Antídoto e método: práticas de investigação artística em contexto coreográfico

Autores

  • Sílvia Pinto Coelho ICNOVA - Instituto de Comunicação da Universidade Nova de Lisboa

Resumo

Desde 1999 que tenho acompanhado o trabalho de João Fiadeiro com alguma atenção. Partilhando os seus processos de investigação com vários colegas, colaboradores, artistas, investigadores, Fiadeiro tem sido capaz de produzir miríades de perguntas sob o guarda-chuva da Composição em Tempo Real (CTR). Como pude explorar algumas destas questões em workshops com Fiadeiro e os seus colaboradores (primeiro como estudante de dança, e mais tarde como artista e investigador, 1999-2018), acabei por utilizá-las e explorá-las mais a fundo na minha dissertação de doutoramento Body, Image, and Choreographic Thinking (2016). Uma grande parte do presente trabalho foi escrito entre 2012 e 2015 como parte deste projecto de investigação mais vasto.1 Várias práticas de investigação - tais como o CTR de Fiadeiro, os Tuning Scores de Lisa Nelson, a Composição em Tempo Real de Mark Tompkins; Modus Operandi AND, ou a prática do jogo Guest-Host (G.HOST), organizado por Eugénio e Fiadeiro, entre muitos - apresentam formas de articular estratégias de modo a criar novos significados e pensar com e sobre formas de agir-pensar. Este artigo tenta aumentar a capacidade que algumas destas práticas têm em si, e no discurso que produzem, de gerar a possibilidade de um antídoto para cada proposta (ou seja, a possibilidade de escapar a tendências dogmáticas que os métodos em geral revelam).

 

COMPOSIÇÃO EM TEMPO REAL / RE.AL / JOÃO FIADEIRO / AND_LAB / FERNANDA EUGÉNIO

Downloads

Publicado

2021-04-16

Como Citar

Pinto Coelho, S. (2021). Antídoto e método: práticas de investigação artística em contexto coreográfico. Sinais De Cena, (4), 40–61. Obtido de https://revistas.rcaap.pt/sdc/article/view/21857

Edição

Secção

Dossiê temático