The experience of the climacteric period for women without children

Keywords: Climacteric period, Women’s health, Infertility, Gender identity, Femininity.

Abstract

Introduction: The climacteric period is a phase of modifications in the ovarian function that presents psychic, endocrine and somatic changes. This phase has been the subject of few studies and it has been the target of several taboos for many years.

Objectives: To understand the climacteric experience of women without children.

Methods: Exploratory descriptive study with a qualitative approach. Ten women, without children, attended in the basic health network were interviewed. The analysis of data was based on the Thematic Analysis.

Results: The following themes were developed based on the analysis: Feelings for not being mothers, Reasons for non-maternity and Forms of compensation.

Conclusions: The knowledge on the climacteric experience of women without children made it possible to recognize and understand the feelings of frustration, impotence and failure for not being mothers. Family abandonment, loneliness, stigmatization, and the reduction of social interaction are present manifestations. However, there are those women that opt for non-maternity, privileging autonomy, professional life

Author Biographies

Maria de Lourdes Malu, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", São Paulo, Brasil

Professora Associada do Departamento de Enfermagem da Faculdade de Medicina de Botucatu- UNESP(2017) . Graduação em Enfermagem pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1982), Mestrado (1993) e Doutorado (1999) em Enfermagem pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo. Pós Doc pelo Programa Nacional de Pos Doutoramento (PNPD) - Capes - Universidade Federal de São Carlos (UFSCAr). Livre docencia em 2017. Especialista e Tutora em Ativação de processos de mudanças para a formação de profissionais de saúde pelo Ministério da Saúde/FIOCRUZ/REDE UNIDA (2006-2007). Tutora no Curso de Especialização em Ativação de processos de mudanças para para formação de profissionais de saúde pela UAB/ Ministerio da Saúde/ Minsterio da Educação/ENSP (2008-2009). Coordenadora do NIAD - Botucatu - Curso de Formaçao Docente e Educaçao Profissional na área da saúde (2009-2011). No ensino a distância, atuou em 2013 no Curso de Especialização em Gestão em Saúde pela Escola Médica Virtual da Faculdade de Medicina de Botucatu e Universidade Aberta do Brasil.Bolsista Capes no Pós Doc. Atualmente é professora assistente doutora na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP de Botucatu, credenciada no programa de pós-graduação - Mestrado Profissional em Enfermagem , Mestrado Acadêmico e Doutorado do Departamento de Enfermagem da Faculdade de Medicina de Botucatu e professora responsável pela Disciplina de Educação em Saúde para o mestrado profissional , Educação e Promoção da Saúde e Saúde da Mulher para o Mestrado Acadêmico e Doutorado. Na graduação é professora na Disciplina de Enfermagem Ginecológica, Obstétrica e Neonatal, sendo responsável pela área de Ginecologia. É consultora ad hoc - Revista de enfermagem do nordeste - RENE, Psicologia em Estudo , Ciência & Saúde Coletiva, Revista Saúde Pública e Caderno de Saúde Pública. Atua como assessora FAPESP, avaliadora Institucional do INEP e na orientação de projetos na área de saúde da mulher e educação.

Maria José Zezé, Faculdade de Medicina de Marília, São Paulo, Brasil

Graduada em Enfermagem pela Universidade do Sagrado Coração (1982), Especialista em Saúde Pública, Mestrado em Enfermagem Fundamental pela Universidade de São Paulo (1995) // Doutorado em Enfermagem Fundamental pela Universidade de São Paulo (1999) // Pós-Doutorado em Ciências da Saúde pela Escola Paulista de Medicina- UNIFESP (2009). Especialista em Ativação de processos de Mudanças na Formação em Saúde pela ENSP/FIOCRUZ. Tutor Do Curso de Especialização em Formação Docente para o Ensino Médio promovido pela ENSP/FIOCRUZ.(2009 -2011) Pós-Doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Paraná (2014). Docente do Curso de Enfermagem da Faculdade de Medicina de Marília desde 1990. Atualmente atua como Docente Permanente do Programa de Mestrado Profissional Ensino na Saúde da Faculdade de Medicina de Marília, no Programa Mestrado Acadêmico Saúde e Envelhecimento da Faculdade de Medicina de Marília e no Programa de Pós-Graduação em Enfermagem (Curso de Mestrado e Doutorado) da Universidade Estadual Paulista Campos de Botucatu. Coordenadora do PET-Saúde da Faculdade de Medicina de Marília de 2010 a 2012. Coordenadora da Unidade de Ensino Trabalho de Conclusão de Curso de Enfermagem da Faculdade de Medicina de Marília. Coordenadora do Comitê Ética e Pesquisa com Seres Humanos da Faculdade de Medicina de Marília. Desenvolve pesquisa nas áreas de envelhecimento, atenção básica em saúde e processos de ensino e aprendizagem..

Lívia Orso, Faculdade de Medicina de Marília, São Paulo, Brasil

Bacharela em Enfermagem pela Faculdade de Medicina de Marília - FAMEMA (2010-2013). Programa de Pós-Graduação: Modalidade Residência Integrada Multiprofissional em Saúde, Especialidade Materno Infantil (2014-2016). Mestranda pelo Programa de Pós-graduação Mestrado e Doutorado em Enfermagem da Faculdade de Medicina de Botucatu, Unesp (2016-2018). Enfermeira no Hospital Materno Infantil (Marília).

References

Almeida, L. P. B., Menezes, T. M. O., Freitas, A. V. S., & Pedreira, L. C. (2018). Características sociais e demográficas de idosos cuidadores e motivos para cuidar da pessoa idosa em domicílio. [Social and demographic characteristics of elderly caregivers and reasons to care for elderly people at home]. REME revista mineira de enfermagem, 22, e-1074.

Badinter, E. (2011). O conflito, a mulher e a mãe. Rio de Janeiro: Record.

Barbosa, P. Z., & Rocha-Coutinho, M. L. (2012). Being a woman nowadays: the perception of women who do not want to have children. Psicologia & Sociedade, 24(3), 577-587.

Brasil. (2008). Manual de atenção à mulher no climatério / menopausa. Brasília: Ministério da Saúde.

Braun, V., & Clarke, V. (2006). Using thematic analysis in psychology. Qualitative Research in Psychology, 3(2), 77-101. doi:10.1191/1478088706qp063oa

Cardoso, M. R., & Camargo, M. J. G. (2015). Percepções sobre as mudanças nas atividades cotidianas e nos papéis ocupacionais de mulheres no climatério. [Perceptions on daily activities changes and occupational roles of women in climacteric stage]. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, 23(3), 553-569.

Del Priore, M. (2001). Magia e medicina na colônia: o corpo feminino. In M. Del Priore & C. Bassanezi (Eds.), História das mulheres no Brasil (pp. 78-114). São Paulo: Contexto.

Fidelis, D. Q., & Mosmann, C. P. (2013). A não maternidade na contemporaneidade: um estudo com mulheres sem filhos acima dos 45 anos. Aletheia(42), 122-135.

Gomes, A. V. M., Costa Silva, D. R., Franco de Sá, M. A. A., & Oliveira, M. C. B. (2017). Políticas públicas de atenção á saúde da mulher: uma revisão integrativa. Revista Interdisciplinar Ciências e Saúde, 4(1), 26-35.

Gradvohl, S. M. O., Osis, M. J. D., & Makuch, M. Y. (2014). Maternidade e formas de maternagem desde á Idade Média á atualidade. Pensando Famílias, 18(1), 55-62.

Heras Pérez, B., Gobernado Tejedor, J., Mora Cepeda, P., & Almaraz Gómez, A. (2011). La edad materna como factor de riesgo obstétrico. Resultados perinatales en gestantes de edad avanzada. Progresos de Obstetricia y Ginecología, 54(11), 575-580. doi:10.1016/j.pog.2011.06.012

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2011). Sinopse do Censo demográfico 2010. Retrieved from http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/sinopse.pdf

Lima, M. G. R. (2013). Filho? Só depois! Um retrato da mulher contemporânea. São Paulo: Zagodoni.

Lopes, M. N., Dellazzana-Zanon, L. L., & Boeckel, M. G. (2014). A multiplicidade de papéis da mulher contemporânea e a maternidade tardia. Temas em Psicologia, 22(4), 917-928.

Lorenzi, D. R. S., Catan, L. B., Moreira, K., & Ártico, G. R. (2009). Assistência à mulher climatérica: novos paradigmas. Rev Bras Enferm, 62(2), 287-293.

Mazzetto, F. M. C., Ferreira, M. L. S. M., Marin, M. J. S., & Orso, L. F. (2018). Os sentidos do climatério para as mulheres sem filhos. Paper presented at the 7º Congresso Ibero Americano de Investigação Qualitativa, Fortaleza.

Minayo, M. C. S. (2017). Amostragem e saturação em pesquisa qualitativa: consensos e controvérsias. Revista Pesquisa Qualitativa, 5(7), 1-12.

Organização das Nações Unidas. (2014). Mundo terá 2 bilhões de idosos em 2050; OMS diz que 'envelhecer bem deve ser prioridade global'. Retrieved from https://nacoesunidas.org/mundo-tera-2-bilhoes-de-idosos-em-2050-oms-diz-que-envelhecer-bem-deve-ser-prioridade-global/

Patias, N. D., & Buaes, C. S. (2012). "Tem que ser uma escolha da mulher"!representações de maternidade em mulheres não-mães por opção. Psicologia & Sociedade, 24(2), 300-306.

Resolução n. 510. (2016). Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisa em Ciências Humanas e Sociais cujos procedimentos metodológicos envolvam a utilização de dados diretamente obtidos com os participantes ou de informações identificáveis ou que possam acarretar riscos maiores do que os existentes na vida cotidiana, na forma definida nesta Resolução. Brasília: Diário Oficial da União.

Silva Filho, E. A., & Costa, A. M. (2008). Avaliação da qualidade de vida de mulheres no climatério atendidas em hospital-escola na cidade do Recife, Brasil. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 30(3), 113-120.

Torres, J. D., Paula Ribeiro, V., Torres, S. A. S., Vieira, G. D., Paula, R., Barbosa, G. P., . . . Teles, M. A. B. (2018). The motherhood meanings for adolescents assisted by the family health strategy. Journal of Research Fundamental Care, 10(4), 1008-1013.

Videla, C. F., & Muñoz, A. V. (2018). Vivencias de usuarias lesbianas sobre el proceso de atención perinatal en la región metropolitana, Chile en 2016. Interface (Botucatu), 22(66), 777-787.

Vázquez, G. G. H. (2016). Memórias de uma ausência: mulheres sem filhos e suas narrativas sobre maternidade no Paraná do século XX. Revista de História Regional, 21(2), 338-363.

Published
2019-09-30
Section
Life and Healthcare Sciences