DIREITOS HUMANOS NA ESCOLA

REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO BRASIL

  • José Luis de Oliveira Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUCPR; Centro Universitário Internacional - UNINTER
  • Romilda Teodora Ens Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUCPR / Brasil
  • Marciele Stiegler Ribas Centro Universitário UniSociesc
  • Eduardo Felipe Hennerich Pacheco Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUCPR / Brasil

Resumo

O presente artigo analisa as representações de estudantes do ensino médio noturno sobre Direitos Humanos na escola, a partir da produção dos dados, em uma abordagem qualitativa, de 59 estudantes do ensino médio noturno de duas escolas localizadas na cidade de Curitiba-PR. Para sistematizar e analisar os dados, inicialmente fizemos uso da análise de conteúdo (Bardin, 2011), criando categoria e subcategorias de análise e, na sequência, com o auxílio do software Iramuteq (Interface de R pour analyses Multidimensionnelles de Textes et de Questionnaires, versão 2009) obtivemos um árvore de similitude que possibilitou a triangulação dos dados e interpretação, com o aporte da Teoria das Representações Sociais (Moscovici, 1978; Jodelet, 2001). Os depoimentos dos estudantes evidenciam como a consolidação dos Direitos Humanos na escola é ainda precária, pois em suas representações são importantes, mas nem sempre efetivada, reproduzindo e aprofundando desigualdades presentes na sociedade. Apesar de acordos internacionais ratificados pelo Brasil com vista à garantia de políticas públicas educacionais, que incluam nos currículos escolares a educação em/para os Direitos Humanos, no país elas não estão efetivadas em todos os espaços e tempos escolares, como evidenciam as falas dos estudantes desta pesquisa. A efetivação e consolidação desses direitos urgem para que não se aprofundem as desigualdades no Brasil.

Publicado
2018-12-24