Humanization of care patients in hemodialysis programm

Cristina Maria Guedes Ferreira Moura, Helena Penaforte, Catarina Ribeiro, Catarina Sequeira, Maria Saraiva, Manuela Martins

Abstract


Introduction: The design on the privacy in hemodialysis stresses that the person is a being in the world that has various dimensions, interacts with the environment and experiences unique experiences that mark their individuality.
Objective: To identify the focus of attention on the practices of care for patients in regular hemodialysis program, guaranteeing respect for their individuality and privacy.
Methods: resorted to the qualitative approach, following the precepts of fenomenografia, using semi-structured interviews with only one open question: Patients in Hemodialysis regular program have a medical, nursing and operational assistants to ensure respect for their individuality and privacy? Twelve health professionals were interviewed to perform functions in hemodialysis units, whose analysis and interpretation of the data presented as a focus the description of the qualitatively different meanings in variation dimensions.
Results: Health care professionals reveal the preservation of the privacy of care in hemodialysis, in the care practices, translated by dimensions, physical space, body exposure, humanization of care and communication.
Conclusions: In the perceived dimensions, on the preservation of privacy during procedures on hemodialysis, healthcare professionals value the focus of attention which by their nature and sequence invoke concerns over the implementation of the procedures. Respect for individuality and privacy are considered a basic human need to be promoted and their preservation is an important care to guarantee respect for patients on regular hemodialysis.

Keywords


Privacy; Health Care; Nursing

Full Text:

PDF (Português) PDF

References


Akerlind GS, Bowden J, Green P. Learning to do phenomenography: a reflective discussion. In: Bowden, JA, Green P. Doing developmental phenomenography. Melbourne: RMIT University Press; 2005: p. 74-102.

Baggio MA, Pomatti DM, Bettinelli LA, Erdmann AL. Privacidade em unidades de terapia intensiva: direitos do paciente e implicações para a enfermagem. Rev Bras Enferm. 2011;64(1): 25-30.

Camilo P, Morais A, Fontes A, Bastos L, Ferreira A. Privacidade: condição ou critério para cuidar. Nursing. 1999;11(129): 30-6.

Carvalho MMM. A enfermagem e o humanismo. Lisboa: Lusociência; 1996.

Collière MF. Cuidar... a primeira arte da vida. 2ª ed. Loures: Lusociência; 2003.

Corbani NMS, Brêtas ACP, Matheus MCC. Humanização do cuidado de enfermagem: o que é isso?. Rev Bras Enferm. 2009;62(3): 349-354.

Ferreira, SMA, Gozzo TO, Panobianco MS, Santos MO. Barreiras na inclusão da sexualidade no cuidado de enfermagem de mulheres com câncer ginecológico e mamário: perspectiva das profissionais. Rev. Latino-Am. Enfermagem [Internet]. 2015; 23(1): 82-89.

Fortin MF, Côté, J, Filion, F. Fundamentos e etapas do processo de investigação. Loures: Lusociência; 2009.

França JRFS, Costa SFG, Lopes MEL, Nóbrega MML, França ISX. Importância da comunicação nos cuidados paliativos em oncologia pediátrica: enfoque na Teoria Humanística de Enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem [Internet].2013;21(3): 1-7.

Gasparino MC, Guirardello EB. Sentimento de invasão do espaço territorial e pessoal do paciente. Revista Brasileira de Enfermagem. 2006;59(5): 652-655.

Leino-Kilpi H, Välimäki M, Dassen T, Gasull M, Lemonidou C, Schopp A, et al. Perceptions of autonomy, privacy and informed consent in the care of elderly people in five european countries: general overview. Nursing Ethics. 2003;10(1): 19-27.

Marin MJS, Storniolo LV, Moravcik MY. A humanização do cuidado na ótica das equipes da estratégia de saúde da família de um município do interior paulista, Brasil. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 2010;18(4): 2-7.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Humaniza SUS: documento base para gestores e trabalhadores do SUS. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2006.

Morais GSN, Costa SFG, Fontes WD, Carneiro AD. Comunicação como instrumento básico no cuidar humanizado em enfermagem ao paciente hospitalizado. Acta Paul Enferm. 2009;22(3): 323-327.

Moura C. Cuidados de enfermagem à pessoa com insuficiência renal crónica terminal: Da percepção do paciente à concepção dos enfermeiros. Dissertação de mestrado, Universidade do Porto, Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar, Porto; 2006.

Organização das Nações Unidas. Declaração Universal dos Direitos Humanos. 1984.

Pietrovski V, Dall’Agnol CM. Situações significativas no espaço-contexto da hemodiálise: o que dizem os usuários de um serviço?. Rev Bras Enferm. 2006:59(5): 630-635.

Pupulim JSL, Sawada NO. Nursing care and the invasion of patients' privacy: an ethical and moral issue. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2002;10(3): 433-438.

Ribeiro LM. Humanização do espaço arquitetônico em unidade de hemodiálise. Monografia apresentada ao Curso de Especialização em Arquitetura da Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia, Brasil; 2008.

Simões M, Rodrigues M, Salgueiro N. O significado da filosofia da humanitude no contexto dos cuidados de enfermagem à pessoa dependente e vulnerável. Revista Referência. 2008;7(2ª Série): 97-105.

Soares NV, Dall´Agnol CM. Privacidade dos pacientes: uma questão ética para a gerência do cuidado em enfermagem. Acta Paul Enferm, 2011;24(5): 683-688.

Soares NV. A privacidade dos pacientes e as ações dos enfermeiros no contexto da internação hospitalar. Tese de doutoramento, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil; 2010.

Watson J. Enfermagem: ciência humana e cuidar uma teoria de enfermagem. Loures: Lusociência; 2002.

Watson J. Nursing: the philosophy and science of caring. Colorado: Associated University Press Boulder; 1985.

Woogara J. Patients’ rights to privacy and dignity in the NHS. Nursing Standard. 2004;19: 33-37.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.