Ciência e arte: um caminho de múltiplos encontros

  • Alcina Maria Testa Braz da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro - Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Ensino de Ciências/IFRJ, Rio de Janeiro – Brasil
  • Ana Paula Mendes Suarez Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro - IFRJ
  • Andrea Borges Umpierre Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro - IFRJ
  • Gloria Regina Pessoa Campello Queiroz UERJ e CEFET- Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Educação
Palavras-chave: Ciência e Arte, Representações Sociais, ATLAS.ti

Resumo

A Ciência como elemento cultural consiste em uma construção humana, uma forma simbólica criada pelo homem, contendo as contradições inerentes a essa perspectiva. Essa forma simbólica, assim como outras formas simbólicas de cultura (Linguagem, Religião, Arte), possibilita ao homem interagir com o mundo e representar as imagens que estas formas lhe transmitem. O processo criativo e lúdico e o trabalho interativo consistem em pontos de convergência entre a Ciência, a Arte e a Educação. Essa relação se sustenta em um caminho de múltiplos encontros nos quais os recursos didáticos ganham novos contornos de produção e de ação, no âmbito de propostas interativas e dialógicas que trazem a Arte e a Ciência, nas trajetórias complementares do artista e do cientista, com seus temas, constructos e artefatos, como um núcleo para o desenvolvimento de novas práticas pedagógicas. O objetivo deste trabalho é partir de uma análise da relação entre Ciência e Arte, no referencial da Teoria das Representações Sociais (Moscovici, 2004), para que então seja apresentado um breve panorama sobre a relação entre os temas Ciência e Arte e a sua inserção em práticas pedagógicas a partir das narrativas de 20 professores da Educação Básica, atuantes nas escolas públicas brasileiras, Foram escolhidas, em uma primeira aproximação, escolas de uma região na qual a Arte tem papel importante na inclusão social dos alunos. Os discursos foram analisados com base na construção de redes semânticas com o suporte do software ATLAS.ti (Muhr, 1991) e as redes semânticas oriundas da análise realizada apontam para dificuldades dos docentes em enunciar comentários sobre a Arte e a Ciência de forma conjugada, sendo praticamente inexistente a percepção das duas áreas disciplinares como linguagens entrelaçadas, passíveis de serem embutidas no processo de aprendizado de forma interativa em prol do crescimento dos estudantes.

Biografias do Autor

Alcina Maria Testa Braz da Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro - Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Ensino de Ciências/IFRJ, Rio de Janeiro – Brasil
Docente e pesquisadora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro - Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Ensino de Ciências/IFRJ, Rio de Janeiro – Brasil e pesquisadora do programa Observatório de Educação - OBEDUC - CAPES
Ana Paula Mendes Suarez, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro - IFRJ
Mestranda do Programa de Pós- Graduação em Ensino de Ciências e bolsista do Projeto OBEDUC - CAPES
Andrea Borges Umpierre, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro - IFRJ
Mestranda do Programa de Pós- Graduação em Ensino de Ciências e bolsista do Projeto OBEDUC - CAPES
Gloria Regina Pessoa Campello Queiroz, UERJ e CEFET- Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Educação
Docente e Pesquisadora UERJ e CEFET- Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Educação e Programa Observatório da Educação - OBEDUC.
Publicado
2017-06-24