Criança Autista: Pais e Professores – Uma Parceria de Sucesso no Desenvolvimento de Competências

  • C. Cruz
  • C. Pereira
  • C. Ferreira
  • H. Santos
  • M. Ribeiro

Abstract

Introdução: O autismo revela-se, a nível social, através de disfunções na relação comunicacional. A nível individual, através de perturbações afectivas e do jogo imaginativo e na realização de um número de actividades restritas e repetitivas, repercutindo-se no desempenho da criança autista em meio escolar. Nesse sentido, procurámos conhecer o desempenho escolar de uma criança autista inserida no ensino regular, no contexto de uma relação de proximidade entre os pais e professores.
Métodos: Estudo de caso, qualitativo, com características fenomenológicas e inscrito no paradigma construtivista, numa amostra de 27 pessoas.
Material: Programa Informático Qualitative Solutions and Research, Non-Numerical Unstructured Data (QSR NUD*IST); Entrevistas aplicadas à amostra em estudo.
Objectivos: Perceber de que modo a perturbação autista afecta o desempenho escolar da criança;
Contribuir para a desmistificação desta patologia, promovendo uma integração plena da criança autista no ensino regular;

Provar que a colaboração entre pais e professores é primordial no desenvolvimento de competências da criança;
Resultados: A interacção social é a área mais afectada nesta criança, notando-se dificuldades no seu envolvimento em brincadeiras;
A metodologia de ensino é igual à dos colegas, conseguindo a criança acompanhar o programa escolar estabelecido;
O acompanhamento dos pais e professores é notório em todo o percurso educativo da criança.
Conclusões: Apesar das dificuldades manifestadas, o desempenho escolar desta criança é igual ou superior ao dos colegas, segundo as afirmações do professor e do pai: “Aproveitamento muito bom. A avaliação é igual à dos outros colegas, sendo o plano de estudos igual”. Consideramos, com base nos resultados do estudo, que, como em outras perturbações psicopatológicas, face ao diagnóstico, não podemos tecer generalizações. O envolvimento afectivo e acompanhamento especializado são aspectos de importância maior no desenvolvimento e prognóstico das perturbações mentais. Existem no indivíduo competências que devem ser identificadas e potencializadas, visando um maior nível de autonomia e satisfação pessoal.

References

• Alonso J. R., (2004). Autismo y Sindrome de Asperger: guia para familiares, amigos y professionales. Salamanca: Amarú Ediciones.

• American Psychiatric Association (APA) (2004). DSM-IV-TR: Manual de diagnóstico e estatística das perturbações mentais. (4ª ed. revisão de texto). Lisboa: Climepsi.

• Bardin, L. (1995). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

• Bee, Helen (2003). A criança em desenvolvimento. (9ª ed.). Porto Alegre: Artmed.

• Campos, M.C.S.C. (2003). Escola Inclusiva: Alunos com Necessidades Educativas Especiais. Viseu, Instituto Piaget.

• Carvalho, P. (2003). Reflectir a Integração. Viseu: Instituto Piaget.

• Dias, Joaquim Colôa (1999). A problemática da relação família, escola e a criança com necessidades educativas especiais. Lisboa, Secretariado Nacional para a Reabilitação e Integração da Pessoas com Deficiência.

• Elias, A. (2005). Autismo e qualidade de vida [em linha]. Campinas. Revisto em 31 de Maio de 2006 14:05 [citado em 31 de Março de 2008] .

Disponível em http://libdigi.unicamp.br/document/?code=vtls000374779>.

• Garcia, T; Rodriguez, C. (1997). A criança autista. In Bautista, Rafael. Necessidades Educativas Especiais. Lisboa: Dinalivro, Pp. 249-269.

• Jordan, R. (2000). Educação de crianças e jovens com Autismo. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

• Jordan, R.; Powell S. (1990). As necessidades curriculares especiais das crianças autistas: capacidades de aprendizagem e raciocínio. Londres, Association of Heads and Teachers of Autistic Children and Adults (AHTACA).

• Marques C. C. (2000). Perturbações do Espectro do Autismo: ensaio de uma intervenção construtivista e desenvolvimentalista com mães. Coimbra: Quarteto

• Moreira, P. S. Autismo: a difícil arte de educar [em linha]. 2005 [citado em 25 de Março de 2008]. Disponível em http://www.psicologia.com.pt/artigos/textos/A0250.pdf>

• Ozonoff, S.; Rogers, S. J.; Hendren, R. L. (2003). Perturbações do espectro do Autismo: Perspectivas da Investigação actual. Lisboa: Climepsi.

• Pereira, E. G. (1998). Autismo: do conceito à pessoa. (2ª ed.). Lisboa: Secretariado Nacional para a reabilitação e integração das pessoas com deficiência.

• Pereira, M. (2006). Autismo: Uma perturbação pervasiva do desenvolvimento; A família e a escola face ao Autismo.( 2ª ed.). V. N. Gaia: Edições Gailivro.

• Quivy, R. ; Van Campenhoudt. L. (1998). Manual de Investigação em ciências sociais. (2ª ed.). Lisboa: Gradiva.

• Rocha, M. (2003). Desenvolvimento cognitivo no Autismo: Estudo de caso. Viseu: Instituto Piaget.

• Rogé, B. et al. (1998). Educautisme, Infância. Projecto Horizon. Setúbal: Escola Superior de Educação de Setúbal.

• Silva, E. B. (2007). Prematuridade: Questões éticas. Porto: Universidade Católica Portuguesa, Instituto de Bioética.

• Simão, R. I. P. (2005). A relação entre actividades extracurriculares e o desempenho académico, motivação, auto-conceito e auto-estima dos alunos [em linha]. [citado em 26 de Dezembro de 2008]. Disponível em http://www.psicologia.com.pt/artigos/textos/TL0039.pdf>

• Teixeira, P. (2005). Síndrome de Asperger [em linha]. [citado em 5 de Dezembro de 2008]. Disponível em http://www.psicologia.com.pt/artigos/textos/A0254.pdf>

• Telmo, I. C. (2005). Manual de Educação de Adultos em Autismo. Lisboa: APPDA - Associação Portuguesa para as Perturbações do Desenvolvimento e Autismo.

Published
2016-02-03
Section
Articles