Um olhar estrangeiro, sete anos depois, sobre o processo criativo da Companhia do Chapitô, do Teatro Meridional e do Visões Úteis

Autores

  • Nara Keiserman Escola de Teatro da UNIRIO - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Brasil)

Resumo

Este artigo refere-se ao projecto de pós-doutoramento sobre "Aspectos da cena narrativa contemporânea portuguesa", desenvolvido na Universidade de Lisboa em 2010. O estudo observou os processos de criação de duas peças de teatro, Cemitério dos Prazeres pela Companhia do Chapitô, e 1974, pelo Teatro Meridional, estando ambos os grupos sediados em Lisboa. O Visões Úteis, sediado no Porto, não estava a ensaiar na altura, pelo que a linha de pesquisa escolhida foi a de analisar as suas peças anteriores mais significativas, bem como as que estavam no repertório naquele momento. Embora existam diferenças bastante notáveis entre as línguas e abordagens trabalhadas por cada um dos três colectivos, um aspecto comum que se destaca nos três é a predominância de um modo de criação improvisada, em que os actores, a diferentes níveis, se tornam co-criadores da cena.

 

COMPANHIA DO CHAPITÔ / TEATRO MERIDIONAL / VISÕES ÚTEIS / TEATRO PORTUGUÊS CONTEMPORÂNEO / PROCESSO CRIATIVO

Downloads

Publicado

2019-03-19

Como Citar

Keiserman, N. (2019). Um olhar estrangeiro, sete anos depois, sobre o processo criativo da Companhia do Chapitô, do Teatro Meridional e do Visões Úteis. Sinais De Cena, (3), 194–209. Obtido de https://revistas.rcaap.pt/sdc/article/view/17499

Edição

Secção

Estudos aplicados