Processo Ensino‐Aprendizagem: Características do Professor Eficaz

  • C. Albuquerque

Abstract

Com o objectivo de se conhecer a percepção dos dois principais intervenientes do processo ensino-aprendizagem acerca do significado de “bom professor”, consubstanciado, na prática, pelas características do professor eficaz, efectuou-se um estudo de natureza qualitativa, tendo-se recorrido à opinião de 40 alunos e 40 professores. Os depoimentos colhidos pela pesquisa de opinião, com recurso á técnica da entrevista, foram trabalhados seguindo os pressupostos da análise de conteúdo, sendo as opiniões categorizadas com o auxílio de uma matriz teórica que incorpora as seguintes dimensões: a) conhecimento específico; b) comunicação e linguagem; c) relacionamento; d) exigência; e) motivação; f) valores pessoais; g) cordialidade; h) recursos didácticos; e i) avaliação da aprendizagem.
O facto de se ter optado por docentes de diferentes níveis de ensino, levou a identificar aspectos coincidentes e divergentes entre as opiniões expressas. O mesmo se veio a verificar com a inclusão de alunos de diferentes faixas etárias, que, retratando diferentes etapas do desenvolvimento, possibilitaram um conhecimento diferenciado relativamente aos factores que caracterizam um professor eficaz, em função do nível de ensino frequentado (superior versus secundário). Permitiu também uma comparação de opiniões entre alunos e professores.
Sintetizando os resultados relativos à opinião dos professores, em função do nível de ensino onde exercem funções, podem-se identificar como aspectos importantes para reflexão: a) para os professores do ensino superior o atributo mais relevante que caracteriza um professor eficaz refere-se aos “valores pessoais”, já para os professores do ensino secundário é o “conhecimento específico”; b) a “comunicação 

e linguagem” merece evidência por parte de ambos os grupos de professores, ao ser referenciada como uma variável de significativa importância para 60% dos mesmos, independentemente do nível de ensino onde exercem funções; c) a “motivação” e a “cordialidade” são referenciadas por 40% dos professores do ensino secundário como importantes características, contrapondo a opinião dos professores do ensino superior que não lhe atribuem qualquer referência.
Uma análise global sobre o conjunto dos indicadores que, na opinião dos alunos, incorporam cada dimensão associada ao professor eficaz, permite identificar a preocupação e o reconhecimento da importância do “conviver”, do “conhecer”, e “do saber comunicar” como “os três pilares” em que assenta a qualidade do ensino/educação.

References

• Brophy, J.E., & Good, T.L. (1986). Teacher Behavior and Student Achievement. Handbook of Research on Teaching. (4ª ed.). Nova Iorque: McMillan.

• Carvalho, F. M. M. (1996). Qualidade do Ensino: Uma Proposta de Avaliação Baseada nos Atributos do Bom Professor. Dissertação de Mestrado não publicada. UFF.

• Cianflone, A.R.L. (1996). Características individuais e aprendizagem: alguns subsídios para a formação do estudante de Medicina. Medicina, 29, 414-419.

• Crahay, M. (2000). As funções da escola. Lisboa: Lusociência.

• Eble, K. (1979). The recognition and evaluation of teaching. Washington, DC: American Association of University Professors.

• Ebro, L. (1977). Instructional behavior patterns of distinguished university teachers (Doctoral dissertation, Ohio State University, 1977). Dissertation Abstracts International, 77-31, 860.

• Fitch, C. (1997). College Students Perceptions of the characteristics of effective Teachers of Deaf and hard-of-Heaning Students. New York: Rochester Institute of Technology.

• Forquin, J. (1992) Saberes escolares, imperativos didáticos e dinâmicas sociais. Teoria & Educação, n. 5, Porto Alegre, p. 28-49.

• Fukuda, C. C. e Pasquali, L. (2002). Professor eficaz: um instrumento de aferição. Avaliação Psicológica, vol.1, n.1, 01-16. Retirado em 25 de Setembro, 2010, a partir de:

http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S167704712002000100002&lng=pt&nrm=is.

• Galvão, Z. (2002). Educação física escolar: A prática do bom professor. Revista de Educação Física e Desporto. 1 (1), 65-72.

• Garchet, P.M. (2004). Salas de aula eficazes, escolas eficazes: uma base de pesquisa para reforma da Educação na América Latina. Retirado em 14 de Setembro, 2010, a partir de:

http://www.cpdoc.fgv.br/projetos/arq/Preal_Doc04.pdf

• Lopes, J.P. (2002). Gestão da sala de aula: Como prevenir e lidar com problemas de indisciplina (4ªed.). Vila Real: UTAD.

• Machado, N. J. (1997). Ensaios transversais: Cidadania e educação. São Paulo: Escrituras Editora.

• Maicas, G.S. (1996). Eficacia de la enseñanza. In Psicología de la educación. Tomo II. Madrid: Universidad Nacional de Educación a Distancia.

• Marchesi, A. & Martín, E. (2003). Qualidade do ensino em tempos de mudança. Porto Alegre: Artemed Editora

• Martins, M.M. (2004). Uma crise nas instituições. Lisboa: Universidade de Lisboa.

• Morrison, A., & McIntyrec, O. (1997). Os professores e o ensino. Rio de Janeiro:Imago.

• Passmore, J. (1980). The Philosophy of Teaching. London: Duckworth.

• Romanzini, C. D. (2002). Ensino à distância, educação à distância, aprendizagem à distância: conceitos e diferenças. Retirado em 20 de Setembro, 2010, a partir de:

http://www.api.adm.br/GRS/referencias/artigo_ucs_romanzini.ENSINO_EDUCACAO_APRENDIZAGEMpdf.

• Scheerens, J. (2004). Melhorar a eficácia das escolas. Porto: Edições ASA.

• Sheffield, E.(1974). Teaching in the Universities: No One Way. Montreal: McGillUniversity Press

• Slavin, R. E. (1986). Salas de aula eficazes, escolas eficazes: uma base de pesquisa para a reforma da educação na América Latina. Rio de Janeiro: Programa de Promoção da Reforma na América Latina.

Published
2016-02-03
Section
Articles