Autopoiese e o Cuidado: Cuidadores Informais

Susana André, Madalena Cunha, Victor Rodrigues

Abstract


O cuidado como gestão da ajuda-poder tem como fulcro central a dinamicidade tanto dos processos históricos, quanto da natureza, assumindo-se aqui uma abordagem social, ecológica e epistemológica do cuidar (Pires, 2004).


Keywords


autopoiese; cuidado; cuidado informal

Full Text:

PDF (Português)

References


• Autopoiese (2010). In Wikipédia. Acesso em 9 de Agosto de 2010 em http://pt.wikipedia.org/wiki/Autopoiese

• Boff, L. (1999). Saber cuidar: Ética do humano: Compaixão pela terra. (4ª ed.). Rio de Janeiro: Vozes.

• Caldas, C. P. (2000). O sentido do ser cuidando de uma pessoa idosa que vivência um processo demencial. Tese de

doutorado, Escola de Enfermagem Anna Nery, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil.

• Neri, A. L., & Sommerhalder, C. (2002). As várias faces do cuidado e do bem-estar do cuidador: In A. L. Neri; M. E.

B. Pinto; C. Sommerhalder, M. R.; Perracini & D. R. Yuaso, Cuidar de idosos no contexto da família: Questões

psicológicas e sociais. Campinas: Alínea.

• Figueiredo, D. & Sousa, L. (2007, Julho). Dificuldades e fontes de satisfação percepcionadas por cuidadores

familiares de idosos dependentes com e sem demência. Comunicação apresentada no VI Congresso Europeu

Envelhecimento Activo e Saudável Para Todos os Europeus, São Petersburgo, Rússia.

• Kerr, S. M. & Smith, L. N. (2001). Stroke: An exploration of the experience of informal caregiving. Clinical

Rehabilitation, 15(4), 428-436.

• Kunzler, C. de M. (2004). Estudos de sociologia. 16, p.123-126. Araraquara. Disponível em:

seer.fclar.unesp.br/index.php/estudos/article/view/146/144 em 6 de Agosto de 2010.

• Maturana, H. (2002). Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte: G. Editora UFM.

• Maturana, H. R. & VARELA, F. J. (1980). Autopoiesis and cognition; the organization ofthe living. Boston: Reidel.

• Maturana, H. R. & Varela, F. J. (2001). A árvore do conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana. São

Paulo: Palas Athena.

• Molin, F. D. & Fonseca, T. M. G. (2008). Autopoiese e sociedade: a posição estratégica do desejo na gestão de uma

rede social. Porto Alegre: PSICO, PUCRS, v. 39, jan./mar. n.º 1: 100-105.

• Oliveira, M. A.; Queirós, C.; Guerra, M. P. (2007). O conceito de cuidador analisado numa perspectiva autopoiética:

do caos à autopoiése. Psicologia, Saúde & Doenças, 8 (2), 181-196.

• Pires, M. R. G. M. (2004). Politicidade do cuidado como referência emancipatória para a gestão de políticas de

saúde: Conhecer para cuidar melhor, cuidar para confrontar, cuidar para emancipação. Tese de doutoramento,

Universidade de Brasília, Brasil.

• Teixeira, F. (2004). Autopoiesis e identidade pessoal do si mesmo biológico ao si mesmo humano - conduta e sistema

nervoso. Coimbra: Coimbra Editora.

• Vaz, N. (1999). O ensino e a saúde: um olhar biológico. Cad. Saúde Pública, vol.15, suppl.2. Rio de Janeiro.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.