenadora-geral de Estudos Econômicos e Populacionais da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj). Pesquisadora associada e professora do Mestrado em Ciências Sociais para o Ensino Médio da mesma instituição, na linha de pesquisa Sociedade, Cultura e Desenvolvimento. Doutora em Sociologia pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Pernambuco (PPGS/UFPE) e mestre em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCOM/UFPE). Dedica-se principalmente aos seguintes temas: comunicação, mídia, consumo e cultura em interface com educação em sentido amplo. Foi coordenadora nacional do Grupo de Trabalho Teoria e Temas Emergentes da União Latina de Economia Política da Comunicação e da Cultura (Ulepicc-Br, 2012/2014). Editora da revista Cadernos de Estudos Sociais (CES) da Fundaj.
Tatiane Oliveira de Carvalho Moura, Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj)
Mestranda pela Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj) no Mestrado profissional em Ciências Sociais para o ensino médio. Graduada em Licenciatura em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Pernambuco.

Referências

Almeida, P. N. (2003). Educação lúdica: Técnicas e jogos pedagógicos. Ipiranga: Loyola.

Augé, M. (1997). Por uma antropologia dos mundos contemporâneos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Bakhtin, M. (2010). A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: O contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec.

Boas, F. (2004). Antropologia cultural. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Brandão, C. R. (1974). Cavalhadas de Pirenópolis. Goiânia: Oriente.

Brandão, C. R. (2009). Vocação de criar: Anotações sobre a cultura e as culturas populares. Cadernos de Pesquisa, 39(138), 715-745. Brasil. Ministério da Educação.

Secretaria de Educação Básica. (2006). Orientações curriculares para o ensino médio, na área de Ciências Humanas e suas tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica.

Cavalcanti, M. L. V. C. (2011). Ritual, drama e performance na cultura popular: Uma conversa entre a antropologia e o teatro. Passagens, 12, 1-11.

Cortesão, L., & Stoer, S. R. (1996). Interculturalidade e a educação escolar: Dispositivos pedagógicos e a construção da ponte entre culturas. Inovação, 9, 35-51.

DaMatta, R. (1978). O ofício do etnólogo ou como ter anthropological blues. In E. Nunes, A aventura sociológica (pp. 23-35). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Freire, P. (1987). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra. Gaspar, L. (2003). Bacamarteiros. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar (acesso em 26 jun. 2015).

Geertz, C. (2013). A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC.

Hall, S. (2003). Da diáspora: Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG.

Maia, C. M., Scheibel, M. F., & Urban, A. C. (2009). Didática: Organização do trabalho pedagógico. Curitiba: IESDE Brasil S. A.

Malinowski, B. (1976). Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo: Victor Civita.

Moura, T. O. C. (2015). Espiral do ensino: Percursos possíveis para a mediação didática de Sociologia (Dissertação de mestrado). Fundação Joaquim Nabuco, Recife.

Moura, T., Melo, P. B., & Duarte, A. (2015). A prática etnográfica na escola média: Uma proposta metodológica para a abordagem de cultura no ensino médio. In C. A. Gadea, R. M. Leistner, S. Acosta, & A. G. Estivalet (Orgs), Anais do 4º Encontro Nacional de Ensino de Sociologia na Educação Básica (v. 1, pp. 1-19). São Leopoldo: ENESEB.

Newton Júnior, C. (2003). Vida de Quaderna e Simão. Recife: EDUFPE.

Oliveira, A. (2012). Etnografia na escola? Cultura e pesquisa. In F. Carniel & S. Feitosa (Orgs.), A Sociologia em sala de aula: Diálogos sobre o ensino e suas práticas (pp. 86-99). Curitiba: Base Editorial.

Peirano, M. (2014). Etnografia não é método. Horizontes Antropológicos, 20(42), 377391.

Peirano, M. (1999). Antropologia no Brasil (alteridade contextualizada). In S. Miceli, O que ler na ciência social brasileira (pp. 225-266). São Paulo: Editora Sumaré: ANPOCS; Brasília, DF: CAPES. Pernambuco.

Secretaria de Educação. (2013). Parâmetros Curriculares de Filosofia e de Sociologia – Ensino Médio. Recife: Secretaria de Educação.

Pimenta, R. D. (2013). Sociologia no ensino médio: Resgatando a pesquisa como princípio educativo. In Anais do 3º Encontro Nacional sobre o Ensino de Sociologia na Educação Básica (v. 1, pp. 1-13). Fortaleza: ENESEB. Sáez, O. C. (2013). Esse obscuro objeto de pesquisa: Um manual do método, técnicas e teses em Antropologia. Ilha de Santa Catarina: Edição do Autor.

Silva, A. S. (2000). Cultura e desenvolvimento: Estudos sobre a relação entre ser e agir. Oeiras: Celta.

Stoer, S. R., & Araújo, H. C. (2000). Escola e aprendizagem para o trabalho num país da (semi)periferia europeia. Porto: Instituto de Inovação Educacional. Suassuna, A. (2010). Romance d’A Pedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-eVolta. Rio de Janeiro: José Olympio.

Valente, W. (1963). Misticismo e religião (aspectos do sebastianismo nordestino). Recife: Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais.

Publicado
2017-05-19
Como Citar
Melo, P., & Moura, T. (2017). Perspectiva etnográfica como proposta de metodologia de ensino de sociologia. Revista Portuguesa De Educação, 30(1), 107-133. https://doi.org/10.21814/rpe.7400
Secção
Artigos