O PROFESSOR/EDUCADOR COMO GESTOR DA AUTORIDADE E DOS AFETOS NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

Autores

  • Ana Paula Garcia
  • Maria João Cardona

DOI:

https://doi.org/10.25746/ruiips.v3.i6.14402

Resumo

Como é habitual na prática docente várias questões vão surgindo ao longo do tempo de acordo com as situações vivenciadas. Das várias questões que foram emergindo durante os estágios surgiu a necessidade de estudar qual a melhor forma de conciliar dois aspetos fundamentais do processo de ensino-aprendizagem: o afeto e a autoridade. Neste sentido foi efetuada uma pesquisa em que através da realização de entrevistas semiestruturadas a crianças e docentes do Jardim-de-Infância e do 1º Ciclo do Ensino Básico se procurou estudar: a visão dos alunos acerca do professor tendo em conta as dimensões afetiva e autoritária do seu desempenho; o papel que o professor/educador tem e/ou deve ter como gestor da autoridade e do afeto dentro da sala de aula.
A análise dos dados foi efetuada através da técnica de análise de conteúdo.
Como principais conclusões deste estudo é possível afirmar que os alunos dão tanta importância ao professor como figura de autoridade como ao professor como figura de afeto, revelando que estes dois papéis são necessários no seu processo de aprendizagem. Também os adultos entrevistados revelaram que é necessário desenvolver um trabalho que exija responsabilidade e respeito, defendendo que tanto os afetos como as regras são necessários no processo de ensino-aprendizagem das crianças, como alunos e como cidadãos.

Palavras-chave: afetividade, autoridade, relação pedagógica, aprendizagem.

Downloads

Edição

Secção

Artigos