Conflitos institucionais no âmbito da Capital Europeia da Cultura Porto 2001

Sónia Alves

DOI: https://doi.org/10.18055/Finis6964

Resumo


Embora o conflito institucional possa estimular capacidades de negociação na procura de acordos com vista à aproximação de interesses divergentes, pode também desencadear tensões e bloqueios institucionais que são resultados negativos em termos de governança urbana. O objetivo deste artigo é o de discutir o conflito institucional no âmbito de um partenariado público‑privado criado para viabilizar o acesso a financiamentos públicos. O artigo, que se baseia num estudo de caso que remonta à preparação do evento Capital Europeia da Cultura no Porto em 2001, foca a conflitualidade institucional no âmbito de um programa de revitalização económica e examina a decisão de culpa proferida pelo Tribunal da Relação do Porto, em 2013, no respeitante ao mau planeamento e coordenação das obras de requalificação urbana por parte da Sociedade Porto 2001. As conclusões deste trabalho confirmam a importância de uma melhor gestão das tensões e contradições associadas às lógicas de atuação dos diferentes atores. Confirmam, ainda, que o interesse público não é algo de cientificamente identificável, mas antes uma construção social que, num contexto de grande complexidade, requer um mais correto reconhecimento da diversidade de interesses que compõe a sociedade.


Palavras-chave


Conflito institucional; governança; revitalização económica; requalificação urbana; Capital Europeia da Cultura; Porto

Texto Completo:

PDF

Apontadores

  • Não há apontadores.


Copyright (c) 2017 Finisterra

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Diretora científica responsável: Margarida Queirós| print ISSN 0430-5027 | online ISSN 2281-4574 | © 2017 | Depósito legal nº1956/83 | Revista editada e publicada pelo Centro de Estudos Geográficos | criada pelo Open Journal System (OJS)

Open Acess   Sherpa/Romeo