Espaços Íntimos e Espaços Públicos na Narrativa de Joaquim Manuel de Macedo (1820-1882)

  • Maikely Teixeira Colombini
  • Joelma Santana Siqueira

Abstract

No presente trabalho monográfico, o nosso objetivo foi analisar os espaços privados e públicos nas obras A Moreninha (1844) e O Moço Loiro (1845), de Joaquim Manuel de Macedo, como espaços fenomenológicos e sociais que demarcam modos de agir e de ser dos personagens, buscando investigar se a análise desses espaços confirma ou nega a observação recorrente sobre a pequena importância social da obra do escritor. De fato, se analisarmos o romance com os olhos críticos daqueles que buscaram ver nele o realismo da escola realista ou o da escola modernista, é possível que ele seja apontado como menor, superficial, piegas em razão do sentimentalismo, da representação dos costumes e da ausência de aprofundamento na psicologia dos personagens. No entanto, é preciso observá-lo, como disse Campedelli, na perspectiva do passado, na perspectiva da visão romântica que não se encerra na pura expressão da emoção, mas também na tomada de consciência da estilização da emoção por parte do artista.

References

Do autor:

- Macedo, Joaquim Manuel de (2008). A Moreninha. São Paulo: Nobel. (1ª Ed. 1844).Também se encontra disponível, em outra edição, em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ua00132a.pdf>. Acesso em 03/11/2010.

- Macedo, Joaquim Manuel de (2004a). O moço loiro. São Paulo: Ática. (1ª Ed. 1845).Também se encontra disponível, em outra edição, em: <http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/bn000095.pdf>. Acesso em 03/11/2010.

- Macedo, Joaquim Manuel de (2004b). Um passeio pela cidade do Rio de Janeiro. São Paulo: Editora Planeta do Brasil; Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional (Biblioteca invisível; 2) (1ª Ed. 1962-63). Também se encontra disponível, em outra edição, em: <http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/sf000070.pdf>. Acesso em 03/11/2010.

- Macedo, Joaquim Manuel (2005). Memórias da Rua do Ouvidor. Brasília: Edições do Senado Federal. Disponível em <http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/sf000051.pdf>. Acesso em 03/11/2010.

Teóricos e críticos:

- Almeida, Thomaz Leandro (2008). Recepção crítica da prosa ficcional de Joaquim Manuel de Macedo. In: Márcia Abreu (Org.). Trajetórias do romance - circulação, leitura e escrita nos séculos XVIII e XIX. Campinas - SP: Mercado de Letras.

- Amora, Antônio Soares (1963). A Literatura Brasileira - O Romantismo. São Paulo: Cultrix.

- Andrade, Mário de (1987). Pequena História da Música. Belo Horizonte: Itatiaia.

- Argan, Giulio Carlo (1995). História da Arte como história da cidade. Trad. Píer Luigi Cabra. São Paulo: Martins Fontes.

- Assis, Machado de (1994). Notícia da Atual Literatura Brasileira: Instinto de Nacionalidade. In: Machado de Assis. Obras Completas, vol. III. Rio de Janeiro: Editora Nova Aguilar.

- Auerbach, Eric (2004). Mimesis. São Paulo: Perspectiva.

- Alencastro, Luis Felipe de (1997). História da vida privada no Brasil. Império – a corte e a modernidade nacional. São Paulo: Companhia das Letras.

- Bachelard, Gaston (2008). A Poética do Espaço. Rio de Janeiro: Eldorado.

- Barsted, Leila Linhares (1987). Permanência ou mudança? O discurso legal sobre a família. In: Ângela Mendes de Almeida et al. Pensando a família no Brasil: da colônia à modernidade. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo UFRJ.

- Boechat, Maria Cecília (2005). A moreninha e a tradição cômica do Romantismo brasileiro. Revista do Centro de Estudos Portugueses, v. 25, nº 35 (jan-dez 2005). Belo Horizonte: UFMG: 123-129.

- Boechat, Maria Cecília (2008). Pela tradição interna do romance brasileiro. In: Alcmeno Bastos et al. Estudos de literatura brasileira. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG: 37-51.

- Bosi, Alfredo (1994). História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix.

- Cerqueira, Rodrigo (2010). Quando se pode amar as formas do romance e do drama em Joaquim Manuel de Macedo. In: Revista Eletrônica Literatura e Autoritarismo. Dossiê Escritas da Violência II. (Julho de 2010): 14-28. ISSN 1679-849X. Disponível em: <http://w3.ufsm.br/literaturaeautoritarismo/revista/dossie03/RevLitAut_art03.pdf>. Acesso em 03/11/2010.

 Campedelli, Samira Youssef (1987). Entre a candura e a travessura. In: Joaquim Manuel de Macedo. A moreninha. São Paulo: Círculo do Livro.

 Candido, Antônio (2009). Formação da literatura brasileira: momentos decisivos, 1750-1880. (12ª edição). Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul; São Paulo: FAPESP.

- Netto, José Teixeira Coelho (2009). A construção do sentido na arquitetura. São Paulo: Perspectiva.

- Donato, Hernani (2005). História dos usos e costumes do Brasil – 500 anos de vida cotidiana. Rio de Janeiro: Melhoramentos.

- DaMatta, Roberto (1987). A família como valor: considerações não-familiares sobre a família brasileira‖. In: Ângela Mendes Almeida et al. Pensando a família no Brasil: da colônia à modernidade. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo UFRJ.

- DaMatta, Roberto (1997). A casa e a rua: espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. São Paulo: Editora Brasiliense.

- D‘Incao, Maria Ângela (2004). Mulher e família burguesa. In: História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto.

- Fernandes, Antônio Teixeira (1992). Espaço social e suas representações. Comunicação apresentada no VI Colóquio Ibérico de Geografia. Porto, 14-17 de Set. de 1992. Disponível em . Acesso em 03/11/2010. • Goeze, Jojann Melchior (2009). Breves mas necessárias considerações sobre Os sofrimentos do jovem Werther e uma resenha do mesmo. In: Franco Moretti. A cultura do romance. São Paulo: Cosac Naify.

- Lima, Adson Cristiano Bozzi Ramatis (2008). A relação entre a arquitetura e a literatura a partir da crítica, da história e da teoria. Arquiteturarevista, Vol. 4, n° 2 (jul.-dez. 2008): 8-16. Disponível em <http://revistas.unisinos.br/index.php/arquitetura/article/view/5467>. Acesso em 03/11/2010.

- Pesavento (1999). O imaginário da cidade. Porto Alegre: UFRGS.

- Pedruzzi, Tiago (2007). O Rio de Janeiro sob a pena de Joaquim Manuel de Macedo. Revista eletrônica de crítica e teoria de literaturas. Vol. 3, n.°1. Dossiê: a cidade na crônica (jan-jul 2007). Porto Alegre: UFRGS. Disponível em: . Acesso em 03/11/2010.

- Roncari, Luiz (2002). Literatura brasileira. Dos primeiros cronistas aos últimos românticos. São Paulo: Edusp.

- Sant‘Anna, Affonso Romano de (1979). Análise estrutural de romances brasileiros. São Paulo: Vozes.

- Serra, Tania Rebelo Costa (2004). Joaquim Manuel de Macedo ou os dois Macedos. A luneta mágica do II Reinado. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

- Siqueira, Joelma Santana (2013). Travessuras de um narrador romântico. In: Revista O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Vol. 22, Nº 2: 191-206. Disponível em <http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/o_eixo_ea_roda/article/view/5389/4793>. Acesso em 28/09/2010.

- Souza, Jesse (2001). A sociologia dual de Roberto da Matta: descobrindo nossos mistérios ou sistematizando nossos auto-enganos? In: Revista Brasileira de Ciências Sociais, Vol. 16, Nº 45 (fev. 2001): 47-67. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-69092001000100003&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em 28/09/2010.

- Todorov, Tzvetan (2003). Poética da prosa. São Paulo: Martins Fontes.

- Velho, Gilberto (1987). Família e subjetividade. In: Ângela Mendes de Almeida et al. Pensando a família no Brasil: da colônia à modernidade. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo UFRJ.

- Veríssimo, José (2007). História da literatura brasileira: de Bento Teixeira (1601) a Machado de Assis (1908). (7ª ed.). Rio de Janeiro: Topbooks.

- Watt, Ian (1990). A ascensão do romance: Estudos sobre Defoe, Richardson e Fielding. Trad. Hildegard Feist. São Paulo: Companhia das Letras.

Published
2016-02-01