Avaliação da prática da educação para a saúde na área da sida nos cuidados de saúde primários

  • Cláudia Chaves
  • João Duarte
  • Manuela Ferreira
  • Rui Dionísio

Abstract

Entre múltiplos problemas que hoje afectam o utente infectado pelo VIH/SIDA, emerge uma questão de fundo relacionada com a sua interacção com os serviços de saúde primários, sobretudo as atitudes e comportamentos dos profissionais de saúde em relação aos utentes infectados, e a informação e conhecimentos que os profissionais de saúde detêm em relação à SIDA, que influenciam negativamente ou positivamente, de acordo com os contextos, a forma como eles são tratados na nossa sociedade, remetendo-os para uma posição desfavorável.
Foi nosso desejo podermos, de alguma forma, contribuir para a consciencialização sobre o potencial dos profissionais de saúde, como agentes educativos, no âmbito da educação para a saúde na área da SIDA.
Apontam-se, nesta pesquisa, alguns factores (sócio-demográficos, profissionais, cognitivos e psicológicos) que, de forma diferenciada, afectam a educação para a saúde na área da SIDA.
A investigação realizada foi principalmente de tipo quantitativo (descritivo e correlacional), tendo sido precedida de uma análise de 18 entrevistas semi-estruturadas a profissionais de saúde (médicos e enfermeiros) a exercer funções em Centros de Saúde do distrito de Viseu, na qual se baseou a identificação das dimensões e temáticas da educação para a saúde no âmbito da SIDA mais comuns ou expressivas e a construção dos 59 itens da versão inicial da “Escala da 

Educação para a Saúde” que foi utilizada para medir a variável central.
O estudo subsequente baseou-se numa amostra de 190 profissionais de saúde (143 enfermeiros e 47 médicos) de ambos os sexos, com idades compreendidas entre os 22 e 66 anos, a exercer funções nos Centros de Saúde. Dos resultados salienta-se a confirmação empírica da estrutura multidimensional da prática da educação para a saúde, próxima da estrutura de derivação racional baseada na literatura, atestando a complexidade e a abrangência da educação para a saúde no âmbito da SIDA. Por sua vez, os resultados indicam esta actividade como uma experiência subjectiva, não sendo exclusivamente explicada pelas atitudes e comportamentos perante a SIDA. As variáveis de atributo sexo e nível sócio-económico, assim como as variáveis de caracterização profissional, tempo de exercício, vínculo e categoria profissional, e, ainda, as variáveis cognitivas, formação e informação sobre SIDA, não se evidenciaram como relevantes, tendo sido preditoras da educação para a saúde a idade e o auto-conceito no total.
Os resultados apontam, assim, a complexidade da prática da educação para a saúde no âmbito da SIDA, devendo as variáveis acima referidas ser tomadas em consideração para uma prática mais intencional e eficaz.

References

• BEZ, G.& Jasmin C. (1993). Cancer, SIDA et société: pour une approche globale de la santé. Paris: ESF Éditions.

• CASABELLA ABRIL, B. et al. (1997). Actitudes y necesidades de formación sobre la infección por el VIH en profesionales sanitarios de atención primaria. Atención Primaria. Vol. 19, nº 8, p. 395-399.

• CONSELHO DE REFLEXÃO SOBRE A SAÚDE (1998). Recomendações para uma reforma estrutural. Disponível em < http://www.danielserrao.com/gca/index.php?id=474>. Consultado em 8 de Maio de 2010.

• COSTA, M. (1995). Percepções dos jovens sobre a problemática da SIDA : a intervenção educativa e a intervenção médica na escola na prevenção da SIDA. Coimbra: Faculdade de Medicina. Tese de mestrado.

• FIERRO, A. (1997). La construcción de la identidad personal. In MARTI, Eduardo, coord.; ONRUBIA, Javier, coord. - Psicologia del desarrollo: el mundo del adolescente. Barcelona: UCT. (Cuadernos de formación del profesorado; 8). p. 73-94.

• FIGUEIRAS, A. et al. (1997). VIH/SIDA en atención primaria: opiniones y necesidades de los profesionales sanitarios gallegos. Atención Primaria. Vol. 20, nº 6, p. 319-323.

• FRASQUILHO, M. (1996). Comportamentos problema em adolescentes: factores protectores e educação para a saúde. O caso da toxicodependência. Lisboa : Laborterapia.

• GRANDE, N. (2000). Cuidados de saúde primários: pedra angular dos sistemas de saúde. In Fórum de Economia da Saúde. Porto, Departamento de Clínica Geral e Instituto Superior de Estudos Empresariais da Universidade do Porto. p. 77 – 87.

• LOPES, N. (1994). A Recomposição dos Saberes, Ideologias e Identidades de Enfermagem: estudo sociológico em contexto hospitalar. Dissertação (Mestrado). Instituto superior de Ciências do Trabalho e da Empresa. Lisboa.

• MANNETTI, L. & Pierro,A. (1991). Health care workers' reactions to AIDS victims : perception of risk and attribution of responsibility. Journal of community & applied social psychology. 1, p. 133-142.

• MARTÍNEZ, A. G. et al. (2000). Educación para la salud : la apuesta por la calidad de vida. Madrid : Arán Ediciones. ISBN 84-86725-66-6.

• MATEUS, M. & Cláudio, V. (2000). SIDA: eu e os outros. 1ª ed. Lisboa: Climepsi Editores. p. 277-292.

• NYAMATHI, A. et al. (October, 2001). Evaluating the impact of peer, nurse case-managed, and standard HIV risk-reducation programs on psychosocial and health-promoting behavioral outcomes among homeless women. Research in Nursing and Health. Vol. 24, nº 5, p. 410-422.

• PEREIRA, J. (1997). Aspectos psico-sociais do doente seropositivo : da morte social à morte física. Coimbra : Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Univ. de Coimbra.

• PINTO, E. (1995). Atitudes dos enfermeiros perante a SIDA. Badajoz: Universidad de Extremadura. Dissertação de mestrado.

• REVUELTA, C. & Diáz C. (2001). Promoción de la salud y cambio social. Barcelona: Masson. ISBN 84-458-1016-2.

• RYAN, C. C. (1990). The training and support of health care professionals dealing with the psiquiatric aspects of AIDS. Behavioral aspects of AIDS. 20, p. 355-369.

• SAGRESTANO, L. et al. (2001). Sources of HIV-prevention Information for Individuals at High Risk. American Journal Health Behavior, 25(6), p.545-556

• SIMS, R. & Moss, V. (1995). Palliative care for people with AIDS. Edward Arnold, London.

• SOUSA, M. (2002). SIDA: e a vida contínua. Associação Portuguesa de Enfermeiros. ISBN 972-98149-3-7.

• TONES, B. K & Tilford, S. (1994). Health education : effectiveness, efficiency and equity. 2.ª ed. Londres : Chapman and Hall.

• VAZ SERRA, A. (1986). O Inventário Clínico de Auto-Conceito. Psiquiatria Clínica, 7, 67-84.

• VAZ SERRA, A. (1994). IACLID - Inventário de Avaliação Clínica da Depressão. Coimbra: Psiquiatria Clínica.

• WYK, van N. C. (December, 1999). Health education as education of the opressed. Curationis. Vol. 22, nº 4, p. 29-34.

• WHITEHEAD, D. (November, 2001). A social cognitive model for health education/health promotion practice. Journal of Advanced Nursing. Vol. 36, nº 3, p. 417-425.

Published
2016-02-04
Section
Articles